Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Vamos repetir, presidente Dilma: só queremos que vá embora!

Vamos repetir, presidente Dilma: só queremos que vá embora!

06/08/2015 Lucas Berlanza

Que o governo federal está desmoronando, qualquer um que não apresente sintomas de uma teimosia infantilóide já percebeu; que o Brasil vive um clima de tensão entre os poderes e de rebuliço nas instituições de características únicas, também não se questiona.

Exceto por uma pessoa: a própria presidente Dilma, que prefere se cegar ao país em que vive e fingir estar em outro planeta. A sugestão feita por ela nesta terça-feira é prova disso.

Dilma Rousseff, em uma tentativa genial de se aproximar da população, que não quer nem ouvir falar em sua distinta figura, lançou um fórum digital chamado Dialoga Brasil, nome bastante significativo em se tratando do petismo e sua primorosa capacidade de conversar em vez de demonizar todo tipo de oposição e dividir o povo em categorias estanques e incomunicáveis – só que não, é claro.

De acordo com reportagem do site de notícias G1, a ideia, ecoando a exaltação superficial que a retórica de esquerda costuma fazer à “participação popular” e à “democracia direta”, graças aos seus velhos cacoetes rousseaunianos, é que “por meio da plataforma, os brasileiros apresentem sugestões para 80 programas relacionados a 14 áreas de atuação do governo federal, como saúde, educação e segurança pública.

Além disso, os internautas poderão “curtir” propostas de outros participantes e conhecer os principais programas do Executivo”. Isso mesmo, Dilma! Agora vai! No olho do furacão, a presidente e a cúpula do petismo – graças à crise que se instala na governabilidade, também ela dividida e trocando farpas – encontraram a saída brilhante, a solução iluminada: criaram uma espécie de Facebook para políticas públicas!

Sem dúvida, os quase 80 % que desaprovam seu governo agora se sentirão contemplados e passarão a amá-la e apoiá-la. Parabéns, presidente! Já que o plano deles é brincar de democracia direta, a presidente poderia simular a antiga “ágora” grega e convocar o povo a falar diretamente para ela, a transmitir em alto e bom som suas queixas e insatisfações.

Nossa presidente sitiada, no entanto, não tem condições de fazer algo assim; sabe muito bem que será vaiada e hostilizada onde quer que apareça, a menos que a platéia a seguí-la seja de militantes cooptados e devidamente pagos para aplaudí-la. O governo se comprometeu a colocar em prática, em novembro, as três propostas mais apoiadas em cada programa.

Liberais e conservadores podem ter se animado com essa sinalização; “vamos lá agora tentar iluminar esse governo e sugerir que faça cortes nisso, nisso e naquilo, que enxugue a máquina do Estado aqui e acolá, que corte impostos cá e lá”… O leitor mais prevenido certamente não se empolgou.

Os internautas do Dialoga Brasil naturalmente, uma vez cadastrados, submeterão suas propostas a um “filtro de moderação”, que analisará se “as propostas estão em conformidade com os termos do site”. Sabemos que a Internet é terreno fértil para todo tipo de comentário, incluindo asneiras que realmente seriam impublicáveis.

Entretanto, alguém tem dúvidas de que esse “filtro de moderação” jogará na lata de lixo virtual toda proposta que estiver em choque com os interesses do establishment no poder? Que credibilidade Dilma e o PT, criadores do super democrático Humaniza Redes, têm para que confiemos neles e submetamos nossas reivindicações?

No mesmo dia, falando sobre as metas do Pronatec, a já clássica bandeira de sua campanha eleitoral, Dilma se enrolou ao explicar um aumento de vagas reduzido para as expectativas prometidas. Segundo a presidente, “não vamos colocar meta. Vamos deixar a meta aberta, mas, quando atingirmos a meta, vamos dobrar a meta”. Para variar, foi aplaudida pelos presentes.

Talvez o nível de estupidez das declarações mereça reconhecimento mesmo… É tão estúpido que chega a beirar a genialidade. Deve ser por isso. A lógica matemática de Dilma é que ao atingir uma meta que não existe, sua inexistência será dobrada.

Elementar, presidente Dilma… O dobro de nada, ora pois, ainda é nada! Não tenho nenhum interesse em me cadastrar no Dialoga Brasil e, se o fizesse, há uma única sugestão a fazer, como cidadão brasileiro e apaixonado pelo meu país. Há uma única conclamação a fazer a uma presidente totalmente incapaz, sustentando um regime decrépito e mal intencionado.

Já cansamos de fazê-la, mas vamos repeti-la, até que seja entendida. E vamos repeti-la dia 16 de agosto, nas ruas, não, na verdade, como sugestão, mas sim como EXIGÊNCIA: vá embora, Dilma! Saia! Abandone o Palácio do Planalto! Não podemos querer mais nada, nem pediremos mais nada, enquanto esse requisito não for atendido.

* Lucas Berlanza é acadêmico de Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, na UFRJ, assessor de imprensa e colunista do Instituto Liberal.



Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.