Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Vergonha: um orgulho familiar

Vergonha: um orgulho familiar

11/08/2020 Acedriana Vicente Vogel

Ouso iniciar a reflexão sobre o sentimento de vergonha pela adaptação da célebre frase: diga-me do que tens vergonha, que eu te direi quem és!

É fato que a geração 'hipermoderna' possui um desejo frenético de desafiar os limites.

Como em seus games, vai "passando de fases", uma após a outra, como se não existisse um fim. E, nesse afã, imprime à vida um ritmo refratário às regras de convivência social.

A família, nesse contexto, mais do que qualquer outra instituição social, é responsável pela fecundação de valores que serão, paulatinamente, associados à identidade de cada um dos seus membros.

Para tanto, os adultos devem responder, de forma consciente, pelo plantio e pelo cultivo das relações, coerentes com os valores que acreditam.

De que maneira? Construindo vínculos afetivos de confiança e respeito, fontes de admiração e referência.

Como? Bem simples. Por exemplo, quando um adulto, com um olhar irradiante, se põe de joelhos diante da criança que ensaia os primeiros passos e, por um movimento de encorajamento com as mãos, diz: "vem, pode vir"... faz a criança acreditar em si de forma confiante.

Porque há alguém à sua frente com alta expectativa em relação aos seus avanços, pronto para ampará-lo nas suas vitórias e nos seus fracassos.

Portanto, receber créditos, ser acreditado pelos adultos da família é o maior investimento na construção da identidade de uma vida humana.

Nesse momento, pode vir à pergunta: mas, o que tudo isso tem a ver com o tema vergonha, proposto para esse artigo? E, ainda mais: tenho que sentir orgulho da vergonha que meus filhos sentem?

Se me faço humano no espaço social, o sentimento de vergonha é condição necessária para o agir moral. Agir, entendendo que há limites, porque há o outro na relação.

O biólogo Darwin diagnosticou que "o enrubescer é a mais especial e a mais humana de todas as condições humanas".  É o momento que eu me situo diante dos meus valores.

Não há quem não queira se ver como um 'ser de valor', bem como ser visto dessa forma por aqueles por quem guarda admiração, confia e respeita.

Por esse motivo, o sentimento de vergonha acaba por regular as relações interpessoais e intrapessoais relevantes para a nossa experiência com o mundo.

Para sentir vergonha, a pessoa deve comparar se a sua ação contraria ou não algum referencial próprio que constitui o seu arcabouço de valores, cuja família tem por princípio cultivar entre os seus integrantes, desde a mais tenra idade.

Por exemplo, se não roubar, não mentir, não humilhar para mim são valores, logo sinto vergonha de roubar, de mentir, de humilhar.

Há um grito latente que convida à responsabilidade do cultivo à vergonha, para se inserir como membro de uma sociedade, ou melhor, como um parceiro cooperativo: cidadão!

Aquele que não é indiferente, aquele que é capaz de se indignar com o "sem vergonha" e exigir "vergonha na cara".

Se a família, a escola e todas as outras instituições formativas investirem com intensidade no combate à indiferença, no movimento de indignação diante daquilo que não tem aderência com os valores que assumimos e com os quais nos identificamos, teremos uma sociedade mais justa, da qual tenhamos orgulho de fazer parte, pois a impunidade não se legitimará.

* Acedriana Vicente Vogel é diretora pedagógica do Sistema Positivo de Ensino.

Fonte: Central Press



Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.


Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.


Como a quarentena provocou o êxodo urbano para cidades que oferecem mais qualidade de vida

A pandemia e as medidas de isolamento social fizeram com que as pessoas precisassem adaptar a rotina de trabalho, estudos, lazer e até de saúde, trazendo estas atividades para dentro de casa.


A era do fogo chegou

Pantanal, um dos biomas com maior biodiversidade do mundo, já teve 16% de todo território queimando.


Autoconhecimento: uma regra de ouro da vida

Há quem os critique, há quem os ame; eles já me resgataram do fundo poço e lhes sou grata: os livros de autoajuda.


Você tem curso universitário?

Naquela macia manhã de domingo, fui com meu pai, à missa, na igreja de Santíssima Trindade.