Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Vida encaroçada

Vida encaroçada

20/03/2018 Francisco Habermann

A gente percebe que a vida vai passando quando o corpo começa a encaroçar.

Um nódulo aqui, outra inflamação articular ali e a gente vai se adaptando. Cito essas figurações clínicas comuns apenas para comentar uma história real. Que também teve caroços.

Aqueles dois jovens iniciando a vida de casados, tinham as tarefas intensas do dia-a-dia sendo vencidas com dedicação redobrada. Com o serviço de casa completado, ele teve a ideia de preparar um curau.

Era fevereiro, mês de produção abundante de milho verde. Aquele final de dia extenuante pedia um intervalo descontraído do casal e a proposta para apreciar o prato típico foi aceita pela esposa.

Nenhum dos dois tinha prática naquele preparo, só a lembrança de ambas as mães fazendo aquele quitute saboroso, típico da culinária brasileira. Foram em frente. Cortados e raspados os grãos de milho verde, foram moídos em liquidificador e coado o suco.

Baseados nas informações do livro de receitas Dona Benta (primeiro presente que ela ganhara dele, logo que se conheceram), iniciou-se o cozimento da mistura, mexendo sempre. A certa altura da fervura, eis que o líquido foi tomado por caroços. E não adiantava agitar mais com a colher de pau.

Os novatos mestre-cucas resolveram interromper o cozimento e passar o conteúdo na peneira, por sugestão dele. O líquido quente espirrava e o processo sugerido em nada adiantou. Retornado o líquido à panela, reiniciado o aquecimento, os caroços ressurgiam.

Enfim, desistiram do curau. Os doces caroços venceram e o casal ficou só na vontade daquele apreciado prato brasileiro. Mas uma dúvida sobre o procedimento culinário tão simples ficou na consciência dos frustrados novatos.

Somente mais tarde é que souberam do processo de coagulação nodular temporária do amido na própria sequência do cozimento da mistura. Persistindo em fervura, os caroços se dissolvem. E o curau fica uma delícia. Ah, sim, faltou a eles o famoso conhecimento prático que mães amorosas cultivam!

Concluo que na nossa vida acontece a mesmo fenômeno. As dificuldades aparecem e a própria ´fervura´ (persistência? dedicação? amor? ) existencial faz os problemas ( caroços ) se dissolverem por si. E vamos vivendo felizes... Ainda bem!

* Francisco Habermann é professor da Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu.



O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.


Um vazio de lideranças

Qual o paradeiro dos líderes? Eles possivelmente estão por perto, mas nós não os enxergamos.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


No tempo da pandemia

Nesta época de quarentena, assisti, pela rádio, à transmissão de cerimónia religiosa: missa.