Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Violência e política

Violência e política

17/09/2018 Daniel Medeiros

Nada é mais perigoso para a política do que seu envolvimento com a violência.

Violência e política

“O poder corresponde à habilidade humana de não apenas agir, mas de agir em comum acordo. Este jamais é propriedade de um indivíduo, pertence a um grupo e existe apenas enquanto o grupo se mantiver unido. Quando dizemos que alguém está ´no poder` estamos na realidade nos referindo ao fato de encontrar-se esta pessoa investida de poder, por certo número de pessoas, para atuar em seu nome. No momento em que o grupo - de onde se originara o poder - desaparece, desaparece também o seu poder” (Hannah Arendt).

A violência é o outro extremo da política. Onde há violência, no seu estado bruto, avassalador, há silêncio - e onde há silêncio, não há política. Aristóteles define o ser humano como um “animal político” e como “um ser dotado de linguagem”.

Isto é: usamos nossa condição de humanos para exercer nossa liberdade pública, por meio da nossa fala e das nossas ações. A violência é o campo da imposição e da opressão; a política, o campo do convencimento e do consenso. Para uma, as armas são a intimidação, o terror; para outra, a palavra e os bons argumentos.

A vitória da violência é o silêncio do outro; a vitória da política é a isegoria, o direito de todos falarem. Nada é mais perigoso para a política do que seu envolvimento com a violência. Isso porque a violência é um recurso que não encontra reação fora dela mesma - daí o risco altíssimo de seu uso gerar uma espiral de “respostas" tão ou mais violentas que o seu início. A violência nunca é um fim em si mesma. É instrumental, serve a propósitos que estão além dela. A violência não é a essência de nada.

O problema reside aí: quando enxergamos na violência a forma mais adequada para alcançar algo, mas não conseguimos delinear com clareza esse algo e, principalmente, o tempo para alcançar esse objetivo, a violência acaba tornado-se a única coisa concreta do projeto político.

A violência paralisa e, por isso, limita a ação. A democracia é a prática da ação que contrapõe ideias e projetos e, por meio do debate, da fala, constroem-se os consensos. Os consensos são sempre provisórios, pois que a liberdade que é inerente ao espaço público democrático - a polis - renova sempre a oportunidade de mudanças desses mesmos consensos.

Aos que não se juntam à maioria, resta sempre a oportunidade de reverter suas derrotas e construir novos projetos. Essa é a ideia que os gregos nos legaram, essa invenção maravilhosa.

No entanto, à espreita, há a violência que quer calar, que quer imobilizar, que quer apagar as diferenças, que quer impedir o debate, que quer sufocar a novidade das expressões de vida no mundo, que quer uniformizar os comportamentos, essa violência é anti-democrática por excelência. E ela precisa ser combatida pela palavra, pela ação - e nunca pela própria violência.

Se a violência tivesse consciência, como um maléfico monstro mítico, riria de nossas raivas e de nossas reações brutas. O antídoto para esse monstro é a voz, a palavra, os projetos coletivos, o respeito pelo consenso, o repúdio por toda forma de discriminação e silenciamento

A palavra “democracia" tem efeito paralisante sobre o monstro desumanizador. É possível vencê-lo. Mas, para isso, é preciso valermo-nos da coragem da calma e da prudência. Em um ambiente de paz, é fácil identificar o inimigo: ele é exatamente aquele que quer acabar com o ambiente de paz.

* Daniel Medeiros é doutor em Educação Histórica pela UFPR, consultor de conteúdos na área das Humanidades e professor no Curso Positivo.

Fonte: Central Press



Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).


Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


Propaganda eleitoral antecipada

A propaganda para as eleições neste ano só é permitida a partir do dia 16 de agosto.


Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.