Um dos maiores desafios que a família encontra atualmente é manter as contas em dia. Essa é uma situação que pode causar muitas dificuldades de relacionamento.

"> Você conhece seu ‘perfil financeiro’? | O Debate
Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Você conhece seu ‘perfil financeiro’?

Você conhece seu ‘perfil financeiro’?

21/10/2008 Divulgação

Um dos maiores desafios que a família encontra atualmente é manter as contas em dia. Essa é uma situação que pode causar muitas dificuldades de relacionamento.

Manter as contas em dia, então, é uma questão de sobrevivência em muitos aspectos. Mas, como conseguir esse equilíbrio financeiro? O salário que recebemos é uma das fontes da ação da divina providência em nossa vida. Ou seja, Deus nos dá a graça de um trabalho, como garantia da sobrevivência familiar. Por isso, é necessário aprendermos a usar o dinheiro que ganhamos com o suor do nosso trabalho da melhor forma possível. Cuidar do orçamento familiar não é apenas anotar as despesas realizadas. É algo que envolve: planejar, eleger prioridades, controlar fluxo de caixa. Além disso, é uma ferramenta que ajuda a entender nossos hábitos de consumo. É uma oportunidade para a família refletir sobre os projetos de vida e objetivos comuns, para que todos caminhem numa única direção, possibilitando o crescimento da unidade familiar.

Controle financeiro não é algo que apenas as famílias de classe alta precisam fazer. É também um instrumento que nos ajuda a aprender a esperar e a fazer escolhas acertadas, buscando o melhor para toda a família. Está longe de ser uma tarefa fácil. Mas, não é impossível. Você precisará de determinação, disciplina, caderno, lápis e calculadora. Mesmo nossas escolhas mais simples definem quem somos, ou pelo menos quem 'estamos sendo'. Os anúncios publicitários chegam a promover, muitas vezes, uma necessidade que não existe, fazendo com que a pessoa exagere nos gastos. Outro risco grande é o desejo de "status", ou seja, o hábito de se comparar com os outros e o desejo de imitá-los. Também existem aqueles que gastam muito por fuga ou por compensação, ou seja, por questões psicológicas. Outros, ainda, querem oferecer aos filhos tudo que não tiveram na infância... Em todos esses casos, sem disciplina, não há renda que suporte. Enquanto não identificamos que tipo de consumidores somos nós, é quase impossível atingirmos o equilíbrio necessário.

Portanto, o primeiro passo é cada um identificar se faz compras por necessidade ou por compulsão. Entre os "sintomas" está a falta de organização. Responda: você anota o que gasta com seus compromissos? Emite muitos cheques pré-datados, mesmo tendo dinheiro na conta? Percebe que é por pura questão de hábito? Cada pessoa tem um "perfil financeiro". Se você conhecer o seu perfil e o das pessoas de sua família que contribuem de alguma forma com a renda familiar, poderá contribuir para que juntos encontrem o equilíbrio financeiro. Eis alguns perfis básicos:

Gastadores: São pessoas que não estão preocupadas com o futuro. Vivem intensamente o presente e gastam toda a renda. Às vezes, até um pouco mais. Os gastadores valorizam as grifes e gostam de ostentar seu estilo de vida. São pessoas que vivem na dependência da imagem e de receberem elogios por suas aquisições.

Descontrolados: Não sabem quanto pagam de tarifa bancária, não acompanham o dinheiro que entra na conta, tampouco percebem quando sai da conta. Essas pessoas vivem com a sensação de que o dinheiro evapora, estão sempre cortando os gastos, mas nunca é o suficiente. Além disso, usam constantemente o cheque especial ou pagam a conta do cartão de crédito apenas parcialmente, por falta de fundos.

Desligados: Gastam menos do que ganham, mas não sabem exatamente quanto. Poupam o que sobra, quando sobra. Perdem ou "guardam" o dinheiro em livros, bolsos de calças e/ou camisas. Se não têm dinheiro na conta, parcelam a compra. A fatura do cartão de crédito e o extrato da conta de celular são surpresas a cada mês.

Poupadores: Preocupam-se com o futuro, sabem que é importante guardar e, por isso, tendem a restringir ao máximo os gastos atuais. Nem sempre suas intenções são compreendidas. Freqüentemente recebem críticas por serem mesquinhos, avarentos e há quem diga que essas pessoas são capazes de mergulhar em uma piscina com um comprimido efervescente e sair com ele intacto (mão fechada; pirangueiro; pão-duro).

Financistas: São consumidores racionais e, por isso, rigorosos com o controle de gastos com o propósito de economizar. Nem sempre o objetivo é poupar. Às vezes, pretendem acumular para poder comprar mais pagando menos. Elaboram planilhas, andam com calculadoras e lista de compras nos supermercados e shoppings, fazem estatísticas e projeções com quantidades e freqüência impressionantes. Entendem de investimentos, juros, inflação e são procurados por amigos e parentes para orientações. É muito importante você reconhecer que tipo de consumidor que é, porque comprar compulsivamente pode ser sinal de doença. "Estourar o orçamento" repetidamente pode ser um vício, tanto quanto o alcoolismo. Pode se tratar de uma doença chamada "oniomania": aquele que necessita comprar, assim como o dependente químico necessita da droga. O tratamento inclui acompanhamento psicológico e medicação. Mas é fundamental que a pessoa reconheça que está doente e precisa de ajuda. O segredo de um planejamento eficiente não é controlar despesas, simplesmente. A chave do sucesso do seu planejamento reside na sua capacidade de criar uma estrutura sustentável que equilibre receitas e despesas e permita que você administre o inesperado e poupe.

*Manuela Melo é psicóloga com MBA em Gestão de Recursos Humanos e missionária da Comunidade Canção Nova.



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?