Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Você expõe seu amor nas redes sociais?

Você expõe seu amor nas redes sociais?

16/03/2014 Rosana Braga

Na era da tecnologia é difícil imaginar quem não esteja conectado pelo menos em algum momento do dia.

Desta forma, pessoas se encontram, se conhecem e se relacionam em partes por culpa do destino, em partes por coincidência. Com a ajuda da internet, há também aqueles que voltam a se cruzar, dando uma nova chance a relações que não deram certo no passado.

Amores nas pontas dos dedos, sem fronteiras e possíveis em qualquer lugar, basta expandir a mente e se permitir. O mais interessante nesse mundo virtual, embora muitos apostem que não, é ser exatamente quem somos. De um jeito ou de outro, direta ou indiretamente, por meio de verdades ou de mentiras, sendo autêntico ou fake. O fato é que a virtualidade é o reflexo inexorável da realidade e isso fica muito claro, mais cedo ou mais tarde, revelando dores e alegrias, beleza e feiura. Doa a quem doer.

Por isso vale a reflexão: o quanto é saudável (e interessante) se expor nas redes sociais? Qual seria a medida certa? Cito estes questionamentos porque algumas pessoas parecem se perder entre o mundo virtual e o real. Mais do que viver de fato, elas vivem de imagem e assim inventam uma vida de flashes, de sentimentos digitalizados, de palavras frias. Ainda mais quando se trata de amor. “Fulano está num relacionamento sério”. Dias depois: “fulano se casou com a Sicrana”.

E mais alguns dias lá estão: frases feitas para demonstrar frustrações, desilusões e arrependimentos. Sem contar quando, dias mais tarde, o Fulano e a Sicrana reatam, mas nessa altura do campeonato, já revelaram pequenos pedaços da relação que jamais deveriam aparecer online simplesmente porque não cabe, porque não é dali. É particular, íntimo, da ordem do profundo e não do banal. Não estou insinuando que nada deva ser contado nas redes sociais e nem compartilhar felicidades, conquistas e momentos que realmente valem a pena serem impressos na eternidade virtual.

Estou sugerindo que haja cautela e discernimento para que o que seja mostrado na web, não impacte a vida real diretamente, muitas vezes de forma negativa. Depois de nada adianta protestar contra a inveja, a bisbilhotice, a fofoca ou o olho gordo, afinal quem se coloca na vitrine do mundo está aceitando as condições da exposição. Quais são as suas condições? Faça as suas e assuma as consequências, mas lembre-se do sábio dito popular que nos alerta “tudo o que é demais, faz mal”.

Publicações sobre seu relacionamento todos os dias podem indicar que está faltando tempo no mundo real para vocês dois. Por outro lado, brigas públicas em forma de indiretas podem indicar que vocês não estão conseguindo conversar frente a frente. E pode apostar isso mais atrapalha do que ajuda a resolver as coisas. Aqui cabe bem outro dito: “roupa suja se lava em casa”.

Por isso, recolha os excessos que ficaram espalhados pelo caminho e junte-se ao seu amor para sentir mais de perto o que é particular. Seu relacionamento não precisa de aprovação do mundo virtual para prosperar no real. Viva cada sentimento de coração e guarde o que importa do lado de dentro, porque é aí que está o amor de fato. Afinal, tudo que o amor precisa é verdade.

*Rosana Braga é consultora de relacionamento e comunicação do ParPerfeito, palestrante, jornalista e escritora.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa