Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Você usa as mídias sociais para expandir sua rede de franquias?

Você usa as mídias sociais para expandir sua rede de franquias?

28/03/2014 Nadia Korosue

Temos acompanhado uma grande mudança estratégica no mercado de franquias após o surgimento das redes sociais.

Mas, você tem explorado todas as oportunidades para o seu negócio? Se estiver utilizando estes canais somente para postar informações institucionais, para saber o que público acha da marca e dos produtos e serviços, você provavelmente já está um passo atrás da sua concorrência.

Atualmente, as redes de franquias estão usando as mídias sociais para fidelizar e transformar seus clientes em parceiros, posicionar e fortalecer a valorização da marca, aumentar o market share e, além disso, para prospectar novos franqueados e interagir com aqueles que já pertencem à rede, potencializando e tornando a comunicação mais eficiente e fazendo com que se sintam parte e mais responsáveis pelo sucesso de todos. As mídias sociais têm oferecido cada vez mais inovações variadas, fazendo com que ferramentas tradicionais como intranets e extranets, por exemplo, sejam cada vez menos utilizadas.

Com relação ao cliente, as mídias sociais têm sido muito empregadas, principalmente para captar leads e incrementar as vendas. As redes têm trabalhado também no engajamento do cliente, estabelecendo uma relação mais próxima e interativa por meio da publicação de assuntos relacionados ao segmento, fóruns de discussões, pesquisas de tendência, concursos, etc. De acordo com especialistas, a resposta dos usuários ao conteúdo postado tem sido mais importante do que o número de seguidores em si.

Já na prospecção de novos franqueados, os empreendedores costumam, primeiramente, identificar o perfil do pretendente, monitorando as palavras-chave, mensagens e assuntos específicos mais acessados por eles para pesquisa de franquias. Este material tem sido a base para a criação de conteúdos segmentados, mais estratégicos e assertivos para serem publicados em sites exclusivos para comercialização de franquias, blogs, vídeos, webinários e anúncios, por exemplo.

A ideia é que este conteúdo seja apresentado especificamente para quem tenha o perfil, sendo capaz de atraí-los e instigá-los para realização de um contato. Alguns franqueadores também têm atuado de maneira mais ativa, utilizado ferramentas para buscar aqueles que têm maior potencial para enviar materiais informativos ou até mesmo para fazer uma ligação telefônica. O custo além de ser mais baixo tem proporcionado maior foco, direcionamento e resultado. As oportunidades são ainda maiores quando tratamos de franqueados.

As mídias sociais têm sido aproveitadas para criar uma gestão mais aberta e participativa, incentivando um diálogo direto e mais intenso entre as partes, principalmente para escutar e conhecer suas boas práticas, ideias e sugestões. Além disso, tem sido muito aplicadas para propagar o know how, compartilhar histórias de sucesso, gerar sinergia e capacitar os franqueados. Para tanto, como muitas das informações costumam ser estratégicas e confidenciais, as redes estão dando preferência por mídias que ofereçam a possibilidade de acesso restrito e segmentado por perfil ou por grupos.

Saber que todos estão recebendo as mesmas informações ao mesmo tempo, tem garantido a uniformidade e a satisfação da rede. É muito importante trabalhar também o engajamento dos franqueados na utilização das mídias sociais. Organizar um calendário com postagens interessantes que possam ser compartilhadas com sua rede de relacionamento, premiar aqueles que estão atingindo os melhores resultados ou participando dos painéis de novas oportunidades são alguns dos exemplos de ações.

Para garantir sua efetividade é imprescindível a implantação de uma política de comunicação e de relacionamento em que as regras estejam claramente estabelecidas e de acordo com o perfil e cultura da organização. A política deve prever, por exemplo, como lidar com críticas negativas e discussões fúteis. O mau uso das mídias sociais pode trazer consequências graves à marca e de difícil recuperação. Outro ponto importante é não deixar de monitorar constantemente os resultados, dar respostas rápidas e, principalmente aproveitar as informações para encontrar novas oportunidades.

Há diversas ferramentas que realizam o acompanhamento dos comentários feitos da marca bem como sobre os concorrentes e o mercado. Enfim, as mídias sociais vieram com força total e explorar corretamente todas as suas soluções permite capitalizar muitas coisas interessantes para o crescimento da sua rede. Sucesso e bons negócios!

*Nadia Korosue é administradora de empresas, especialista em projetos, sócia da GOAKIRA Consultoria.



Os candidatos avulsos e os partidos

Por iniciativa do ministro Luiz Roberto Barroso, o STF (Supremo Tribunal Federal) abre a discussão sobre a as candidaturas avulsas, onde os pretendentes a cargo eletivo não têm filiação partidária.


Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.