Portal O Debate
Grupo WhatsApp

10 passos para colocar seu negócio em ordem

10 passos para colocar seu negócio em ordem

19/05/2021 Divulgação

É possível encontrar a raiz dos problemas financeiros da empresa e assumir o controle para não perder dinheiro.

10 passos para colocar seu negócio em ordem

Seu negócio gera lucro, mas está difícil pagar as contas em dia e você não sabe onde está o problema? Esse é um dilema cultural enfrentado por muitos empreendedores brasileiros! Porém, é possível mostrar o caminho para entender e resolver as reais causas dos problemas financeiros da empresa de maneira simples e assumir o controle para não perder mais dinheiro.

1. Definir propósito e negócio

O primeiro passo é ter claro em sua mente qual é o seu propósito de vida e qual a participação do seu negócio para realizá-lo. Caso você ainda não tenha pensado neste assunto, sugiro que faça a si mesmo as seguintes perguntas:

- Qual é o seu sonho e o que o motiva a acordar todas as manhãs?
- O que você faz com facilidade na empresa?
- Como você pode fazer a diferença na vida das pessoas?

Essas respostas, se levadas a sério, deverão nortear sua trajetória empreendedora, sendo o combustível e a voz do negócio. Porque, através delas, você descobrirá como usar seus melhores recursos para servir as pessoas e suprir suas necessidades, dores ou desejos. Especialmente porque não se trata da venda de um serviço ou produto, simplesmente, mas do seu valor para o cliente. Por exemplo: uma jovem que procura uma roupa elegante, na verdade, está comprando a beleza e a admiração que lhe proporcionará na ocasião em que vesti-la. Outro exemplo: um senhor que se interessa por um carro antigo específico não quer apenas comprar um automóvel, mas a satisfação de vivenciar a sua história ao dirigi-lo.

2. Compreender os números do seu negócio

O segundo passo é entender os números do seu negócio. Porque somente dessa forma é possível compreender, de fato, o que está acontecendo com suas finanças empresariais. Para isso, é fundamental que você crie familiaridade com conceitos básicos, como custo e despesa, regime de competência e regime de caixa, entre outros. Pois esse conhecimento o ajudará a organizar as finanças, identificar problemas e embasar suas decisões em prol do negócio. Talvez neste momento você pense que é complicado e difícil de aprender, porque finanças não é a sua área. Mas é aí que está o grande engano, que leva muitos empreendedores ao buraco financeiro! Porque são conceitos simples de compreender, se houver disposição para informar-se, e determinantes para conquistar bons resultados no seu negócio.

3. Estruturar o seu financeiro

Com o conhecimento adquirido, após pesquisar sobre os conceitos básicos de finanças, você estará apto a organizar sua área financeira. Para isso, o ideal é contar com um software online de gestão financeira que lhe proporcione uma visão gerencial completa. Então, implante um Fluxo de Caixa com plano de contas gerencial e lance todas as entradas, saídas e previsões financeiras. Após implantá-lo, estabeleça, com o financeiro, uma rotina diária de controle, registrando todas as transações e comparando previsto x realizado. Uma dica, para assegurar que conseguirá fazer este controle todos os dias, é tornar esta a primeira tarefa do dia. Neste processo, é importante lançar o que foi realizado e o que está programado, em virtude de parcelamentos, por exemplo. Assim você terá já prontos os relatórios do previsto e do realizado, à medida que o tempo for passando. Também lembre-se de fazer conciliação bancária todos os dias, para garantir a confiabilidade dos dados para as tomadas de decisão.

4. Separar a pessoa física da jurídica

Mas para que essa organização das finanças dê certo, não pode haver mistura da pessoa física com a jurídica. Não funciona, por exemplo, usar o cartão de crédito da empresa para as contas pessoais. Da mesma forma que é temerário contar com bens particulares para apagar incêndios da empresa. É preciso compreender que o dinheiro da empresa não é seu, e vice-versa, por mais que você seja o dono. Então, para evitar conflitos e buracos no caixa, planeje pagar pro-labore, como um salário fixo, para você e os sócios. E se a empresa gerar lucro, estude a possibilidade de uma distribuição de lucro. Assim você conseguirá fazer estimativas reais, calculando, inclusive, as suas retiradas. E poderá se organizar melhor para a empresa conseguir pagar as contas com dinheiro do próprio negócio.

5. Identificar a situação atual das finanças

Com o dinheiro da empresa sendo controlado diariamente através do Fluxo de Caixa, sem mistura de pessoa física com jurídica, é possível fazer uma análise mais profunda do real cenário das finanças empresariais. E se você estiver utilizando um sistema de gestão financeira compatível com as exigências do governo e com relatórios facilitados, esta tarefa será simples, porque você já terá esses dados prontos. No Fluxo de Caixa Online, por exemplo, é só você selecionar o relatório e o período que deseja analisar. Então você verá os dados e gráficos correspondentes à pesquisa, seja para uma visão financeira geral ou relatórios detalhados específicos. Assim, você saberá exatamente de onde vem e para onde vai o dinheiro, e se a empresa tem liquidez. Essas informações serão “um divisor de águas” para as suas finanças empresariais, pois você descobrirá que, muito provavelmente, o problema não está onde se imagina e a solução é mais simples do que parece!

6. Eliminar a fábrica de dinheiro

Uma das grandes armadilhas do financeiro é a utilização da fábrica de dinheiro para manter o Fluxo de Caixa positivo. Porque a empresa tem lucro, porém, cada vez mais falta dinheiro para pagar as contas. Então, como um círculo vicioso, sempre se recorre à “fábrica de dinheiro”, abrindo um buraco ainda maior no caixa. O problema pode estar nas vendas a prazo, no estoque, na inadimplência ou na distribuição para sócios, que se sobrepõe à vantagem de garantir pagamentos em dia. Além disso, medir a saúde financeira do negócio pelo saldo final, ignorando estes detalhes, é enganar a si mesmo! Porque o saldo de caixa representa apenas a liquidez do negócio, além de não ser necessariamente resultado de dinheiro do negócio, portanto, não mostra a realidade da situação financeira. Então é preciso avaliar, em sua gestão financeira, porque está faltando para as contas (consequentemente sendo usado recursos de terceiros para conseguir pagar tudo em dia) e onde está parado o dinheiro do negócio. Porque se a empresa gera lucro, esse dinheiro está em algum lugar! Portanto, identificar o foco dos problemas é fundamental para cortar o mal pela raiz e levantar capital de giro.

7. Otimizar a gestão do estoque

Um dos grandes vilões do dinheiro parado é a aquisição de produtos para o estoque, em desarmonia com seu giro. Ou seja: o empreendedor, preocupado em evitar a falta de produtos, mantém o estoque sempre cheio. Só que alguns desses produtos são vendidos em menor quantidade, a cada mês, e acabam ficando parados no estoque. O problema é que estocar determinada quantidade de produtos que não gira implica em “travar” o dinheiro investido neles. Por outro lado, essa é uma questão que, a partir do momento em que é identificada, já aponta para a solução. Porque é só fazer um levantamento da média de vendas de cada categoria e passar a comprar somente a quantidade que deve ser estabelecida. Assim “sobrará” mais dinheiro para as áreas que estão com “buracos financeiros” e poderá honrar os compromissos assumidos. Pois somente com a distribuição equilibrada do dinheiro no negócio, com base na avaliação realista do seu financeiro, é possível gerar capital de giro e conseguir organizá-lo.

8. Precificar calculando a margem de lucro

Na ânsia de resolver os problemas financeiros, vários empreendedores decidem abaixar os preços e incentivar sua equipe a vender mais. Entretanto, após um tempo percebem que quanto mais vendem maior fica o buraco no caixa e não entendem o motivo. Acontece que, na maioria das vezes, as pessoas criam promoções e aceleram as vendas, sem avaliar a margem dos produtos. Assim, deixam de considerar o custo e as despesas com a sua produção, bem como o lucro estimado. Então acabam “pagando para vender”. Por isso, é fundamental fazer esse cálculo antes de definir os preços. Além disso, não adianta baratear produtos para vender mais, então suas estratégias de venda precisam estar voltadas para o cálculo da margem de contribuição, não para o preço final dos produtos. Uma dica é dar autonomia para os seus vendedores, assim eles poderão, por exemplo, vender um produto com margem alta e presentear o cliente com outro que tem uma margem pequena, deixando-o satisfeito e tornando o negócio vantajoso para ambas as partes, desde que você estabeleça um valor mínimo de margem de contribuição por pedido.

9. Considerar a ajuda de um especialista

Todos esses passos, acima, são dicas que podem ser colocadas em prática imediatamente, por conta própria. Todavia, se tiver a ajuda de um especialista em finanças, você não só ganhará tempo, como terá a oportunidade de aprender técnicas simples e efetivas para tirar a empresa do vermelho e controlar as finanças sem dor de cabeça. Porque com esse suporte você enxergará as finanças empresariais por um outro ângulo e começará a perceber que a simplicidade está, justamente, na forma de se organizar. Então descobrirá o quão fácil é manter o controle permanente das finanças e identificar problemas antes mesmo que eles aconteçam. Você pode contar com a ajuda de um consultor, que fará o seu diagnóstico financeiro, análise das informações e identificação das causas dos problemas; ou de um mentor, que lhe proporcionará um auxílio sob medida a respeito do que precisa ser melhorado no negócio.

10. Projetar cenários diferentes para suas finanças empresariais

Após dar os 9 passos anteriores, sua empresa terá passado por uma grande transformação e estará muito mais organizada financeiramente. Contudo, para que as finanças empresariais estejam protegidas, é preciso que seja mantida uma rotina diária de controle financeiro e avaliação do previsto X realizado. Com o seu Fluxo de Caixa funcionando adequadamente, suas contas permanecerão organizadas e você terá condições de prever problemas e tomar decisões acertadas para que não falte dinheiro posteriormente para pagar as contas. Consequentemente, também terá o poder de criar novos cenários para o negócio, com planejamentos baseados em dados reais da empresa. Isso garantirá a sua saúde financeira e abrirá um leque de possibilidades que o permitirá chegar onde você sonha, com o seu negócio, independentemente do grau de dificuldade.

* Francisco Barbosa Neto: Especialista em Gestão e Finanças, Founder/CEO da Projeto DSD Consultores e criador da plataforma Fluxo de Caixa Online. Graduado em Engenharia Mecânica pela FEI, com curso de especialização em Administração, Finanças e Qualidade.

Para mais informações sobre Empresas clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Denadai Comunicação



Wax (WAXP) e Mushe (XMU): as melhores criptomoedas eco-friendly

Existe uma forma para as finanças descentralizadas se tornarem mais sustentáveis. Aqui estão as empresas que estão pavimentando o caminho.

Wax (WAXP) e Mushe (XMU): as melhores criptomoedas eco-friendly

Percentuais de endividados e inadimplentes são os maiores em 12 anos

Índice de endividados chegou a 77,7% em abril. O cartão de crédito é o principal motivo das dívidas.

Percentuais de endividados e inadimplentes são os maiores em 12 anos

Financiar carro vale a pena?

Especialista em análise de crédito esclarece os principais mitos dessa alternativa.

Financiar carro vale a pena?

Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


Kanban ainda é pouco explorado, mas pode revolucionar o cotidiano das empresas

Como trazer soluções efetivas em condições de fluxo de atividade em escala?

Kanban ainda é pouco explorado, mas pode revolucionar o cotidiano das empresas

Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Cadastro Positivo insere mais de 464 mil mineiros no mercado de crédito

Dados divulgados pela ANBC demonstram contingente da população mineira que se beneficiou da primeira consulta de crédito após a implantação do Cadastro Positivo com adesão automática.

Cadastro Positivo insere mais de 464 mil mineiros no mercado de crédito

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Sete em cada 10 pequenos negócios mineiros pretendem investir em 2022

Mais de um terço dos empresários do segmento planeja expandir ou melhorar as atividades entre abril e junho.

Sete em cada 10 pequenos negócios mineiros pretendem investir em 2022

Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador.

Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Confiança do comércio volta a crescer após dois meses

Índice que mais tem concentrado a queda da confiança, Condições Atuais do Empresário do Comércio, surpreende, apresentando maior crescimento mensal.

Confiança do comércio volta a crescer após dois meses