Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A entrada de deficientes no mercado de trabalho

A entrada de deficientes no mercado de trabalho

09/10/2008 Divulgação

A AVAPE (Associação para Valorização e Promoção de Excepcionais) buscou as soluções tecnológicas da Altitude Software para estruturar seu contact center, AVAPE NET, que foi inaugurado em julho deste ano, em São Bernardo do Campo.

O empreendimento é fruto do convênio de parceria com o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) para um Programa de Cooperação Técnica Internacional, que possibilita a inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados em 2007, existem 24,5 milhões de pessoas com deficiência no Brasil, das quais 9 milhões em idade própria para o trabalho, mas apenas 1 milhão delas em atividade, o que equivale a 11% do total. A AVAPE oferece apoio multidisciplinar às pessoas com deficiência desde reabilitação física até capacitação profissional e inserção no mercado de trabalho.

Consoante com sua missão, o AVAPE NET reservará 30% das 260 PAs para profissionais com deficiência e ainda disponibilizará vagas para pessoas com mobilidade reduzida. Neste último caso, após o treinamento necessário, elas poderão atuar a partir de suas residências com o suporte da tecnologia adequada. “Este empreendimento vem ao encontro das diretrizes da Associação na inclusão de pessoas com deficiência e na geração de recursos para sua auto-sustentação, através de serviços com valor agregado. Além disso, está alinhado à missão institucional da AVAPE, pois disponibilizaremos treinamento tecnológico e comportamental”, explica o vice-presidente da instituição, Antônio Carlos Jaloretto.  O AVAPE NET prestará serviços de recuperação de crédito, venda de produtos ativa e receptiva, pesquisas, Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC), web call center, service desk e help desk.

A Altitude Software disponibilizou a solução “Altitude uCI” que permite agilizar e monitorar todo o processo de gestão de campanhas ativas e receptivas e ainda melhorar a relação com clientes. Além disso, o front-end da Altitude Software permite o gerenciamento das interações dos clientes com a empresa, proporcionando um histórico atualizado de cada contato, independentemente do canal utilizado, mantendo uma visão única. De acordo com Elaine Ferreira, presidente da Altitude Software para a América Latina, entidades do terceiro setor vivenciam grandes desafios na área de relacionamento com o cliente. “Elas precisam reduzir os custos das operações, mas sem perder qualidade de serviço e foco no resultado. Com base nisso, desenvolvemos um projeto adequado para a AVAPE com a utilização de ferramentas tecnológicas inovadoras, de fácil manejo e que permitem uma gestão eficaz das campanhas”, explica a executiva.

A expectativa da AVAPE é de que parte dos seus 400 parceiros, que tenha interesse ou necessite de um contact center, adote o AVAPE NET como fornecedor. Os primeiros clientes são a S.O.S Mata Atlântica e a revista Sentidos, com serviços de SAC e atendimento aos assinantes. A experiência da Altitude em trabalhar com empresas do Terceiro Setor começou na Europa, destacando-se o instituto Cruz Vermelha, num modelo de atendimento via virtualização das operações. Tal virtualização possibilita o trabalho de casa (os chamados “home-based agents”), e a entrada no mercado de pessoas com mobilidade reduzida, idosos, consultores e universitários.

Os agentes da Cruz Vermelha estão espalhados por todas as regiões do país e podem acionar a emergência para salvar vidas e socorrer pessoas. Essas ações ocorrem principalmente no Verão, quando altas ondas de calor afetam a região, ocasionando problemas de saúde pública. A Altitude Software oferece para a instituição toda a infra-estrutura tecnológica para o atendimento ao cidadão, além de possibilitar o controle e monitoria dos agentes remotos.



Novo fôlego para o empresariado

As micro e pequenas empresas brasileiras chegaram perto de entrar em colapso com o início da pandemia, em março do ano passado.


Trabalho presencial: quando e como será possível?

A volta, ou não, do trabalho presencial é um dos principais temas nas instâncias diretivas das grandes empresas brasileiras.

Trabalho presencial: quando e como será possível?

Modelo híbrido é alternativa ao home office? Pela legislação não é bem assim

É preciso cuidado, pois o que se tem dentro da legislação é que esse pode ficar em até 25% da carga horária em home office.

Modelo híbrido é alternativa ao home office? Pela legislação não é bem assim

Tecnologia, home office e a transformação do mercado imobiliário

A tecnologia é uma grande aliada e uma ferramenta cada vez mais fundamental para o mercado imobiliário.

Tecnologia, home office e a transformação do mercado imobiliário

Impostômetro chega à marca de R$ 2 trilhões

Em 2020, a marca foi atingida em 22 de dezembro, informa associação de SP.

Impostômetro chega à marca de R$ 2 trilhões

Setor de food service deve movimentar R$ 167 bilhões em 2021

Enfraquecido pela pandemia, segmento de food service deve estar preparado para o boom das operações, que se dará em 2022.

Setor de food service deve movimentar R$ 167 bilhões em 2021

CNC estima faturamento recorde do varejo para o Dia das Crianças

A data é a terceira mais importante depois do Natal e do Dia das Mães.

CNC estima faturamento recorde do varejo para o Dia das Crianças

Serasa mostra que empresas pagam 51% das dívidas em até 60 dias

Dívidas recentes são recuperadas em maior número que antigas.

Serasa mostra que empresas pagam 51% das dívidas em até 60 dias

4 dicas de decoração e arquitetura para escritórios

Há tempos que o local de trabalho deixou de ser um ambiente sem graça.

4 dicas de decoração e arquitetura para escritórios

Maioria de postos de trabalho foi criada por micro e pequena empresas

No acumulado do ano, as micro e pequenas empresas foram responsáveis por aproximadamente 70% dos postos de trabalho gerados no país.

Maioria de postos de trabalho foi criada por micro e pequena empresas

Pequenos negócios ainda registram queda no faturamento e se recuperam gradativamente

Pesquisa do Sebrae e da FGV mostra que indicadores do segmento apresentaram uma leve melhora em setembro, mas os impactos da crise ainda são sentidos pela maioria.

Pequenos negócios ainda registram queda no faturamento e se recuperam gradativamente

Um terço dos pequenos negócios mineiros investiu em RH para enfrentar a pandemia

Estudo do Sebrae Minas mostra, ainda, que 40% destas empresas precisaram reduzir as capacitações das equipes nos últimos 18 meses.

Um terço dos pequenos negócios mineiros investiu em RH para enfrentar a pandemia