Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A Importância da Logística Interna do E-Commerce

A Importância da Logística Interna do E-Commerce

28/06/2018 Fernando Di Giorgi

Há mais de uma década no mercado nacional, o comércio eletrônico brasileiro vai aos poucos estabelecendo seus próprios padrões operacionais.

O acentuado crescimento de mais de 30% ao ano forçou mudanças profundas em quase todos os processos fundamentais.

O e-commerce caracteriza-se pela rapidez e precisão do atendimento dos pedidos. Quanto menor for o tempo de entrega, mais atraente será a oferta. Mas os atrasos de entrega ocorridos no Natal de 2010 mostram a grande dificuldade em harmonizar as vendas com a capacidade de atendimento.

Entre os volumes e características que singularizam a logística interna do comércio eletrônico destacam-se: grande variedade de itens, enorme quantidade diária de pedidos a atender, separação por unidade, poucos itens por pedido e mão de obra mais intensiva. O elevado nível de atividade exige um enfoque administrativo similar ao usado na indústria: planejamento, programação e controle da produção.

Uma das grandes vantagens do comércio eletrônico é a elasticidade do investimento comercial (capital de giro, propaganda, descontos, entre outros). Qualquer percentual de aumento no investimento comercial resulta numa parte bem superior em termos quantitativos, afetando direta e rapidamente a logística. Se esta é sua grande vantagem, também é seu grande perigo: a capacidade de entrega envolvendo a logística interna (gestão do armazém) e a externa (transporte).

Se o processo estiver amadurecido (software da loja e do atendimento físico, gestão de armazém, gestão de transporte e atendimento ao cliente), como nas grandes lojas, ele passa a ser um engenho de vendas. Os armazéns de grandes redes de supermercado abrigam até 10 vezes menos itens dos armazéns das grandes lojas virtuais.

Para piorar, a quantidade média em estoque dos itens do comércio eletrônico é baixa e os itens são efêmeros (sem histórico de vendas). Este fato tem consequências físicas dramáticas como, por exemplo, o recebimento que é muito mais intenso e a armazenagem, na prática, que exige misturar unidades de diferentes itens na mesma posição de estoque, entre outros.

Tais problemas tendem a se agravar com a concentração das lojas como decorrência dos ganhos de escala e exigem apoio sistêmico crescente e de alta sofisticação. Durante sete anos, as grandes redes de lojas físicas discutiram internamente a respeito da independência da logística do comércio eletrônico (atendimento ao cliente final) em relação à logística corporativa (abastecimento de lojas). Os argumentos acima demoraram a serem aceitos. As redes que, tendo comércio eletrônico, foram mais refratárias foram aquelas de crescimento mais lento.

Fonte: Fernando Di Giorgi é fundador e sócio da USS - Uniconsult Sistemas e Serviços.

 

Sugestão do site:

Os e-commerces precisam encontrar alternativas para sustentar a operação com menor custo e maior eficiência e, com isso, se manterem competitivos. Partindo desse raciocínio, os empreendedores podem buscar algumas práticas interessantes, como o self storage. O self storage é um serviço de locação de boxes em galpões de armazenamento que oferece muita segurança.



Brasil fecha acordo para exportação de produtos para Arábia Saudita

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento fechou acordos para exportação de frutas, castanhas e derivados de ovos.

Brasil fecha acordo para exportação de produtos para Arábia Saudita

Cemig é a única empresa do setor elétrico não europeia no Índice Dow Jones de Sustentabilidade

Cemig permanece na seleta lista de empresas do Dow Jones Sustainability Index World (DJSI World), por 20 anos consecutivos, como a única empresa do setor elétrico não europeia, desde a criação desse importante índice.


Governo do Egito quer expandir comércio com o Brasil

País africano quer ampliar parceria no melhoramento genético de gado bovino.

Governo do Egito quer expandir comércio com o Brasil

Amazon Prime: a nova investida da Amazon no Brasil

A Amazon lançou, na última terça-feira (10), um novo serviço no Brasil: o Amazon Prime. A notícia fez as ações das maiores varejistas do país – Magazine Luiza, B2W e Via Varejo – despencarem.


Startup Pegaki conecta e-commerces a pontos de venda e resolve problema de entrega

Ao invés de esperar encomendas pelo correio, consumidores podem retirá-las pessoalmente em unidades de empresas que atraem clientes para seu ponto de venda.


Competição vai conectar 150 startups a 5 mil empresas brasileiras que buscam “comprar” inovação

Até o dia 12 de outubro, o Amcham Arena promoverá o encontro das startups com lideranças empresariais.

Competição vai conectar 150 startups a 5 mil empresas brasileiras que buscam “comprar” inovação

Abertura de empresas brasileiras de tecnologia no Reino Unido dura apenas 15 minutos

Evento na Assespro - PR em Curitiba explicou tudo o que é preciso saber para abrir uma empresa brasileira de TI no país europeu.


Percentual de endividados aumenta em agosto e é o maior em seis anos

Oitava alta mensal consecutiva no endividamento alcançou 64,8% das famílias.

Percentual de endividados aumenta em agosto e é o maior em seis anos

Data-Driven Marketing

Por que é o momento de adotar a estratégia.


Amazon Prime é importante. Alibaba é ainda mais!

A verdadeira ameaça para o varejo nacional não está na Amazon.


Sete passos para ser mais produtivo no trabalho

Especialista da consultoria Wyser mostra como priorizar corretamente as tarefas para aumentar o rendimento.


Liberação do FGTS e PIS/Pasep vai impulsionar o consumo até o fim do ano

De acordo com CNC, comércio e serviços deverão ser positivamente impactados.

Liberação do FGTS e PIS/Pasep vai impulsionar o consumo até o fim do ano