Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As grandes falhas dos sites de compras coletivas

As grandes falhas dos sites de compras coletivas

26/12/2010 Divulgação

Os sites de compras coletivas viraram febre entre os internautas, agitando o comércio eletrônico no Brasil.

Mas, de acordo com Flávio Antônio da Costa, especialista em internet e diretor da Buy2Joy, empresa especializada em soluções de e-commerce – entre elas, plataformas de compras compartilhadas –, aderir a sites de compras coletivas pode ser um tiro no pé do empreendedor. Segundo Flávio, o interesse do empreendedor em aumentar seu faturamento por meio dessa ferramenta não leva em consideração algumas preocupações básicas.

O atendimento ao consumidor é um dos itens mais prejudicados e que pode levar ao fracasso do clube de compras. “Nos dias de hoje, prestar um atendimento excelente ao consumidor não é mais um diferencial; é regra para qualquer empreendedor”, analisa o especialista. Levantamento realizado pelo IDG Now!, com base nos registros do site Reclame Aqui, apontou 5,8 mil reclamações feitas contra cinco dos maiores sites de compras coletivas. Veja as principais falhas cometidas pelos sites de compras compartilhadas:

- Falta de estrutura: o grande volume de consumidores que a oferta atrai exige um planejamento estratégico de atendimento. Trata-se de uma questão delicada, que poderá causar um impacto negativo se houver queda na qualidade do atendimento. E é o que vem ocorrendo.

- Fidelização do público: uma das estratégias das empresas que decidem anunciar em um clube de compras é utilizá-lo como ferramenta de fidelização do cliente. Mas boa parte dos consumidores que aderiram à onda dos sites de compras coletivas não utilizaria determinados serviços sem os descontos atraentes.

- Layout: os sites de compras coletivas com frequência trazem um layout poluído, que confunde o leitor com muita informação ou com a falta de informações claras sobre as promoções.

- Vantagem apenas para o administrador do site: os clubes de compra cobram uma comissão de 30% a 50% sobre os valores vendidos. É algo lucrativo para quem é proprietário do site. Muitos pequenos empreendedores, porém, amargam prejuízos quando as compras são canceladas, mas a comissão sobre o valor vendido não é devolvida.

- Grande volume de ofertas: o boom de empresas que anunciam tem causado uma overdose no consumidor que está começando a “cansar” e não entra mais diariamente nos sites de compras coletivas.

Flávio da Costa acredita que os sites de compras coletivas têm um grande futuro, mas desde que seus controladores corrijam as falhas. De acordo com ele, as principais mudanças que deveriam ser feitas são:

- Limitação do número de compradores: o site deveria divulgar claramente quantos vouchers de descontos oferecerá pela web. O consumidor se sentirá mais estimulado a comprar, porque acompanhará o número de vouchers ainda restante.

- Layout claro: o ideal é que o layout seja o mais clean possível, com uma promoção por página, o que facilita a leitura das informações sobre a utilização dos descontos.

 - Os administradores dos sites precisam dar a devida atenção aos anunciantes. Afinal, eles são clientes e devem ser atendidos da melhor forma.

- Trabalhar com nichos específicos é uma boa saída para evitar a mesmice. Por exemplo, ter um site de venda de serviços em um determinado segmento, é uma excelente estratégia.



Confiança dos pequenos negócios mineiros cresce em dezembro

Construção Civil puxa resultado do Iscon, índice que mede o ânimo dos empresários em relação ao desempenho das suas atividades.

Confiança dos pequenos negócios mineiros cresce em dezembro

Perspectivas positivas para a indústria em 2022

É preciso deixar de lado todo discurso derrotista e voltado apenas para desafios e privilegiar a obtenção de resultados.

Perspectivas positivas para a indústria em 2022

Nível de endividamento das famílias brasileiras em 2021 foi o maior em 11 anos

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) foi divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo.

Nível de endividamento das famílias brasileiras em 2021 foi o maior em 11 anos

Sebrae mostra impacto da pandemia sobre empreendedores negros

Pesquisa revela dificuldades na retomada dos negócios.

Sebrae mostra impacto da pandemia sobre empreendedores negros

Uso de cheques no Brasil cai 93% desde 1995

No ano passado, volume de compensações caiu 23%.

Uso de cheques no Brasil cai 93% desde 1995

6 tendências de comunicação e marketing para 2022

Para 64% dos jovens entre 16 e 24 anos, a publicidade tradicional não impacta mais.

6 tendências de comunicação e marketing para 2022

Contribuição mensal de microempreendedores individuais será reajustada

Com o aumento do salário-mínimo, Documento de Arrecadação Simplificada de MEI (DAS) passa a ter novos valores.

Contribuição mensal de microempreendedores individuais será reajustada

Inflação oficial fecha 2021 com alta de 10,06%, diz IBGE

Poupança tem terceira maior retirada líquida da história em 2021

Retirada líquida no ano passado foi de R$ 35,5 bilhões.

Poupança tem terceira maior retirada líquida da história em 2021

Cerca de 40% dos pequenos negócios realizaram investimentos em 2021

De acordo com Sondagem Trimestral, realizada pelo Sebrae em parceria com a FGV, a Indústria é a que mais investiu.

Cerca de 40% dos pequenos negócios realizaram investimentos em 2021

Mercado financeiro prevê que economia vai crescer 0,36% em 2022

Estimativa anterior de crescimento do PIB era de 0.42%.


Capacitação no atendimento é diferencial para fidelizar clientes

Quando você chega a um restaurante, o que mais espera além de uma boa comida?

Capacitação no atendimento é diferencial para fidelizar clientes