Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Aumento de startups no agronegócio refletem maturidade no campo

Aumento de startups no agronegócio refletem maturidade no campo

13/06/2019 Ricardo Frazatto

Não é todo dia que uma revolução tecnológica bate à nossa porta.

Aumento de startups no agronegócio refletem maturidade no campo

Mas é exatamente isso o que está acontecendo com o setor mais pujante da economia brasileira, o agronegócio: conquistamos expressividade na produção e exportação e apresentamos enorme potencial de crescimento graças à incorporação constante de novas tecnologias.

Trata-se de uma revolução verde e tecnológica que, de tão nova, nem se estabeleceu ainda por qual nome será chamada. Há quem fale Agricultura 4.0, Smart Farming, Agricultura de Precisão ou Agricultura Digital, mas o fato é que a revolução digital chegou ao campo, trazendo com ela uma nova leva de mecanização preparada para a iminente internet das coisas, capaz de extrair dos campos uma infinidade de dados e algoritmos para analisá-los – tudo em nome do aumento da produtividade e competitividade.

Cada uma destas vertentes citadas traz inúmeras oportunidades. A digitalização envolve inúmeras possibilidades: o segredo está na modelagem e na tecnologia de transmissão de dados para economia de água, energia elétrica, prevenção de doenças, com aplicação preventiva de tratamentos no solo, entre outros, além da eficiência intangível, como no caso do controle da dados à distância (quando o funcionário não tem que ir até a plantação para aferir equipamentos).

Não se trata de criar todas as soluções possíveis de aumento de eficiência, mas de plataformas que agreguem diferentes soluções capazes de fornecer insights aos agricultores em tempo real, numa forma de gerenciamento assistido por inteligência artificial.

E isso é possível graças ao trabalho das startups especializadas em agronegócio – as chamadas Agtechs - um fenômeno mundial. Nos últimos dois anos, o total aplicado em startups da agricultura mais do que dobrou, atingindo 6,9 bilhões de dólares. Só Brasil tem hoje mais de 400 pequenas empresas, a maioria delas com menos de dois anos, oferecendo soluções aos agricultores para incentivar a inovação em diferentes áreas do Brasil, com suas respectivas características de produção e nível de desenvolvimento.

Isso porque a crescente busca por inovação não é só uma prioridade, mas uma necessidade em um ambiente econômico altamente complexo e de crescente pressão por parte dos consumidores, governos e reguladores que demandam mais eficiência, controle, rastreabilidade e sustentabilidade.

Outro ponto que tem ajudado a tecnologia a chegar mais rapidamente ao campo é a mudança de cultura dos agricultores, hoje mais abertos às novidades e às facilidades introduzidas por sistemas digitais. A maior aceitação da tecnologia pelo agricultor é o primeiro ponto desse avanço grande das Agritechs. Isso tem impacto diretamente no crescimento do nosso segmento.

Para alavancar as Agritechs, por sua vez, trabalham as aceleradoras de startups. Trata-se de empresas que fornecem mentoria e capital em troca de retorno financeiro. Geralmente, as aceleradoras são consultoria sobre produtos, serviços ou plano de negócios e fazem a ponte com potenciais investidores, posicionando-se como um dos fatores mais importantes para consolidar e expandir a atuação das startups.

Essa combinação tem permitido multiplicar o número de oportunidades dentro e fora das porteiras. A união da expertise das aceleradoras em gestão e consultoria de negócios, com as startups e investidores em potencial permite um processo de cocriação que permite melhor integração com a indústria.

Os sinais dos resultados já estão aí. Na consistência e na diversidade das soluções tecnológicas. A nova revolução verde aponta não só para o aumento da produtividade, mas para o aumento da qualidade e para um salto de sustentabilidade.

* Ricardo Frazzato é Diretor da Filius Venture, Engenheiro Mecatrônico formado pela UNICAMP com especialização em Novos Modelos de Negócios pela University of Virginia, Venture Capital e Private Equity pela Università Bocconi e Administração e Estratégia de Negócios pela UNICAMP. Possui conhecimentos e experiência em desenvolvimento de produtos e negócios, gerenciamento de risco associado e vendas.

Fonte: Innovatech / Comuniquese



Brasil tem 4,5 milhões de empresas, número em queda desde 2014

Pesquisa foi realizada pelo IBGE em todo o país.

Brasil tem 4,5 milhões de empresas, número em queda desde 2014

A arte de fazer pão no mundo da tecnologia

E as novas tendências de consumo!


Brasileiros ainda têm dificuldades em adotar práticas de consumo consciente

Preço de produtos orgânicos e separação do lixo para reciclagem são principais barreiras apontadas, revelam CNDL/SPC Brasil.

Brasileiros ainda têm dificuldades em adotar práticas de consumo consciente

O valor do cooperativismo no mundo hiperconectado

Um dos modelos de negócio mais revolucionários do mundo não nasceu no Vale do Silício e não é uma startup.


Prêmio Empreendedor Social abre votação para a categoria ‘Escolha do Leitor’

Categoria com recorde de engajamento no ano passado, Escolha do Leitor - que integra o 15º Prêmio Empreendedor Social - está com a votação aberta até 1º de novembro.


Gestão Ativa do caixa

Como rentabilizar o capital de sua empresa?


Segurança no trabalho

Diferencial para o êxito das organizações.


Contratação de temporários para o Natal será a maior em seis anos

CNC projeta criação de 91 mil postos de trabalho

Contratação de temporários para o Natal será a maior em seis anos

Atividade econômica cresce 0,07% em agosto no Brasil

Índice incorpora informações sobre o nível de atividade da indústria, comércio e serviços e agropecuária.


Gestão empresarial para a área da saúde

O êxito de um empreendimento voltado ao atendimento médico não depende somente da composição de um bom corpo clínico.


Como atrair e reter a geração Z?

O mercado de trabalho está começando a receber uma nova geração de profissionais, a chamada geração Z, que são os nascidos entre 1995 e 2010.


No mundo corporativo, “como vai?” deve ser uma pergunta sincera

Há alguns anos, quando passava por uma fase bastante difícil em minha vida, encontrei um vizinho no elevador, que me perguntou como eu ia.