Portal O Debate
Grupo WhatsApp

BNDES lança linha de financiamento para médias empresas

BNDES lança linha de financiamento para médias empresas

20/05/2019 Da Redação

BNDES Crédito Direto Médias Empresas pretende contratar R$ 2 bilhões ao ano e induzir ganhos de produtividade, competitividade e governança.

A nova linha apoiará investimentos no valor mínimo de R$ 10 milhões, em operações que poderão ser contratadas diretamente com o BNDES. Os recursos podem ser investidos em obras civis, montagens e instalações, móveis e utensílios, máquinas e equipamentos e inovação, dentre outros. O objetivo é induzir ganhos de produtividade, sustentabilidade, competitividade e governança nas companhias apoiadas.

O BNDES pretende atuar em um nicho ainda pouco atendido. Considerando o peso do segmento (29% do PIB industrial do País), a avaliação é de que melhorias nas empresas desse porte tendem a gerar impacto positivo na economia do País. A estimativa é contratar cerca de R$ 2 bilhões por ano.

Condições

Além dos Investimentos em obras civis, montagens e instalações, móveis e utensílios, o BNDES Crédito Direto Médias Empresas poderá destinar para capital de giro até 40% do valor contratado. Os gastos podem ocorrer em até 5 anos.

O prazo total de pagamento será de até 120 meses para investimentos (incluindo até 24 meses de carência) e de 48 meses para giro (incluindo até 12 meses de carência). O custo financeiro será a Taxa de Longo Prazo (TLP), mais spread de risco e remuneração básica, que varia de 1,7% ao ano (para investimentos) a 2,1% ao ano (para capital de giro). O Banco apoia a totalidade dos itens financiáveis.

Fonte: Assessoria de Imprensa do BNDES



Minas registra mais de 1 milhão de Microempreendedores Individuais

Após 10 anos, desde a implementação da Lei Complementar 128, MEI já são a maioria dos pequenos negócios formalizados no estado.

Minas registra mais de 1 milhão de Microempreendedores Individuais

Cresce abate de bovinos, suínos e frangos, diz IBGE

Foram abatidas 8,08 milhões de cabeças de bovinos no segundo trimestre de 2019.

Cresce abate de bovinos, suínos e frangos, diz IBGE

Cresce a confiança dos consumidores de BH na economia

Indicador voltou a subir no segundo trimestre de 2019. Homens e jovens são os mais confiantes.

Cresce a confiança dos consumidores de BH na economia

Empresários da construção estão mais confiantes

O Índice de Confiança do Empresário da Indústria da Construção de Minas Gerais – ICEICON MG – atingiu 53,8 pontos em julho, crescimento de 3,0 pontos em relação a junho (50,8 pontos).


Empresas e paternidade: uma mudança a ser nutrida

Daqui a cinco ou dez anos, nem você nem ninguém se lembrará com precisão da tarefa que está fazendo no trabalho neste minuto.


Cereais, leguminosas e oleaginosas podem ter safra recorde

Arroz, milho e soja representam 92,7% da produção estimada no ano.

Cereais, leguminosas e oleaginosas podem ter safra recorde

Queda da Taxa Selic e a economia brasileira

Após o mais longo período em que a Taxa Selic permaneceu em um mesmo patamar, o Banco Central cortou a taxa básica da economia em 0,50%.


Dia dos Pais deve gerar R$ 5,6 bilhões de faturamento em 2019

CNC projeta alta de 2,1% nas vendas para a quarta data comemorativa mais importante do varejo.

Dia dos Pais deve gerar R$ 5,6 bilhões de faturamento em 2019

Novas regras de gestão de dados e o impacto para as empresas

As novas regras relacionadas à gestão de dados passarão a valer no ano que vem.


Pequenos negócios são responsáveis por 79% do saldo de empregos em Minas

Micro e Pequenas Empresas mineiras registraram saldo de 67 mil postos de trabalho nos primeiros seis meses do ano.

Pequenos negócios são responsáveis por 79% do saldo de empregos em Minas

Percentual de famílias com dívidas aumentou pelo 7º mês consecutivo

Principais inadimplências das famílias brasileiras são o financiamento de carro e o de casa.

Percentual de famílias com dívidas aumentou pelo 7º mês consecutivo

Sete em cada dez brasileiros tiveram de fazer cortes no orçamento

Pesquisa indica que desempenho da economia no primeiro semestre foi pior do que o esperado.

Sete em cada dez brasileiros tiveram de fazer cortes no orçamento