Portal O Debate
Grupo WhatsApp


CMN limita juros do cheque especial em 8% a partir de janeiro

CMN limita juros do cheque especial em 8% a partir de janeiro

28/11/2019 Da Redação

Febraban critica tabelamento de taxa de juros.

CMN limita juros do cheque especial em 8% a partir de janeiro

Modalidade de crédito com juros de mais de 300% ao ano, o cheque especial terá juros limitados, decidiu nesta quarta-feira (27/11) o Conselho Monetário Nacional (CMN). A partir de 6 de janeiro, os bancos não poderão cobrar taxas superiores a 8% ao mês, o equivalente a 151,8% ao ano.

Em nota, o Banco Central (BC) explicou que a medida pretende tornar o cheque especial menos regressivo (menos prejudicial para a população mais pobre) e mais eficiente. Para a autoridade monetária, as mudanças no cheque especial corrigirão falhas de mercado nessa modalidade de crédito.

Segundo a nota mensal de crédito divulgada pelo BC, os juros do cheque especial fecharam outubro em 305,8% ao ano, o equivalente a 12,38% ao mês.

Para financiar em parte a queda dos juros do cheque especial, o CMN autorizou as instituições financeiras a cobrar, a partir de 1º de junho do próximo ano, tarifa de quem tem limite do cheque especial maior que R$ 500 por mês. Equivalente a 0,25% do limite que exceder R$ 500, a tarifa será descontada do valor devido em juros do cheque especial.

Febraban
A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) criticou a decisão do Banco Central (BC) de adotar um limite para a taxa de juros do cheque especial.

“A Febraban considera positivas iniciativas para buscar maior eficiência e permitir a redução dos subsídios cruzados no sistema de crédito. Preocupa, entretanto, a adoção de limites oficiais e tabelamentos de preços de qualquer espécie. Medidas para eliminar custos e burocracia e estimular a concorrência são sempre mais adequadas aos interesses do mercado e dos consumidores”, disse a Febraban, em nota.

Fonte: Agência Brasil



Impactos do clube-empresa no futebol brasileiro

Longe das quatro linhas dos gramados, dos jogadores, dos técnicos e da torcida, o esporte mais apreciado pelos brasileiros vive a expectativa de significativas mudanças.


Arrecadação federal com impostos chega a R$ 1,537 trilhão em 2019

O crescimento foi de 1,69% em comparação a 2018.

Arrecadação federal com impostos chega a R$ 1,537 trilhão em 2019

Número de mulheres investidoras cresce na bolsa de valores

A emancipação das mulheres é um fato recente na história brasileira: desde 1891 a Constituição Brasileira em vigor, já permitia o voto feminino.

Número de mulheres investidoras cresce na bolsa de valores

Atividade do comércio tem alta de 2% em 2019, diz Serasa

Aumento foi puxado pelo setor de veículos e autopeças.

Atividade do comércio tem alta de 2% em 2019, diz Serasa

Inflação dos aluguéis acumula taxa de 7,91% em 12 meses

Índice é inferior aos 2,06% observados em dezembro de 2019, diz FGV.


Até onde a bolsa pode ir?

O Brasil sempre foi conhecido como a terra da renda fixa.


MEI que não informar seu rendimento será penalizado

Empreendedor que não entregar a DASN até o dia 31 de maio pagará multa e ficará impedido de gerar a guia mensal de tributos.

MEI que não informar seu rendimento será penalizado

Bolsa Família inicia pagamento para mais de 13 milhões de famílias

Indústria mineira avança em novembro

FIEMG divulga pesquisa Indicadores Industriais.

Indústria mineira avança em novembro

Feriados de 2020 devem causar quase R$ 20 bilhões de prejuízo no comércio

Maior incidência deste tipo de data em dias úteis, por outro lado, tende a favorecer atividades econômicas do turismo.

Feriados de 2020 devem causar quase R$ 20 bilhões de prejuízo no comércio

Inadimplência no país abre 2020 com 61 milhões de brasileiros negativados

Volume de consumidores com contas em atraso recua pelo segundo mês seguido na comparação anual.

Inadimplência no país abre 2020 com 61 milhões de brasileiros negativados

Desempenho da indústria brasileira em 2019

Quais são as projeções para este ano?