Portal O Debate
Grupo WhatsApp


CNC projeta maior alta de vendas para o Dia das Crianças em seis anos

CNC projeta maior alta de vendas para o Dia das Crianças em seis anos

07/10/2019 Da Redação

Roupas infantis, tênis, chocolates, bicicletas e brinquedos estão com preços mais baixos.

Estudo da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) indica que as vendas referentes ao Dia das Crianças deverão ter crescimento de 4,4% em relação a 2018, alcançando o terceiro ano consecutivo de alta, já descontada a inflação. A data, a terceira mais importante do calendário do varejo nacional, atrás do Natal e Dia das Mães, deve movimentar R$ 7,8 bilhões em 2019.

Entre os itens mais procurados, brinquedos e eletroeletrônicos deverão apresentar o melhor desempenho nas vendas no Dia das Crianças, com alta esperada de 8,2%. As peças de vestuário e calçados aparecem na segunda colocação (4,5%), seguidas por produtos adquiridos em hiper e supermercados (3,5%). As livrarias e papelarias, que têm perdido espaço no varejo nos últimos anos, deverão faturar menos 4,1% com a data este ano. São Paulo (R$ 2,2 bilhões), Minas Gerais (R$ 772 milhões), Rio de Janeiro (712 milhões) e Rio Grande do Sul (R$ 611 milhões) deverão responder por mais da metade (55%) do total movimentado em 2019.

“Medidas de estímulo à economia, como a liberação de saques no FGTS e PIS/Pasep, além dos juros básicos em novo piso histórico, tendem a favorecer as datas do varejo nesta segunda metade de ano”, destaca Fabio Bentes, economista da CNC.

O primeiro semestre de 2019 foi marcado pela dificuldade do setor em acelerar o ritmo das vendas - do ponto de vista das datas comemorativas. Para Bentes, “o resgate parcial do nível de atividade no varejo no Dia das Crianças é resultado da combinação entre inflação baixa, parcelamentos mais longos e disponibilização de recursos extraordinários para o consumo”



Contratação de temporários para o Natal será a maior em seis anos

CNC projeta criação de 91 mil postos de trabalho

Contratação de temporários para o Natal será a maior em seis anos

Atividade econômica cresce 0,07% em agosto no Brasil

Índice incorpora informações sobre o nível de atividade da indústria, comércio e serviços e agropecuária.


Gestão empresarial para a área da saúde

O êxito de um empreendimento voltado ao atendimento médico não depende somente da composição de um bom corpo clínico.


Como atrair e reter a geração Z?

O mercado de trabalho está começando a receber uma nova geração de profissionais, a chamada geração Z, que são os nascidos entre 1995 e 2010.


No mundo corporativo, “como vai?” deve ser uma pergunta sincera

Há alguns anos, quando passava por uma fase bastante difícil em minha vida, encontrei um vizinho no elevador, que me perguntou como eu ia.


Inadimplência do consumidor cresce ao menor ritmo em quase dois anos

53% dos brasileiros têm dívidas que não ultrapassam R$ 1 mil, mostra indicador CNDL/SPC Brasil.

Inadimplência do consumidor cresce ao menor ritmo em quase dois anos

Dólar em alta, empresas baratas?

Não é de hoje que a alta do dólar é música aos ouvidos de grandes exportadores, afinal, moeda desvalorizada possibilita vantagem competitiva mundo afora.


Atividade do varejo perde fôlego e cresce 1,41% em setembro

Alta é pouco menor do que a constatada em setembro do ano passado, apontam CNDL/SPC Brasil.

Atividade do varejo perde fôlego e cresce 1,41% em setembro

Enfrentando a tempestade digital

Os líderes empresariais assumem seus postos depois de muito empenho.


Sem essa habilidade, seu futuro profissional está comprometido

Ser um fluente digital tem muito mais a ver com uma nova lógica de entender o mundo e trabalhar nele.

Sem essa habilidade, seu futuro profissional está comprometido

A isenção de impostos e o viés positivo do setor de saúde

O Governo Federal está tomando algumas medidas que sinalizam que um bom viés para o setor de saúde.


WhatsApp na empresa: até onde vai a liberdade do empregado?

As ferramentas de tecnologia são fundamentais nas relações profissionais.

WhatsApp na empresa: até onde vai a liberdade do empregado?