Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Crise economica faz brasileiro andar mais a pé

Crise economica faz brasileiro andar mais a pé

16/10/2017 Divulgação

Levantamento revela que o brasileiro está caminhando mais e recorrendo ao transporte público.

Crise economica faz brasileiro andar mais a pé

Um levantamento realizado pela Sodexo Benefícios e Incentivos em agosto de 2017, com 1.202 pessoas em todo o Brasil, revelou que 69% dos entrevistados mudaram seus hábitos de transporte após a crise.

A principal alternativa apontada para se deslocar pela cidade e cortar gastos é andar mais a pé (24,4%), seguido por utilizar o transporte público (21,5%); se locomover menos (19,4%); andar de bicicleta (17,1%); usar mais táxi, Uber ou outro serviço semelhante (9,9%) e pegar mais carona (7,7%).

Nos últimos seis meses, 73,5% dos entrevistados também sentiram um aumento nos gastos com transporte (combustível; passagens de ônibus; metrô, trem e ônibus; ou táxi). Durante o período, o gasto com combustível foi o que mais aumentou para 65,70% dos entrevistados, seguido por transporte público (31%) e táxi (3,30%).

Ainda segundo o levantamento, caso a crise continue impactando nos hábitos de transporte do brasileiro, os entrevistados declararam que as duas principais alternativas para se locomover na cidade serão: andar mais a pé (48,4%) e utilizar mais transporte público (47,1%). Além disso, alguns também pretendem utilizar mais a bicicleta (38,5%), planejar melhor a rota do trabalho para economizar no combustível (36,1%), aderir à carona solidária (25,2%) ou andar de táxi (4,5%).

“Apesar da baixa recente da inflação, a renda das famílias diminuiu com a crise e o desemprego, e a necessidade de economizar acabou impactando aspectos básicos como transporte e saúde. A opção do brasileiro por andar a pé tem um aspecto benéfico: quando a crise passar, talvez estejamos mais acostumados com essa prática tão saudável. A crise pode ter mostrado para muita gente que andar mais a pé é possível. Além de ser a forma mais econômica de se deslocar, caminhar é a primeira alternativa para quem manteve a rotina de exercício físicos durante a crise, mas teve que equilibrar as despesas”, comenta Fernando Cosenza, diretor de Sustentabilidade da Sodexo Benefícios e Incentivos no Brasil.

Uma pesquisa anterior realizada pela Sodexo em maio de 2017 revelou que 48% dos entrevistados admitem que diminuíram a frequência de atividade física por conta da crise. Quando perguntado se a crise causou alguma adequação na rotina de exercícios, 64% afirmam que sim, sendo que a alteração mais mencionada (46% dos casos) é a prática de atividades em parques e na rua, antecipando a relevância do fator preço sobre esse comportamento. Para 12%, a adequação foi mudar de academia, para 14% foi alterar o plano e para 9% foi optar por algum programa esportivo gratuito.

Os 1.133 respondentes deste levantamento também apontaram o fator preço como o mais influente nas decisões sobre onde praticar atividade física (59% dos entrevistados), seguido pela disponibilidade de tempo (57%), motivação (33%), distância do local onde pratica (20%) e companhia de amigos (8%). Isso confirma a relação direta entre a crise e a alteração dos hábitos relacionados ao exercício físico.



Empresas investem cada vez mais em formas de reter e atrair talentos

O mercado de trabalho vem se reinventando constantemente, seja no formato de trabalho ou  nos benefícios e formas de atração e retenção de talentos.

Empresas investem cada vez mais em formas de reter e atrair talentos

O valor do ESG nas empresas

O mercado em evolução e as tendências regulatórias estão desafiando as empresas a demonstrar práticas que são mais sustentáveis e socialmente responsáveis.

O valor do ESG nas empresas

Chegando a hora do 13º Salário – saiba como fazer os cálculos

A primeira parcela do 13º salário dos trabalhadores deve ocorrer até 30 de novembro.

Chegando a hora do 13º Salário – saiba como fazer os cálculos

A importância da gestão de talentos 4.0

As práticas de Gestão 4.0 também ajudam nos imprevistos, como foi o caso da pandemia de COVID-19.

A importância da gestão de talentos 4.0

Nível de confiança dos pequenos negócios em Minas se mantém estável

Expectativas dos empresários com o cenário de curto prazo seguem cautelosas. Indústria demonstra um pouco mais de otimismo.

Nível de confiança dos pequenos negócios em Minas se mantém estável

Compras com cartões crescem 35% e movimentam R$ 680 bi no 3º trimestre

Foram 8,2 bilhões de pagamentos em julho, agosto e setembro.

Compras com cartões crescem 35% e movimentam R$ 680 bi no 3º trimestre

Parceria entre BNDES e EMBRAPII vai gerar investimentos para inovação

Banco disponibilizará R$ 170 milhões para projetos desenvolvidos nas áreas de sustentabilidade e transformação digital, entre outros.


Cinco tendências em negócios para 2022

As turbulentas tempestades provocadas pela pandemia estão, finalmente, dando pequenos sinais de melhora.

Cinco tendências em negócios para 2022

Gestão de clientes – de complexo a simples

A gestão de clientes pode ser mais fácil e simples do que parece e a chave para o sucesso está dentro dos clientes, literalmente.

Gestão de clientes – de complexo a simples

As novas regras de segurança do Pix e o impacto nas Fintechs

Elas prometem diversas mudanças entre as operações bancárias, mas também abrem um caminho de transparência e seguridade para clientes e Fintechs.

As novas regras de segurança do Pix e o impacto nas Fintechs

Pequenos negócios brasileiros participam da ExpoDubai

Ação conjunta do Sebrae visa aproximar empreendedores de sete estados do mercado internacional.

Pequenos negócios brasileiros participam da ExpoDubai

Micro e pequenas empresas responderam por 80% do saldo de empregos em Minas

Saldo total de empregos no segmento em 2021 supera 200 mil vagas.

Micro e pequenas empresas responderam por 80% do saldo de empregos em Minas