Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Dólar em alta, empresas baratas?

Dólar em alta, empresas baratas?

10/10/2019 Fernando Cabral

Não é de hoje que a alta do dólar é música aos ouvidos de grandes exportadores, afinal, moeda desvalorizada possibilita vantagem competitiva mundo afora.

Com a deterioração do real, estrangeiros desfrutam de bens e insumos com baixo preço em nosso país tropical.

Podemos dizer o mesmo para os investidores estrangeiros que desejam fazer fusões e aquisições (F&A) cross-border no Brasil?

Evidentemente que decisões de aquisições de empresas estrangeiras não se limitam a questões cambiais favoráveis.

Outros fatores exógenos, como política, imprevisibilidade e intervenção do governo na economia, são algumas variáveis relevantes típicas de nosso país que influenciam a tomada de decisão.

Segundo estudo feito pelo PhD em finanças e professor da Universidade Tulane (EUA), Eduardo Pablo, por meio de regressões logísticas, as determinantes que justificam F&A cross-border na América Latina são relacionadas aos maiores custos de financiamento que a empresa-alvo tem em relação às adquirentes.

Ao analisar a correlação da série histórica do Enterprise Value (valor real das companhias) das empresas listadas na B3 e o dólar no período de cinco anos (2014-2019), observa-se que não há evidências da influência da valorização do dólar no valor real das organizações, mesmo se for levado em consideração a representação de 45% dos estrangeiros na B3.

Fato é que a cada oscilação de desvalorização da moeda, ressurge nas mídias a ideia de existir boas oportunidades para estrangeiros adquirirem instituições brasileiras.

Talvez uma explicação para isso seja a relação cognitiva de que viajantes pagam menos em países de moeda dispare. Tal suposição e pressuposto em fusões e aquisições teria a mesma lógica.

O que poucos mentalizam, porém, é: quando gastamos lá fora, no “dia seguinte” ganhamos em moeda local. Ao adquirente estrangeiro, que investe em países emergentes com câmbio desvalorizado – diferente do turista – receberá todos os fluxos futuros na moeda local, cuja conversão e repatriação será sempre desfavorável.

Então, sob a ótica de criação de valor, o câmbio isoladamente parece não justificar o investimento.

Em meados de 2000, mesmo com o dólar desvalorizado, havia grandes investimentos estrangeiros no Brasil. Na época, emergiam expectativas: o Brasil era a “bola da vez”.

Hoje, mesmo com o câmbio favorável para estrangeiros, as expectativas são baixas. A falta de previsibilidade minou qualquer possibilidade de investimentos internos e externos.

Por fim, encontrar ativos de qualidade que justifiquem a entrada de estrangeiros no Brasil nem sempre é tarefa fácil.

O câmbio favorável ao adquirente internacional pode ser um estimulante adicional para F&A de baixo custo, mas embora atraentes, não são necessariamente criadores de valor. O barato sempre será relativo.

* Fernando Cabral é bacharel em Administração de Empresas pela UNAERP com especialização em Controladoria e Finanças pela Fundace/Fea – USP Ribeirão Preto.

Fonte: LC Agência de Comunicação



Contratação de temporários para o Natal será a maior em seis anos

CNC projeta criação de 91 mil postos de trabalho

Contratação de temporários para o Natal será a maior em seis anos

Atividade econômica cresce 0,07% em agosto no Brasil

Índice incorpora informações sobre o nível de atividade da indústria, comércio e serviços e agropecuária.


Gestão empresarial para a área da saúde

O êxito de um empreendimento voltado ao atendimento médico não depende somente da composição de um bom corpo clínico.


Como atrair e reter a geração Z?

O mercado de trabalho está começando a receber uma nova geração de profissionais, a chamada geração Z, que são os nascidos entre 1995 e 2010.


No mundo corporativo, “como vai?” deve ser uma pergunta sincera

Há alguns anos, quando passava por uma fase bastante difícil em minha vida, encontrei um vizinho no elevador, que me perguntou como eu ia.


Inadimplência do consumidor cresce ao menor ritmo em quase dois anos

53% dos brasileiros têm dívidas que não ultrapassam R$ 1 mil, mostra indicador CNDL/SPC Brasil.

Inadimplência do consumidor cresce ao menor ritmo em quase dois anos

Atividade do varejo perde fôlego e cresce 1,41% em setembro

Alta é pouco menor do que a constatada em setembro do ano passado, apontam CNDL/SPC Brasil.

Atividade do varejo perde fôlego e cresce 1,41% em setembro

Enfrentando a tempestade digital

Os líderes empresariais assumem seus postos depois de muito empenho.


Sem essa habilidade, seu futuro profissional está comprometido

Ser um fluente digital tem muito mais a ver com uma nova lógica de entender o mundo e trabalhar nele.

Sem essa habilidade, seu futuro profissional está comprometido

A isenção de impostos e o viés positivo do setor de saúde

O Governo Federal está tomando algumas medidas que sinalizam que um bom viés para o setor de saúde.


CNC projeta maior alta de vendas para o Dia das Crianças em seis anos

Roupas infantis, tênis, chocolates, bicicletas e brinquedos estão com preços mais baixos.


WhatsApp na empresa: até onde vai a liberdade do empregado?

As ferramentas de tecnologia são fundamentais nas relações profissionais.

WhatsApp na empresa: até onde vai a liberdade do empregado?