Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Em desaceleração, inadimplência das empresas cresce 2,15% em abril

Em desaceleração, inadimplência das empresas cresce 2,15% em abril

31/05/2019 Divulgação

Alta é o menor para os meses de abril desde 2011

Em desaceleração, inadimplência das empresas cresce 2,15% em abril

Em desaceleração desde o início no fim do ano passado, o número de empresas com contas em atraso cresceu 2,15% em abril na comparação com o mesmo mês de 2018. Trata-se da menor variação para os meses de abril desde 2011, início da série histórica.

No mesmo período dos anos anteriores, as variações haviam sido de 8,40% (2018), 4,30% (2017), 10,81% (2016), 7,46% (2015), 7,48% (2014), 10,65% (2013), 11,18% (2012) e 14,14% (2011).

Na passagem de março para abril de 2019, sem ajuste sazonal, houve uma queda de -0,85%. Os dados foram calculados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

 “Embora a retomada econômica esteja mais lenta do que o esperado, frustrando as expectativas de diversos setores da economia, já se observa uma recuperação do faturamento das empresas, o que melhora sua capacidade de solvência. Mas ainda assim, estamos distantes do período anterior da crise, com o mercado de trabalho desaquecido e do consumo das famílias avançando pouco. Tendo em vista a dificuldade que a economia vem apresentando para engatar uma recuperação mais consistente, a tendência é de que a inadimplência das empresas continue crescendo, mas a patamares mais moderados”, afirma o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.



O que as empresas devem fazer com os funcionários após a pandemia?

Muito se fala sobre um novo tipo de profissional a ser buscado pelas organizações, que domine tecnologias, que seja disciplinado.

O que as empresas devem fazer com os funcionários após a pandemia?

Receita diz que vendas em junho cresceram 10,3%

Média diária de vendas no último mês foi a maior de 2020.

Receita diz que vendas em junho cresceram 10,3%

Insegurança na Pandemia: agora é a hora certa para investir?

Se você estava pensando em investir e a pandemia chegou com tudo, com certeza está se perguntando se prossegue com o plano, se muda a rota, se a palavra de ordem agora deve ser contenção.


Home office: Solução ou Castigo?

Para muitos, a adoção do home office foi a solução mas, algumas pessoas não querem nunca mais trabalhar neste modelo.

Home office: Solução ou Castigo?

Rendimento médio de brasileiros cai a 82% em maio devido à covid-19

Pesquisa mostra que auxílio emergencial é fundamental para mais pobres.

Rendimento médio de brasileiros cai a 82% em maio devido à covid-19

O que as empresas devem saber sobre o Home Office

O que era exceção parece que está virando regra… e definitiva.

O que as empresas devem saber sobre o Home Office

Cerca de 2% dos pequenos negócios encerraram as atividades devido a pandemia

Pesquisa do Sebrae mostra também que metade dos empresários mineiros que fecharam permanentemente, não pretendem mais empreender.

Cerca de 2% dos pequenos negócios encerraram as atividades devido a pandemia

A Liderança Consciente como aperfeiçoamento para os líderes

O treinamento desenvolve líderes conscientes, que se concentram no desenvolvimento de pessoas, equipes e cultura, a partir de um sistema baseado em educação, formação e transformação.


A reabertura dos shopping e o aluguel variável das lojas

A situação do setor é preocupante e somente por meio da união dos agentes de mercado é que será possível ultrapassar este momento sem maiores cicatrizes.

A reabertura dos shopping e o aluguel variável das lojas

O que você precisa saber sobre divisórias para escritório

Venha descobrir neste post sobre todos os pontos a levar em consideração antes de contratar seu serviço de divisórias para escritório!

O que você precisa saber sobre divisórias para escritório

O que as empresas devem fazer com os funcionários após a pandemia?

Grandes transformações, normalmente pedem grandes fatos geradores, é claro que não esperávamos por um evento tão catastrófico como uma pandemia para ser o fato gerador da mudança, nem mesmo que o custo em termos de vidas fosse tão grande.


Flexibilização da quarenta reduziu perdas do comércio em R$ 9,14 bilhões

Prejuízos do setor, que poderiam chegar a R$ 42,8 bilhões nas três primeiras semanas de junho, somaram R$ 33,69 bilhões com o relaxamento em diversas regiões do País.

Flexibilização da quarenta reduziu perdas do comércio em R$ 9,14 bilhões