Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Empresas devem começar já preparação para a reforma tributária, orienta consultor

Empresas devem começar já preparação para a reforma tributária, orienta consultor

02/12/2019 Da Redação

Cerca de 4,5 milhões delas, que hoje estão no Simples Nacional ou no Lucro Presumido, tendem a migrar para o Lucro Real, o que exige organização interna e planejamento tributário.

Empresas devem começar já preparação para a reforma tributária, orienta consultor

As duas propostas de emenda constitucional (PECs) em tramitação no Congresso e que tratam da reforma tributária mudarão substancialmente suas regras atuais. Tanto a PEC 110/2019, do Senado, como a 45/2019, da Câmara dos Deputados, criam o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), substituindo uma série de tributos.

Mudanças como essas exigirão das empresas novas práticas contábeis e a preparação para tais mudanças precisa começar o quanto antes para que as empresas não sejam oneradas. A orientação é do advogado e consultor tributário Lucas Ribeiro, sócio-diretor da ROIT Consultoria e Contabilidade, que mantém sede em Curitiba (PR) e unidades em São Paulo e Brasília. 

De acordo com o especialista, tudo indica que a reforma tributária prevista nas duas propostas seja de fato aprovada. “A expectativa é a de que seja feita, porque é necessária para o país – para que exista confiança do investidor externo e para que as empresas possam se desenvolver, crescer.”  Os textos em tramitação substituem a tributação sobre a receita, como é hoje, pela tributação sobre a diferença entre os que as empresas tiverem de crédito e débitos em praticamente todas as suas operações - o IBS. "Essa substituição fará com que regimes como o Simples Nacional e o Lucro Presumido deixem de ser vantajosos e não mais atraentes como hoje", complementa.

Como principal consequência da reforma tributária será a migração de boa parte das empresas que hoje encontram-se no Simples Nacional (3,5 milhões) ou no Lucro Presumido (1 milhão) para o regime tributário do Lucro Real. “Atualmente, as empresas estão no 'Simples', por exemplo, porque este regime não exige grande esforço para ser praticado, e dá abertura para a sonegação. A partir do momento que o tributo principal passar a ser o IBS e que as empresas sejam obrigadas a contabilizar tudo, a probabilidade é muito grande de mudarem para o Lucro Real, onde pagarão menos”, explica Lucas Ribeiro.

Três passos para as empresas se prepararem para o que está por vir com a reforma tributária

A Reforma Tributária traz como prazo para adequação das empresas às novas regras o período de dez anos. Contudo, durante este tempo, as empresas terão que pagar além de todos os outros tributos já pagos atualmente, o IBS. Assim, Ribeiro recomenda que desde já as empresas comecem a se preparar para serem realmente beneficiadas com a nova reforma e que não paguem duas vezes pelo mesmo serviço ou produto. Para isso, enumera três grandes passos a serem seguidos: 

1. Organizar: O primeiro consiste em aprimorar a organização interna, ter controle de estoques rigorosos, lançar tudo em seu sistema de gestão e ter controle de competência, e não apenas de caixa;

2. Pegar Nota Fiscal de tudo: o segundo é fazer tudo “por dentro”, começar o processo de regularização das aquisições de mercadorias e de serviços, para que todas sejam feitas com nota fiscal e nos valores corretos. A sonegação não cabe mais;

3. Com isso, é possível ir para o terceiro e último: incorporar a cultura do planejamento tributário. Isso porque muitos setores passarão a pagar mais tributos do que pagam hoje, após a reforma. “As empresas devem se planejar desde já, ver a melhor dinâmica tributária, para que possam, efetivamente, serem tributadas o mínimo possível. E isso só é alcançado através de um bom planejamento tributário”, enfatiza Ribeiro.

Mais informações 

- Sobre a PEC 110/2019 e sua tramitação no Senado: https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/137699

- Sobre a PEC 45/2019 e sua tramitação na Câmara: https://www.camara.leg.br/noticias/555563-PROPOSTA-SIMPLIFICA-SISTEMA-TRIBUTARIO-E-UNIFICA-TRIBUTOS-SOBRE-CONSUMO

- Sobre a ROIT Consultoria e Contabilidade: http://roit.ai

Fonte: Engenharia de Comunicação / Assessoria ROIT



Como a tecnologia blockchain pode revolucionar o mundo financeiro

Foi há pouco mais de dez anos que o Bitcoin surgiu, sendo a primeira moeda digital que funciona à base da tecnologia blockchain.


Impactos do clube-empresa no futebol brasileiro

Longe das quatro linhas dos gramados, dos jogadores, dos técnicos e da torcida, o esporte mais apreciado pelos brasileiros vive a expectativa de significativas mudanças.


Arrecadação federal com impostos chega a R$ 1,537 trilhão em 2019

O crescimento foi de 1,69% em comparação a 2018.

Arrecadação federal com impostos chega a R$ 1,537 trilhão em 2019

Número de mulheres investidoras cresce na bolsa de valores

A emancipação das mulheres é um fato recente na história brasileira: desde 1891 a Constituição Brasileira em vigor, já permitia o voto feminino.

Número de mulheres investidoras cresce na bolsa de valores

Atividade do comércio tem alta de 2% em 2019, diz Serasa

Aumento foi puxado pelo setor de veículos e autopeças.

Atividade do comércio tem alta de 2% em 2019, diz Serasa

Inflação dos aluguéis acumula taxa de 7,91% em 12 meses

Índice é inferior aos 2,06% observados em dezembro de 2019, diz FGV.


Até onde a bolsa pode ir?

O Brasil sempre foi conhecido como a terra da renda fixa.


MEI que não informar seu rendimento será penalizado

Empreendedor que não entregar a DASN até o dia 31 de maio pagará multa e ficará impedido de gerar a guia mensal de tributos.

MEI que não informar seu rendimento será penalizado

Bolsa Família inicia pagamento para mais de 13 milhões de famílias

Indústria mineira avança em novembro

FIEMG divulga pesquisa Indicadores Industriais.

Indústria mineira avança em novembro

Feriados de 2020 devem causar quase R$ 20 bilhões de prejuízo no comércio

Maior incidência deste tipo de data em dias úteis, por outro lado, tende a favorecer atividades econômicas do turismo.

Feriados de 2020 devem causar quase R$ 20 bilhões de prejuízo no comércio

Inadimplência no país abre 2020 com 61 milhões de brasileiros negativados

Volume de consumidores com contas em atraso recua pelo segundo mês seguido na comparação anual.

Inadimplência no país abre 2020 com 61 milhões de brasileiros negativados