Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Fiat Chrysler propõe fusão com a Renault

Fiat Chrysler propõe fusão com a Renault

27/05/2019 Deutsche Welle

Se concretizada, união das automobilísticas deverá criar o 3º maior fabricante de automóveis do mundo.

Fiat Chrysler propõe fusão com a Renault

Acordo proposto pela Fiat Chrysler visando fusão com a Renault seria de uma parceria de 50% para cada lado

A montadora ítalo-americana Fiat Chrysler anunciou nesta segunda-feira (27/05) os planos para uma futura fusão com a francesa Renault, que resultaria na criação do terceiro maior fabricante de automóveis do mundo e reuniria investimentos de ambos os grupos no setor de carros elétricos e autônomos.

A proposta foi bem recebida pelo conselho diretivo da Renault, que após reunir-se nesta segunda-feira, declarou que a estuda "com interesse". Em nota, a montadora afirma que a fusão deverá "melhorar a marca industrial da empresa e a tornar uma geradora de valores adicionais à Aliança", em referência à parceria que a empresa francesa mantém com as japonesas Nissan e Mitsubishi.

A união dos dois grupos, que juntos produzem anualmente quase 8,7 milhões de veículos, provocaria uma reformulação da indústria global. A Fiat Chrysler vende cerca de 4,8 milhões de automóveis por ano, e a Renault, 3,8 milhões de unidades.

Os números após a fusão seriam superiores aos da General Motors, e ficariam atrás apenas da Volkswagen e Toyota.

A Renault havia expressado a intenção de avançar na fusão com a Nissan, mas os planos foram abalados pelo escândalo envolvendo a prisão do executivo brasileiro Carlos Ghosn, que já presidiu as duas empresas, acusado no Japão de fraude fiscal e sonegação.

A oferta da Fiat Chrysler poderia gerar economias de escala, uma vez que ambas as empresas lutam para avançar na conversão para veículos híbridos e elétricos, em meio ao combate às emissões de gases poluentes em alguns dos principais mercados na Europa.

A própria Fiat Chrysler vem tendo dificuldades para avançar no setor no de veículos elétricos e arrisca ser alvo de pesadas multas impostas pela Comissão Europeia, caso não consiga reduzir as emissões de seus automóveis e se adequar aos padrões mais rígidos que vêm sendo impostos em todo o continente.

Mas, apesar das garantias oferecidas de que a futura fusão acomodaria também a aliança com as empresas japonesas e resultaria em economias para todos os envolvidos, não se sabe ainda como a Nissan e a Mitsubishi deverão reagir a uma parceria com um grupo de grandes proporções como a Fiat Chrysler.

A Nissan comercializa anualmente 5,6 milhões de unidades, e a Mitsubishi, 1,2 milhão. Em uma possível fusão que venha a incluir também a aliança, o novo grupo somaria vendas anuais de 16 milhões de automóveis, o que equivaleria a um sexto das vendas mundiais.

O acordo proposto pela Fiat Chrysler à Renault seria de uma parceria de 50% para cada lado. Mas, fusões igualitárias costumam ser difíceis de administrar, com disputas pelos cargos de liderança e por investimentos mais altos. Um acordo igualitário entre a Chrysler e a Daimler nos anos 1990 entrou em colapso nove anos após ser firmado em razão de diferenças culturais.

O governo francês, que detém 15% da Renault, se diz favorável à fusão, mas segundo uma porta-voz, deverá avaliar cuidadosamente as condições, especialmente em relação ao "desenvolvimento industrial" da empresa e às condições para os trabalhadores.

Ainda assim, o governo considera que a fusão ampliaria a capacidade do país de "reagir aos desafios da soberania francesa e europeia em um contexto globalizado".

Fonte: Deutsche Welle



Confiança dos pequenos negócios mineiros cresce em dezembro

Construção Civil puxa resultado do Iscon, índice que mede o ânimo dos empresários em relação ao desempenho das suas atividades.

Confiança dos pequenos negócios mineiros cresce em dezembro

Perspectivas positivas para a indústria em 2022

É preciso deixar de lado todo discurso derrotista e voltado apenas para desafios e privilegiar a obtenção de resultados.

Perspectivas positivas para a indústria em 2022

Nível de endividamento das famílias brasileiras em 2021 foi o maior em 11 anos

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) foi divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo.

Nível de endividamento das famílias brasileiras em 2021 foi o maior em 11 anos

Sebrae mostra impacto da pandemia sobre empreendedores negros

Pesquisa revela dificuldades na retomada dos negócios.

Sebrae mostra impacto da pandemia sobre empreendedores negros

Uso de cheques no Brasil cai 93% desde 1995

No ano passado, volume de compensações caiu 23%.

Uso de cheques no Brasil cai 93% desde 1995

6 tendências de comunicação e marketing para 2022

Para 64% dos jovens entre 16 e 24 anos, a publicidade tradicional não impacta mais.

6 tendências de comunicação e marketing para 2022

Contribuição mensal de microempreendedores individuais será reajustada

Com o aumento do salário-mínimo, Documento de Arrecadação Simplificada de MEI (DAS) passa a ter novos valores.

Contribuição mensal de microempreendedores individuais será reajustada

Inflação oficial fecha 2021 com alta de 10,06%, diz IBGE

Poupança tem terceira maior retirada líquida da história em 2021

Retirada líquida no ano passado foi de R$ 35,5 bilhões.

Poupança tem terceira maior retirada líquida da história em 2021

Cerca de 40% dos pequenos negócios realizaram investimentos em 2021

De acordo com Sondagem Trimestral, realizada pelo Sebrae em parceria com a FGV, a Indústria é a que mais investiu.

Cerca de 40% dos pequenos negócios realizaram investimentos em 2021

Mercado financeiro prevê que economia vai crescer 0,36% em 2022

Estimativa anterior de crescimento do PIB era de 0.42%.


Capacitação no atendimento é diferencial para fidelizar clientes

Quando você chega a um restaurante, o que mais espera além de uma boa comida?

Capacitação no atendimento é diferencial para fidelizar clientes