Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Lei que facilita crédito para pequenos empresários já está em vigor

Lei que facilita crédito para pequenos empresários já está em vigor

14/05/2019 Da Redação

Com a criação da Empresa Simples de Crédito, o Governo Federal pretende simplificar processos e favorecer a economia e os municípios brasileiros.

As micro e pequenas empresas (MPEs) e os microempreendedores individuais (MEI) em breve terão novas alternativas de crédito e opções com custo mais baixo, para impulsionar seus negócios. Com essa medida, possibilitada pela Lei Complementar (LC) nº 167/2019, que cria e regulariza a Empresa Simples de Crédito (ESC), sancionada pelo presidente Bolsonaro e já em vigor, cerca de R$ 20 bilhões, por ano, devem ser injetados no país, segundo projeção do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

“A criação da Empresa Simples de Crédito vai contribuir para o aquecimento da economia e vai beneficiar os municípios, uma vez que as micro e pequenas empresas passarão a contar com uma importante fonte de empréstimos e financiamentos e, por conseguinte, ampliarão suas funções sociais, enquanto fontes geradoras de empregos e contribuintes fiscais”, comenta Lucas Moreira Gonçalves, especialista nas áreas Societária, Mercado de Capitais e Fusões e Aquisições do escritório Andrade Silva Advogados.

Além disso, segundo Lucas, essa iniciativa vai corrigir uma assimetria existente na economia brasileira, que impede o avanço das MPEs. “Atualmente, as micro e pequenas empresas geram, aproximadamente, 58% dos empregos formais e cerca de 20% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Sendo que uma parcela significativa delas não tem acesso a empréstimos e financiamentos, principalmente por questões burocráticas e obstáculos econômicos, que são impostos pelos tradicionais players do mercado financeiro, especialmente em relação aos altos juros cobrados. Com a ESC, essas barreiras tendem a reduzir, significativamente, facilitando as atuações das MPEs em diferentes segmentos de mercado”, explica.

O advogado orienta que, ao optar por uma ESC, os empresários devem estar cientes de que suas atuações geográficas serão restritas ao âmbito municipal ou distrital, ou seja, com atuação exclusivamente no município de suas sedes e em cidades limítrofes ou, quando for o caso, no Distrito Federal e cidades próximas.

“Além disso, as operações financeiras deverão ser informadas ao Banco Central, para controle do risco de crédito e, principalmente, por se tratar de uma novidade no mercado. É importante que o investidor conte com orientação de especialista para não cometer equívocos no processo, já que há premissas organizacionais e comerciais a serem seguidas”, orienta Lucas.

As ESC destinam-se à realização de operações de empréstimo, de financiamento e de desconto de títulos de crédito, exclusivamente com recursos próprios, tendo como contrapartes exclusivamente microempreendedores individuais, microempresas e empresas de pequeno porte, nos termos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006 (Lei do Simples Nacional).

Lucas acrescenta ainda que a Empresa Simples de Crédito poderá ser uma empresa individual de responsabilidade limitada (EIRELI), um empresário individual ou sociedade limitada. E poderá atuar apenas com capital próprio, ou seja, uma ESC não poderá, por exemplo, captar recursos de bancos para, então, emprestar a uma pequena empresa.

Fonte: Comuniquese



Imigrantes investiram R$ 1,5 bi no Brasil em sete anos

Relatório aponta que, entre 2011 e 2018, 774,2 mil imigrantes se fixaram no Brasil de forma legal.

Imigrantes investiram R$ 1,5 bi no Brasil em sete anos

Setor de vestuário será o mais beneficiado com saques do FGTS

Medidas de estímulo ao consumo devem ter um impacto positivo de R$ 3,3 bilhões no segmento de roupas, calçados e acessórios, prevê CNC.

Setor de vestuário será o mais beneficiado com saques do FGTS

Acordo com credor é estratégia para limpar o nome

75% comprometeriam pagamento de contas básicas se usassem seus rendimentos para zerar dívidas.

Acordo com credor é estratégia para limpar o nome

Índice de confiança do empresário sobe pelo 3º mês seguido

Empresários estão confiantes com o desempenho das empresas e da economia nos próximos seis meses.

Índice de confiança do empresário sobe pelo 3º mês seguido

Minas registra mais de 1 milhão de Microempreendedores Individuais

Após 10 anos, desde a implementação da Lei Complementar 128, MEI já são a maioria dos pequenos negócios formalizados no estado.

Minas registra mais de 1 milhão de Microempreendedores Individuais

Cresce abate de bovinos, suínos e frangos, diz IBGE

Foram abatidas 8,08 milhões de cabeças de bovinos no segundo trimestre de 2019.

Cresce abate de bovinos, suínos e frangos, diz IBGE

Cresce a confiança dos consumidores de BH na economia

Indicador voltou a subir no segundo trimestre de 2019. Homens e jovens são os mais confiantes.

Cresce a confiança dos consumidores de BH na economia

Empresários da construção estão mais confiantes

O Índice de Confiança do Empresário da Indústria da Construção de Minas Gerais – ICEICON MG – atingiu 53,8 pontos em julho, crescimento de 3,0 pontos em relação a junho (50,8 pontos).


Empresas e paternidade: uma mudança a ser nutrida

Daqui a cinco ou dez anos, nem você nem ninguém se lembrará com precisão da tarefa que está fazendo no trabalho neste minuto.


Cereais, leguminosas e oleaginosas podem ter safra recorde

Arroz, milho e soja representam 92,7% da produção estimada no ano.

Cereais, leguminosas e oleaginosas podem ter safra recorde

Queda da Taxa Selic e a economia brasileira

Após o mais longo período em que a Taxa Selic permaneceu em um mesmo patamar, o Banco Central cortou a taxa básica da economia em 0,50%.


Dia dos Pais deve gerar R$ 5,6 bilhões de faturamento em 2019

CNC projeta alta de 2,1% nas vendas para a quarta data comemorativa mais importante do varejo.

Dia dos Pais deve gerar R$ 5,6 bilhões de faturamento em 2019