Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mercado brasileiro de contact center registra crescimento

Mercado brasileiro de contact center registra crescimento

09/10/2008 Divulgação

O setor de contact center apresentou um crescimento estimado de 11% entre 2007 e 2008, segundo dados divulgados pelo Grupo Padrão em parceria com a consultoria E-Consulting.

O segmento movimentou este ano R$ 19,07 bilhões ante os R$ 17,13 bilhões de 2007. Já o volume de movimentação das empresas de contact center terceirizadas registrou R$ 6,86 bilhões em 2008 e no ano anterior foi de R$ 6,16 bilhões. Além do maior número de contratações, atualmente o segmento emprega 1 milhão de pessoas e o número de funcionários terceirizados cresceu de 232 mil para 294 mil em 2007, houve também aumento de posições de atendimento (PA’s), principalmente na área de crédito e cobrança, reflexo da expansão da oferta de crédito no País. O total de PAs do setor saltou de 292 mil em 2006 para 400 mil em 2007.

Devido à regulamentação dos Serviços de Atendimento ao Consumidor, ainda não foram contabilizados os números de 2008, mas a tendência é que esses indicadores continuem crescendo. Apesar da evolução do setor, o estudo mostra uma queda abrupta na rentabilidade das companhias. O faturamento por PA passou de R$ 52,61 mil em 2006 para R$ 42,82 mil em 2007, ou seja, uma diminuição de cerca de 18,6%. A conclusão é que a PA está se tornando economicamente ruim ao longo do tempo. Daniel Domeneghetti, sócio-fundador da E-Consulting, explica que a lucratividade decrescente é reflexo, dentre outros fatores, da guerra de preços acirrada praticada por algumas companhias e que a concorrência predatória se dá também pelo processo de compras baseado em custo de PA seguido por boa parte das mesas de compras dos grandes contratantes.

“Esse processo aniquila o valor agregado, comoditiza a oferta e compromete a operação saudável dos contact centers, principalmente dos médios. Para não perder contratos e desperdiçar os investimentos na estrutura já formada, as empresas que atuam com margens menores acabam cedendo à pressão por redução de custos feita pelos contratantes, mesmo não obtendo resultados razoáveis”, comenta. Para Roberto Meir, publisher do Grupo Padrão e presidente da Associação Brasileira das Relações Empresa Cliente (Abrarec), o momento exige esforços por uma redefinição do segmento. “Ou o mercado enterra a PA ou enterrará a própria empresa. Nos Estados Unidos admite-se o atendimento robotizado, mas no Brasil o consumidor quer uma central de relacionamento com o cliente. Ele exige atendimento respeitoso e quer ser encantado pelas empresas”, destaca. Meir explica que o mercado precisa urgentemente encontrar um novo denominador comum que aceite diferenciação, tecnologia e qualidade de serviço como atributos embutidos em sua estrutura e a PA, como a conhecemos, não é esse denominador. “Um dos caminhos para evitar a disputa de preços é focar em nichos de mercado que valorizem o diferencial, como o setor de cobrança, por exemplo”, analisa o executivo.

Regulamentação dos SAC’s

A partir de 1º de dezembro passa a valer as novas regras para os Serviços de Atendimento ao Consumidor e o setor precisa se adaptar à regulamentação, que exige respeito e qualidade de atendimento ao cliente. “As empresas que fizerem apenas o mínimo para atender o governo federal e continuarem omissas em relação ao cliente terão problemas. O mercado deve evoluir para soluções completas de gestão de clientes”, adverte Meir. Domeneghetti explica que, devido às novas regras dos SACs, a substituição tecnológica prevista não se efetiva na velocidade e proporção imaginadas para os próximos dois anos.

“Um caminho para aumentar a rentabilidade seria a ampliação das ferramentas tecnológicas habilitadoras de novos canais de relacionamento ou mesmo que redefinam o atual conceito das PAs, mas a nova lei, num primeiro momento, não permite, pois exige pessoas”, afirma. Outro ponto abordado por Domeneguetti é que a regulamentação, a alta competição e a lucratividade decrescente aumentam a pressão por redução de custos e aumento de performance. “Estratégias corretas, eficácia em gestão e excelência operacional deverão ser ingredientes. Para recuperar os baixos índices de rentabilidade e agregar valor ao serviço, boa parte das empresas passaram a investir em gestão de clientes”.

Evolução do setor - Customer Management Center
As fusões e aquisições continuarão acontecendo, tanto no setor, como em outros segmentos como TI e infra-estrutura. Segundo Domeneguetti, o modelo BPO é um caminho em experimentação no Brasil e o contact center pode evoluir de duas maneiras: seguindo a linha de serviços comoditizados de larga escala e baixo valor agregado ou associada a serviço de valor agregado. “Nesse segundo caso, nasce o conceito que batizamos de Customer Management Center em substituição ao contact center. Nesse modelo de serviços, as operadoras evoluirão de provedoras de serviços de atendimento e suporte a co-gestoras do relacionamento das empresas com seus clientes e consumidores, abrangendo não só o canal telefônico, mas também os demais”, ressalta Domeneguetti.

Meir acredita que a procura do cliente por outras formas de comunicação e relacionamento mais interativo e transparente com as empresas já é uma tendência acentuada pela web 2.0. “Boa parte das atividades de relacionamento hoje centradas no canal telefônico tenderá a migrar para outros canais e modelos. Os investimentos em tecnologia e metodologias que tragam eficiência, performance, usabilidade aos canais remotos, móveis e convergentes serão intensificados”, explica o especialista internacional em relações de consumo.



Tecnologia, home office e a transformação do mercado imobiliário

A tecnologia é uma grande aliada e uma ferramenta cada vez mais fundamental para o mercado imobiliário.

Tecnologia, home office e a transformação do mercado imobiliário

Impostômetro chega à marca de R$ 2 trilhões

Em 2020, a marca foi atingida em 22 de dezembro, informa associação de SP.

Impostômetro chega à marca de R$ 2 trilhões

Setor de food service deve movimentar R$ 167 bilhões em 2021

Enfraquecido pela pandemia, segmento de food service deve estar preparado para o boom das operações, que se dará em 2022.

Setor de food service deve movimentar R$ 167 bilhões em 2021

CNC estima faturamento recorde do varejo para o Dia das Crianças

A data é a terceira mais importante depois do Natal e do Dia das Mães.

CNC estima faturamento recorde do varejo para o Dia das Crianças

Serasa mostra que empresas pagam 51% das dívidas em até 60 dias

Dívidas recentes são recuperadas em maior número que antigas.

Serasa mostra que empresas pagam 51% das dívidas em até 60 dias

4 dicas de decoração e arquitetura para escritórios

Há tempos que o local de trabalho deixou de ser um ambiente sem graça.

4 dicas de decoração e arquitetura para escritórios

Maioria de postos de trabalho foi criada por micro e pequena empresas

No acumulado do ano, as micro e pequenas empresas foram responsáveis por aproximadamente 70% dos postos de trabalho gerados no país.

Maioria de postos de trabalho foi criada por micro e pequena empresas

Pequenos negócios ainda registram queda no faturamento e se recuperam gradativamente

Pesquisa do Sebrae e da FGV mostra que indicadores do segmento apresentaram uma leve melhora em setembro, mas os impactos da crise ainda são sentidos pela maioria.

Pequenos negócios ainda registram queda no faturamento e se recuperam gradativamente

Um terço dos pequenos negócios mineiros investiu em RH para enfrentar a pandemia

Estudo do Sebrae Minas mostra, ainda, que 40% destas empresas precisaram reduzir as capacitações das equipes nos últimos 18 meses.

Um terço dos pequenos negócios mineiros investiu em RH para enfrentar a pandemia

Como evitar a estagnação empresarial?

Já pensou no porquê de algumas pessoas continuarem a avançar pessoal e profissionalmente, enquanto outros permanecem estagnadas?

Como evitar a estagnação empresarial?

Híbrido e Inteligente: o que esperar do varejo no futuro

Nada do que foi será, de novo, do jeito que já foi um dia.

Híbrido e Inteligente: o que esperar do varejo no futuro

Produtos com Indicação Geográfica são conhecidos por 60% dos pequenos negócios

Pesquisa feita pelo Sebrae mostra que até mesmo os negócios que não sabem o que é uma IG gostariam de vender produtos típicos regionais.

Produtos com Indicação Geográfica são conhecidos por 60% dos pequenos negócios