Portal O Debate
Grupo WhatsApp


No mundo corporativo, “como vai?” deve ser uma pergunta sincera

No mundo corporativo, “como vai?” deve ser uma pergunta sincera

13/10/2019 Cícero Hegg

Há alguns anos, quando passava por uma fase bastante difícil em minha vida, encontrei um vizinho no elevador, que me perguntou como eu ia.

Fui absolutamente sincero: respondi que não estava nada bem.

A reação de susto e surpresa que ele demonstrou com a minha resposta me fez pensar o quanto esperamos que todos a nossa volta, no círculo pessoal ou corporativo, estejam ligados no piloto automático.

A resposta que o meu vizinho esperava seria um protocolar “vou bem. E você?”.

Lidero uma empresa que conta, hoje, com mais de 1.600 colaboradores diretos, a quem eu procuro sempre chamar pelo nome. Quando pergunto a eles como vão, espero uma resposta sincera.

Espero que falem de suas vidas, de suas famílias, de seus planos para o futuro e de como se sentem no ambiente de trabalho. E que também me digam, com sinceridade, o que podemos melhorar em nossa empresa e em nossos produtos.

Foi assim que criamos o Hora da Conversa, um programa que estimula o diálogo com os gestores de maneira transparente e eficiente, uma atitude que deveria ser corriqueira no dia a dia, sem pompa, cerimônia ou momento certo para acontecer.

Algumas empresas chamam essa troca de feedback, mas acredito que o melhor caminho é falar do presente, vislumbrando o futuro.

O fato é que esse momento não deveria ser eventual, como durante as avaliações de desempenho que as empresas costumam fazer com seus funcionários.

A Hora da Conversa ou qualquer troca que seja verdadeira sempre será positiva. Significa que você vai investir parte do seu tempo para dividir seu sentimento e seus pensamentos com alguém.

Mas ser totalmente sincero com o dono da empresa em que você trabalha nem sempre é algo simples.

Por isso, durante muitos anos, realizamos na companhia um programa batizado de Despertar, com o objetivo de abrir esse canal com nossos funcionários no dia a dia, de forma objetiva e sincera, até que eles estivessem abertos a colocar essa prática na rotina.

A vontade genuína de conhecer as pessoas foi o que motivou a mim e a meu irmão Carlos, como fundadores da empresa, a criar um relacionamento verdadeiro com os produtores de leite, que nos fornecem a matéria-prima delicada que dá origem aos nossos queijos.

Sempre soubemos que, para fazer um bom queijo, seria necessário ter leite de alta qualidade. E nosso desejo era reproduzir, em escala industrial, queijos que levassem o carinho artesanal e que pudessem ser apreciados por nossas famílias.

Fazer isso sem ouvir os produtores era impossível. Fomos pessoalmente até eles para conhecer suas fazendas, entender como viviam e do que precisavam.

Muitos deles estão conosco há 39 anos, quando a empresa foi fundada. E a forma que a gente encontrou de criar este laço e esta fidelidade foi simplesmente a transparência e a sinceridade.

Cada pessoa é um instrumento colaborativo poderoso ao ouvir o que o outro tem a dizer, com empatia ao próximo. Desta forma, conseguirmos transformar o ambiente de trabalho em um local acolhedor e humano.

Costumo dizer que somos uma escola de bons princípios e valores e que também fabrica queijos. Por aqui, já passaram muitas pessoas que nos ensinaram, como também muitos que aprenderam e acabaram se curando de algo que precisavam vivenciar para evoluir.

Eu considero que a melhor forma de educar um filho é a partir do exemplo. Como as nossas atitudes sempre foram coerentes com a nossa fala, hoje mantemos um ambiente que estimula as pessoas a dizer o que estão sentindo e pensando.

Inclusive, desde o início da empresa, procuramos estimular as pessoas a serem felizes, se encontrando, se descobrindo.

Não é por acaso que um dos símbolos de nossa marca é um coração. Hoje, eu tenho certeza de que este é o segredo de sucesso da empresa.

Por isso, sempre que pergunto a alguém que trabalha comigo como essa pessoa vai, espero que desligue o piloto automático e me responda com sinceridade, sem temer que eu leve um susto como aquele que o meu vizinho levou há tantos anos.

* Cícero Hegg é um dos fundadores da Tirolez, empresa referência em laticínios de qualidade.

Fonte: Press à Porter



Os cuidados e direitos do consumidor na Black Friday

O evento tem atraído um número cada vez maior de consumidores.

Os cuidados e direitos do consumidor na Black Friday

Poupança tem menor retirada líquida para outubro em cinco anos

Saques superaram depósitos em R$ 247,2 mi no mês.

Poupança tem menor retirada líquida para outubro em cinco anos

13º salário: como se preparar para o benefício

Especialista dá dicas para o bom uso desse dinheiro.

13º salário: como se preparar para o benefício

Fracasso: 15 hábitos poderosos para evitá-lo e atingir metas

Fracasso é algo que todos evitam e que ninguém deseja estar suscetível.

Fracasso: 15 hábitos poderosos para evitá-lo e atingir metas

Preservar a empresa e punir os corruptos

Já passou da hora de a legislação fazer distinção clara entre as pessoas físicas dos proprietários e dirigentes, de um lado, e a pessoa jurídica da empresa, de outro.


Index: Faturamento real avança pelo segundo mês consecutivo

Cenário mais favorável ao consumo deve contribuir para aquecimento da atividade industrial.

Index: Faturamento real avança pelo segundo mês consecutivo

Comércio terá impacto positivo com queda dos juros de imóveis

Redução dos juros para o financiamento de imóveis terá impacto de R$ 5,2 bilhões no comércio, diz CNC.

Comércio terá impacto positivo com queda dos juros de imóveis

3 dicas para quem trabalha com transporte de cargas pesadas

O mercado do transporte de cargas pesadas evoluiu muito no Brasil nos últimos anos.

3 dicas para quem trabalha com transporte de cargas pesadas

Tudo o que você precisa saber para entrar no mercado de reparo automotivo

Para muitos, ter seu próprio negócio é um sonho de vida e um caminho para a riqueza pessoal.

Tudo o que você precisa saber para entrar no mercado de reparo automotivo

Inove no Panetone e aqueça as vendas de Natal

Com a proximidade dos festejos de final de ano e a receita adicional no orçamento, existe uma forte tendência de diversificação no consumo de alimentos.


A Humanização da Indústria 4.0: é preciso engajar para inovar

Quando se fala em indústria 4.0 e o futuro da tecnologia aplicada em processos produtivos, é fundamental deixar claro que estamos falando, na verdade, do presente.


Padarias já se planejam para vendas no fim do ano

Campanha “Compre e Concorra” quer atender melhor e aumentar as vendas durante o período.

Padarias já se planejam para vendas no fim do ano