Portal O Debate
Grupo WhatsApp


No mundo corporativo, “como vai?” deve ser uma pergunta sincera

No mundo corporativo, “como vai?” deve ser uma pergunta sincera

13/10/2019 Cícero Hegg

Há alguns anos, quando passava por uma fase bastante difícil em minha vida, encontrei um vizinho no elevador, que me perguntou como eu ia.

Fui absolutamente sincero: respondi que não estava nada bem.

A reação de susto e surpresa que ele demonstrou com a minha resposta me fez pensar o quanto esperamos que todos a nossa volta, no círculo pessoal ou corporativo, estejam ligados no piloto automático.

A resposta que o meu vizinho esperava seria um protocolar “vou bem. E você?”.

Lidero uma empresa que conta, hoje, com mais de 1.600 colaboradores diretos, a quem eu procuro sempre chamar pelo nome. Quando pergunto a eles como vão, espero uma resposta sincera.

Espero que falem de suas vidas, de suas famílias, de seus planos para o futuro e de como se sentem no ambiente de trabalho. E que também me digam, com sinceridade, o que podemos melhorar em nossa empresa e em nossos produtos.

Foi assim que criamos o Hora da Conversa, um programa que estimula o diálogo com os gestores de maneira transparente e eficiente, uma atitude que deveria ser corriqueira no dia a dia, sem pompa, cerimônia ou momento certo para acontecer.

Algumas empresas chamam essa troca de feedback, mas acredito que o melhor caminho é falar do presente, vislumbrando o futuro.

O fato é que esse momento não deveria ser eventual, como durante as avaliações de desempenho que as empresas costumam fazer com seus funcionários.

A Hora da Conversa ou qualquer troca que seja verdadeira sempre será positiva. Significa que você vai investir parte do seu tempo para dividir seu sentimento e seus pensamentos com alguém.

Mas ser totalmente sincero com o dono da empresa em que você trabalha nem sempre é algo simples.

Por isso, durante muitos anos, realizamos na companhia um programa batizado de Despertar, com o objetivo de abrir esse canal com nossos funcionários no dia a dia, de forma objetiva e sincera, até que eles estivessem abertos a colocar essa prática na rotina.

A vontade genuína de conhecer as pessoas foi o que motivou a mim e a meu irmão Carlos, como fundadores da empresa, a criar um relacionamento verdadeiro com os produtores de leite, que nos fornecem a matéria-prima delicada que dá origem aos nossos queijos.

Sempre soubemos que, para fazer um bom queijo, seria necessário ter leite de alta qualidade. E nosso desejo era reproduzir, em escala industrial, queijos que levassem o carinho artesanal e que pudessem ser apreciados por nossas famílias.

Fazer isso sem ouvir os produtores era impossível. Fomos pessoalmente até eles para conhecer suas fazendas, entender como viviam e do que precisavam.

Muitos deles estão conosco há 39 anos, quando a empresa foi fundada. E a forma que a gente encontrou de criar este laço e esta fidelidade foi simplesmente a transparência e a sinceridade.

Cada pessoa é um instrumento colaborativo poderoso ao ouvir o que o outro tem a dizer, com empatia ao próximo. Desta forma, conseguirmos transformar o ambiente de trabalho em um local acolhedor e humano.

Costumo dizer que somos uma escola de bons princípios e valores e que também fabrica queijos. Por aqui, já passaram muitas pessoas que nos ensinaram, como também muitos que aprenderam e acabaram se curando de algo que precisavam vivenciar para evoluir.

Eu considero que a melhor forma de educar um filho é a partir do exemplo. Como as nossas atitudes sempre foram coerentes com a nossa fala, hoje mantemos um ambiente que estimula as pessoas a dizer o que estão sentindo e pensando.

Inclusive, desde o início da empresa, procuramos estimular as pessoas a serem felizes, se encontrando, se descobrindo.

Não é por acaso que um dos símbolos de nossa marca é um coração. Hoje, eu tenho certeza de que este é o segredo de sucesso da empresa.

Por isso, sempre que pergunto a alguém que trabalha comigo como essa pessoa vai, espero que desligue o piloto automático e me responda com sinceridade, sem temer que eu leve um susto como aquele que o meu vizinho levou há tantos anos.

* Cícero Hegg é um dos fundadores da Tirolez, empresa referência em laticínios de qualidade.

Fonte: Press à Porter



Não perca tempo com problemas que não existem

É muito comum num grupo, numa reunião ou na empresa inteira, pessoas discutirem possíveis problemas em meio a um trabalho.

Não perca tempo com problemas que não existem

10 dicas para melhorar a gestão do conhecimento no contact center

O grande desafio enfrentado pelos contact centers é atender o cliente de forma rápida, objetiva e solucionar todas as demandas.


Inadimplência tem a segunda menor variação em janeiro em uma década

Brasil tem 61,3 milhões de consumidores com restrição ao crédito, mostram CNDL/SPC Brasil.

Inadimplência tem a segunda menor variação em janeiro em uma década

Bancos leiloam 300 imóveis com descontos de até 73%

Há unidades em diferentes estados disponíveis no site da Sold Leilões e no Superbid Marketplace.

Bancos leiloam 300 imóveis com descontos de até 73%

O que está em jogo com o jogo no Brasil?

Escrevi um artigo há uns três anos sobre o jogo no Brasil intitulado “O jogo no Brasil e o sofá do corno”.


Inovação no mercado de comunicação

Dois nomes deste mercado se uniram em um empreendimento comum.


CNC reduz para 5,3% estimativa de crescimento do varejo em 2020

Setor fechou 2019 com terceira alta anual consecutiva, impulsionada por inflação e juros baixos.

CNC reduz para 5,3% estimativa de crescimento do varejo em 2020

Fundos imobiliários e as expectativas para 2020

2019 foi um ano de muitas oportunidades na indústria de fundos imobiliários no Brasil.


A indústria puxará o crescimento

A política industrial que nos convém se reduz a umas poucas regras de bom senso.

A indústria puxará o crescimento

Inflação do aluguel é de 6,86% em 12 meses

Índice não teve variação no início de fevereiro, diz FGV.

Inflação do aluguel é de 6,86% em 12 meses

Meu funcionário voltou da China. E agora?

Além de problemas no atraso ligados à entrega de mercadorias e possível redução de vendas, há outros impactos do coronavírus trazidos às empresas que mantêm relações comerciais diretas com a China.

Meu funcionário voltou da China. E agora?

ICMS sobre exportações pode extinguir até 728 mil empregos, prevê CNI

Duas PECs no Congresso propõem volta de imposto estadual

ICMS sobre exportações pode extinguir até 728 mil empregos, prevê CNI