Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O orçamento para a educação em 2016

O orçamento para a educação em 2016

28/09/2015 Francisco Borges

O orçamento do governo para 2016, apresentado no final de agosto, traz, como resultado final, um déficit de R$ 30,5 bilhões.

Com o acréscimo dos investimentos no PAC (Programa de Aceleração de Crescimento), as despesas superariam as receitas em R$ 72,9 bilhões.

Com esse quadro, não surpreende que se desista de vários dos objetivos traçados no Plano Nacional de Educação para 2024.

Almejava-se que 25% das matrículas de jovens e adultos nos níveis fundamental e médio fossem integradas à educação profissional. Hoje, apenas 2,5% das vagas têm esse perfil.

A oferta de vagas em cursos profissionalizantes em programas de habilitação de nível médio, hoje em 1,3 milhão, teria de ser triplicada. No ensino superior, o número de matrículas seria elevado a 12 milhões.

Em 2014, esse número era de 7 milhões. Esses objetivos, que constam nas metas 10, 11 e 12 do PNE, relacionam-se a dois programas do Governo Federal: o FIES e o PRONATEC.

No Orçamento da União para 2016, constam R$ 103 bilhões a serem destinados à educação, sendo 30% ao Ensino Superior Público e 18% para o Fies, ou R$ 18,8 bilhões.

O ensino profissionalizante terá 10% desses recursos, cerca de R$ 10,3 bilhões. A educação básica, 24% (R$ 24,72 bilhões). Outros 18% serão alocados em outros segmentos.

No ensino superior, a intenção é elevar o número de matrículas em universidades federais de 932 mil para 1,4 milhão e ofertar 5 milhões de vagas pelo Pronatec.

Tendo como referência os valores destinados neste ano ao FIES, em 2016, o número se repetirá. Os R$ 16,6 bilhões destinados ao programa neste ano servirão para novos contratos e aos já firmados.

Com os R$ 18,8 bilhões previstos para 2016, o MEC saudará uma parcela dos débitos deste ano e manterá os contratos vigentes. O ingresso anual de novos alunos se manterá em 320 mil a 350 mil.

Até 2021, estima-se que o programa se estabilize em 1,3 milhão de matrículas. Quanto ao PRONATEC, relacionado à oferta de cursos profissionalizantes, haverá 5 milhões de vagas de 2016 a 2019, menos da metade das 12 milhões prometidas até 2018 pela então candidata Dilma Rousseff.

O programa já sofreu cortes em 2015, o que reduziu a oferta de vagas em 57% na comparação com 2014. Segundo o Ministério da Educação, 1,3 milhão de vagas estão asseguradas para este ano.

O número que deve se repetir em 2016 e interromper a queda constante. Dos R$ 10,3 bilhões destinados à educação profissionalizante, conforme projeto de lei, 60% devem ir para os institutos federais.

O restante, ao PRONATEC. Os R$ 4 bilhões possibilitam ofertar 1,3 milhões de vagas. Seriam 936 mil vagas, enquanto que os cursos técnicos teriam 364 mil.

Se uma parte dos programas FICs for vinculada aos programas de Educação de Jovens e Adultos (EJA), existe a possibilidade de, a partir do estímulo à empregabilidade, melhorar os índices de conclusão destes programas.

Há expectativas positivas mesmo com tantos dados e números negativos.

* Francisco Borges é consultor da Fundação FAT em Gestão e Políticas Públicas voltadas à Educação.



Brasil fecha acordo para exportação de produtos para Arábia Saudita

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento fechou acordos para exportação de frutas, castanhas e derivados de ovos.

Brasil fecha acordo para exportação de produtos para Arábia Saudita

Cemig é a única empresa do setor elétrico não europeia no Índice Dow Jones de Sustentabilidade

Cemig permanece na seleta lista de empresas do Dow Jones Sustainability Index World (DJSI World), por 20 anos consecutivos, como a única empresa do setor elétrico não europeia, desde a criação desse importante índice.


Governo do Egito quer expandir comércio com o Brasil

País africano quer ampliar parceria no melhoramento genético de gado bovino.

Governo do Egito quer expandir comércio com o Brasil

Amazon Prime: a nova investida da Amazon no Brasil

A Amazon lançou, na última terça-feira (10), um novo serviço no Brasil: o Amazon Prime. A notícia fez as ações das maiores varejistas do país – Magazine Luiza, B2W e Via Varejo – despencarem.


Startup Pegaki conecta e-commerces a pontos de venda e resolve problema de entrega

Ao invés de esperar encomendas pelo correio, consumidores podem retirá-las pessoalmente em unidades de empresas que atraem clientes para seu ponto de venda.


Competição vai conectar 150 startups a 5 mil empresas brasileiras que buscam “comprar” inovação

Até o dia 12 de outubro, o Amcham Arena promoverá o encontro das startups com lideranças empresariais.

Competição vai conectar 150 startups a 5 mil empresas brasileiras que buscam “comprar” inovação

Abertura de empresas brasileiras de tecnologia no Reino Unido dura apenas 15 minutos

Evento na Assespro - PR em Curitiba explicou tudo o que é preciso saber para abrir uma empresa brasileira de TI no país europeu.


Percentual de endividados aumenta em agosto e é o maior em seis anos

Oitava alta mensal consecutiva no endividamento alcançou 64,8% das famílias.

Percentual de endividados aumenta em agosto e é o maior em seis anos

Data-Driven Marketing

Por que é o momento de adotar a estratégia.


Amazon Prime é importante. Alibaba é ainda mais!

A verdadeira ameaça para o varejo nacional não está na Amazon.


Sete passos para ser mais produtivo no trabalho

Especialista da consultoria Wyser mostra como priorizar corretamente as tarefas para aumentar o rendimento.


Liberação do FGTS e PIS/Pasep vai impulsionar o consumo até o fim do ano

De acordo com CNC, comércio e serviços deverão ser positivamente impactados.

Liberação do FGTS e PIS/Pasep vai impulsionar o consumo até o fim do ano