Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Petrobras, refinarias e desestatização

Petrobras, refinarias e desestatização

23/12/2019 Da Redação

A anunciada venda de oito refinarias de petróleo – metade do parque de refino da Petrobrás – indica importante avanço nas privatizações.

Petrobras, refinarias e desestatização

A estatal deverá arrecadar mais de R$ 50 bilhões na venda daquelas plantas, reduzindo suas dívidas e priorizando a atividade na exploração e produção de petróleo. Esse movimento observa a regra de que o Estado só deve investir seus recursos em setores onde não há o investidor privado com capital ou disposição para tanto, ou em áreas estratégicas onde a presença estatal garanta regularidade e segurança nos serviços. Assim foi no setor elétrico, na siderurgia e em outros ramos de infraestrutura que determinaram a passagem do Brasil de país eminentemente agrícola para industrializado e detentor de agronegócio tecnológico. No atual quadro, o mote “O Petróleo é Nosso”, embalado na campanha pela criação da Petrobras e depois de sua instalação, perdeu o sentido porque o monopólio petrolífero já foi afrouxado e existem empresas nacionais e estrangeiras capazes de realizar os serviços a preços inferiores aos praticados pela estatal.

Vender a Petrobras ao mercado e ficar apenas com as atividades normativas é o ideal.  É lógico que essa solução encontra resistências, principalmente no funcionalismo da própria empresa, que vive numa ilha de prosperidade, auferindo benefícios altamente incondizentes com a realidade nacional. Por isso costuma-se dizer que o petróleo não é nosso (do povo), mas dos dirigentes e funcionários da Petrobras. Melhor seria que o petróleo fosse das empresas especializadas, nacionais e internacionais, e apenas o controle normativo do governo, este com a missão de garantir o equilíbrio entre as prestadoras dos serviços e o mercado, composto pelos brasileiros que consomem combustíveis e derivados nos seus negócios e veículos. Com funcionalismo pago em nível da concorrência de mercado, tais serviços teriam custos menores, com certeza.

É importante entender que o Brasil viveu o estatismo durante décadas. No inicio foi necessário o Estado investir onde o particular não tinha como fazê-lo. A nefasta ingerência ideológica fez desenvolver os cabides de empregos e outros males que incharam nossas estatais. Desde que começaram as privatizações, nos anos 90, durante o governo de Fernando Henrique, há um seguido protesto das esquerdas que classificam a venda dos ativos como entreguismo. Na verdade, eles preferem que as empresas do governo sejam permanentemente canibalizadas pelo empreguismo e o povo, consumidor dos seus serviços, pague a conta. Os governos petistas incharam-nas da mesma forma que fizeram com o serviço público, além de abrirem as portas para a corrupção.

Espera-se que num futuro não muito distante, não hajam mais empresas estatais no Brasil. Que todos os serviços sejam privados e o Estado apenas licenciador, normatizador e fiscalizador. No dia que isso ocorrer, o chamado Custo Brasil diminuirá e a oferta de empregos, com remuneração justa e controle de desempenho, será pedra de toque do equilíbrio nacional... 

Fonte: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)



O que não fazer ao investir em 2020? Saiba quais erros não cometer

O dois meses do ano já se encerraram e com isso fica a reflexão quanto a quais promessas de ano novo ainda devem seguir com projetos e possíveis execuções, e quais outros tantos vão ficar apenas no papel.

O que não fazer ao investir em 2020? Saiba quais erros não cometer

A extinção do BNDESPar e as fronteiras do estado mínimo

Três questões sobre a extinção do BNDESPar e as fronteiras do estado mínimo.


Do coronavírus às demais nuances da Bolsa de Valores

Bolsa de Valores pode ser afetada pela propagação ou a hipótese da propagação de epidemias como o coronavírus.


Startups do agronegócio entram em rodada de captação de investimentos na CapTable

Pomartec e Skydrones pretendem arrecadar um total de R$2,6mi em investimentos coletivos com cotas que podem ser adquiridas a partir de R$500.

Startups do agronegócio entram em rodada de captação de investimentos na CapTable

Como as empresas podem aumentar a segurança no uso do WhatsApp

Vivemos uma era em que a exigência por respostas rápidas é inquestionável.

Como as empresas podem aumentar a  segurança no uso do WhatsApp

Renner investirá quase R$ 1 bilhão em 2020

A Lojas Renner anunciou que vai investir R$ 910 milhões ao longo de 2020.

Renner investirá quase R$ 1 bilhão em 2020

SPC Brasil libera monitoramento gratuito de CPF no Carnaval

Consumidores que tiverem documento furtado ou perdido poderão monitorar a movimentação do seu CPF de forma gratuita por 30 dias.

SPC Brasil libera monitoramento gratuito de CPF no Carnaval

Home office: sua empresa está preparada?

A cada dia as relações e os negócios são construídos por meio de ferramentas virtuais.

Home office: sua empresa está preparada?

Endividamento Tributário é o que mais inviabiliza o crescimento da empresa

Assessoria jurídica empresarial tem competência para revisar o débito acumulado, proporcionando reduções de até 70% do valor.

Endividamento Tributário é o que mais inviabiliza o crescimento da empresa

Caixa anuncia financiamento imobiliário com juros fixos

Condições são válidas para imóveis residenciais novos e usados

Caixa anuncia financiamento imobiliário com juros fixos

Selecionando profissionais

É inegável que vivemos em um grande manancial de informações que nos chegam por todos os lados.


O que não fazer ao investir em 2020?

Saiba quais erros não cometer.