Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Precisamos falar sobre o Marketing Político

Precisamos falar sobre o Marketing Político

13/05/2020 Shirlei Miranda Camargo

Em épocas de polarização política, fica o questionamento: por que há pessoas que possuem o que chamamos de “político de estimação”?

E isso acontece sejam elas de esquerda ou de direita, ou apoiando este ou aquele candidato/partido. Por muitos anos não se entendeu este comportamento, até que de repente “caiu a ficha”: é tudo questão de marketing.

No marketing, temos um conceito bem difundido, a lealdade à marca. Ou seja, as empresas devem procurar não apenas vender uma única vez seu produto/serviço, mas criar e manter um relacionamento para tornar este cliente leal a fim de que, além de sempre comprar de sua empresa, ainda o indique para as outras pessoas.

Dois professores de Harvard nos anos 90, Jones e Sasser, classificaram os consumidores, conforme seu nível de lealdade como terroristas, reféns, mercenários e apóstolos. E justamente estes últimos nos interessam aqui.

Os clientes classificados como “apóstolos” são aqueles altamente satisfeitos e leais, que apoiam uma marca, sempre comprando sem pensar em trocar por uma concorrente, e falam bem dela para outras pessoas (famoso boca a boca positivo).

Ainda neste contexto, vemos algumas pessoas que extrapolam até o limite dos “apóstolos” – é o que a autora Barbara Carrol chama de brandlovers ou fanboys.

Segundo ela, esses brandlovers são aquelas pessoas que têm um forte vínculo emocional com uma marca, produto ou local".

Elas podem ser tão aficionadas por certas marcas que não suportam ouvir críticas ou opiniões contrárias. Enfim, são consumidores extremamente leais. E onde tais teorias se ligam a estes comportamentos políticos mais radicais?

Aqui está o “pulo do gato”. Outro conceito que temos no marketing é que “produtos” não são apenas bens físicos. Tanto é que locais, organizações, ideias e até pessoas podem ser consideradas “produtos”, sendo possível usar estratégias de marketing para “vendê-los”.

No caso de pessoas, podemos citar como exemplo atletas, celebridades e políticos que sempre precisam “vender” sua imagem, logo são “produtos” também.

As teorias, então, ligam-se umas às outras perfeitamente! Políticos são um tipo de “produto” que utilizam estratégias de marketing para evidenciar sua “marca”.

Alguns consumidores (no caso cidadãos/eleitores) “consomem” estas marcas e acabam se tornando tão leais que a defendem (no caso o político) com todas suas forças, não aceitando críticas, não enxergando falhas — ou seja, com um forte vínculo emocional tornando-se “apóstolos”, “fanboys” ou “brandlovers”.

Enfim, realmente comprova-se que o marketing e suas estratégias devem ser empregados em vários setores, inclusive o político.

Sempre esperando que ele seja utilizado da melhor forma possível enaltecendo e comunicando “produtos” que realmente sejam bons, tenham qualidade.

Porém, infelizmente, como em todas as profissões, temos bons e maus profissionais, assim como bons e maus “produtos”.

Faça a reflexão: será que você se tornou um “brand lover”, um “apóstolo”, sem perceber? Será que a “marca/produto”, objeto do seu amor, é realmente “de qualidade”? Vale a pena tamanha dedicação?

* Shirlei Miranda Camargo é tutora do Curso de Gestão Comercial do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Página 1 Comunicação



Mesmo com crise econômica e sanitária, bancos não abrem mão do aumento em tarifas

Estudo do Idec aponta que, em meio à pandemia de covid-19, qualidade de serviços piorou e houve alta migração de consumidores para bancos digitais.

Mesmo com crise econômica e sanitária, bancos não abrem mão do aumento em tarifas

Renda passiva com investimentos: como fazer o seu dinheiro render mais

A renda passiva é uma forma de você fazer com que o seu dinheiro esteja sempre rendendo.


Comércio cresce 1,2% em julho e atinge patamar recorde

Trata-se da quarta alta consecutiva do indicador.

Comércio cresce 1,2% em julho e atinge patamar recorde

Pets em condomínios comerciais

Muitas pessoas já descobriam que ter um animal é ter um companheiro de verdade, além ser um excelente meio de afastar a solidão.

Pets em condomínios comerciais

Poupança tem retirada líquida de R$ 5,467 bilhões em agosto

Em 2021, a poupança acumula retirada líquida de R$ 15,629 bilhões.

Poupança tem retirada líquida de R$ 5,467 bilhões em agosto

Fusões & Aquisições batem recorde de negócios no Brasil

Especialista analisa o bom momento do setor. Confira a entrevista!

Fusões & Aquisições batem recorde de negócios no Brasil

Empreendedorismo por meio de microfranquias é a oportunidade de crescimento do país

Quantas vezes, na escola, se estudou sobre finanças, administração ou marketing?

Empreendedorismo por meio de microfranquias é a oportunidade de crescimento do país

Docol anuncia construção de nova fábrica em MG

No seu aniversário de 65 anos, a empresa catarinense, anuncia plano de expansão de R$ 500 milhões em louças e metais sanitários.


Receita adia para 30 de setembro prazo de regularização do MEI

Data limite para não entrar na dívida ativa acabaria nesta terça-feira

Receita adia para 30 de setembro prazo de regularização do MEI

Sebrae Minas e BDMG oferecerão linhas de crédito para micro e pequenas empresas

Parceria inédita vai facilitar acesso a crédito a empreendedores mineiros.

Sebrae Minas e BDMG oferecerão linhas de crédito para micro e pequenas empresas

Percepção de valor pelo cliente. E será que cliente sabe o que ele quer?

Quanto vale a satisfação de um sonho realizado, uma experiência bem vivida, ou a cura de uma dor física ou emocional.

Percepção de valor pelo cliente. E será que cliente sabe o que ele quer?

Brasil cria 316 mil postos de trabalho formal em julho

País registra saldo positivo de 1.848.304 empregos gerados em 2021.

Brasil cria 316 mil postos de trabalho formal em julho