Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Seu produto é bom, mas não vende? O problema pode ter solução!

Seu produto é bom, mas não vende? O problema pode ter solução!

25/06/2022 Luiz Antunes

A qualidade do produto continua sendo muito importante, mas não um diferencial.

Seu produto é bom, mas não vende? O problema pode ter solução!

Ter um bom produto é o básico, o mínimo a oferecer. O marketing segue sendo muito importante. Mas não é só isso que garante as vendas.

Imagine que você tem uma indústria especializada na fabricação de ração animal. O local é impecável, muito bem estruturado. Os produtos ofertados são de qualidade reconhecida. Há um trabalho ostensivo nas redes sociais. Mas... os resultados não são os melhores. As pessoas não estão se interessando. Você não consegue entender: “deve ser a concorrência”; “talvez seja o ponto de venda”; “será que é o meu preço que não é competitivo?”

Dei exemplo de uma indústria de ração, mas também poderia ser uma fábrica de cosméticos. Nela pode ocorrer algo parecido. A variedade de produtos é bem ampla, assim como a qualidade. O preço é bastante acessível e o atendimento é bem preparado. Tudo muito bem estruturado! Só não vende como se esperava.

A verdade é que esses dilemas são mais comuns do que você pode imaginar. Todos os dias o mercado tem exemplos assim. Se tudo parece tão certo, o que pode estar dando errado? Antes de tudo, é preciso fazer uma autocrítica e reconhecer que não está tudo certo. Há um ruído nesse modelo de gestão. Produtos que são tão bons para as pessoas deveriam atraí-las, mas isso simplesmente não acontece. É preciso então mudar alguma coisa. Eis a pergunta: ‘mudar o quê?’.

Para responder a essa questão, é preciso lembrar que as marcas – e os consumidores – evoluíram. Até os anos 80, bastava ter um bom produto em oferta para garantir o faturamento. As empresas tentavam vencer seus concorrentes através da performance do produto, das características técnicas que cada uma oferecia. O cliente era atraído puramente por aquele de melhor desempenho.

Entre os anos 90 e 2000, a disputa pela maior fatia do mercado direcionou-se para o campo da comunicação. Foram injeções vultosas de dinheiro em planos de marketing e comerciais na televisão e no rádio. Não bastava mais, nem às marcas nem aos consumidores, ter só um bom produto. A visibilidade passou a ser igualmente essencial. Foi nessa época que nos habituamos a ouvir a máxima de que “quem não é visto não é lembrado”. Quem não se lembra?

Depois de 2010, com as redes sociais já consolidadas, as empresas sentiram que essa comunicação deveria ser aprimorada. Todos os usuários tornaram-se comunicadores, e o desafio passou a ser atrair a atenção deles. “Interação” e “conexão” são os mantras que as marcas perseguem hoje. A busca não é mais pela venda de um produto ou serviço, mas de criar um relacionamento com o público.

O que mudou então? A qualidade do produto continua sendo muito importante, mas não um diferencial. Ter um bom produto é o básico, o mínimo a oferecer. O marketing segue sendo muito importante. Mas não é só isso que garante as vendas. A conexão com o público é fundamental. Mas só ela não é capaz de fidelizar as pessoas. O ponto, enfim, é que agora as estratégias são plurais.

“Hoje só sobrevive no mercado quem tem a capacidade de entregar o que o cliente realmente valoriza. O problema é que muitas vezes fazemos o que manda a cartilha, mas ainda não nos tornamos realmente relevantes, não chegamos lá, estamos somente entregando o básico, o mínimo. O algo a mais é o que marca. A marca sempre foi o mais importante, e agora mais do que nunca. O produto, o relacionamento com o público, a logística, o setor de TI, os serviços oferecidos... Tudo deve convergir para gerar ações que vão ao encontro das necessidades do cliente, alcançando aquilo que ele valoriza. E isso faz com que a marca esteja no centro da gestão, gerando resultados positivos para a empresa e, principalmente, a fidelização do cliente.

É isso que ajuda a responder a todas as perguntas feitas lá no início. Se a empresa tem tudo, mas não vende ou vende sem valor agregado, é porque em algum momento do processo a marca não é suficientemente atraente para as pessoas. Somente quando toda a empresa consegue caminhar no mesmo fluxo e oferecer experiências positivas de ponta a ponta é que a virada de chave acontece. A estratégia consiste, portanto, em pensar o todo, não em perguntas fragmentadas. A atração precisa estar em todos os lugares, o tempo todo.

* Luiz Antunes, diretor de estratégia da 2DA Negócios e Territórios, empresa com grande experiência em estratégias de posicionamento de marcas e no fortalecimento de lideranças.

Para mais informações sobre Marketing clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Mercado infantil tem projeções de crescimento para os próximos cinco anos

Ramo de franquias no setor registra alta tanto em faturamento quanto em número de unidades.

Mercado infantil tem projeções de crescimento para os próximos cinco anos

Empresas poderão renegociar dívidas com o Fisco com 70% de desconto

Portaria estende à Receita Federal a modalidade de renegociação chamada de transação tributária.

Empresas poderão renegociar dívidas com o Fisco com 70% de desconto

Gestão de custos e planejamento a longo prazo

Gestão de custos é o processo de planejar e controlar efetivamente os custos envolvidos em um negócio.

Gestão de custos e planejamento a longo prazo

Salário mínimo pode ser de R$ 1.294 em 2023

Se o valor for confirmado, vai ser o quarto ano seguido sem reajuste real.

Salário mínimo pode ser de R$ 1.294 em 2023

CNC prevê alta de 5,3% nas vendas para o Dia dos Pais

Estimativa é criar 18,5 mil vagas temporárias.

CNC prevê alta de 5,3% nas vendas para o Dia dos Pais

Confiança dos pequenos negócios cai em julho

Comércio foi o setor mais confiante e serviços foi o que apresentou menor confiança.

Confiança dos pequenos negócios cai em julho

Arquivei marca presença em grande evento de contabilidade em BH

Coordenadoras da empresa participam de palestra sobre visões estratégicas que podem gerar economia no setor contábil.


Pequenos negócios geram 72% das vagas de emprego no primeiro semestre

Micro e pequenas empresas criam 961 mil postos no período no país.


Quatro principais desafios de vendas para superar até 2023

À medida que o mundo volta a alguma normalidade, começamos a perceber também que a forma de vender mudou fundamentalmente em comparação com os tempos pré-pandemia.

Quatro principais desafios de vendas para superar até 2023

MEI poderá emitir nota fiscal de serviço no Portal do Simples Nacional

Mais de 13 milhões de empreendedores devem ser beneficiados.

MEI poderá emitir nota fiscal de serviço no Portal do Simples Nacional

Mais de 70% dos empresários mineiros estão otimistas com o 2º semestre de 2022

Primeiro semestre do ano teve aumento de 51,9% nas vendas em relação a 2021.

Mais de 70% dos empresários mineiros estão otimistas com o 2º semestre de 2022

Como o “jeito fintech” de fazer negócios tem possibilitado o surgimento de novas empresas

Quem já se aventurou no empreendedorismo ou está fazendo isso agora sabe o quanto é difícil se destacar em um ambiente extremamente competitivo.

Como o “jeito fintech” de fazer negócios tem possibilitado o surgimento de novas empresas