Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Startup Pegaki conecta e-commerces a pontos de venda e resolve problema de entrega

Startup Pegaki conecta e-commerces a pontos de venda e resolve problema de entrega

14/09/2019 ronilda

Ao invés de esperar encomendas pelo correio, consumidores podem retirá-las pessoalmente em unidades de empresas que atraem clientes para seu ponto de venda.

Você compra um produto em um e-commerce, mas nunca recebe. Vai checar e descobre que, na verdade, o portador tentou entregar, mas não conseguiu: não tinha ninguém em casa, o prédio não tem porteiro ou, se tem, ele não está autorizado a receber encomendas. Isso sem falar nas já tradicionais greves dos Correios. Essas situações são corriqueiras e geram um prejuízo para todos os envolvidos: o cliente fica sem o produto e acha que a culpa é da empresa que, além de sofrer dano à reputação, ainda tem de lidar com o prejuízo financeiro do armazenamento e reenvio. 

Agora imagine se o e-commerce pudesse deixar sua compra em uma empresa ou comércio confiável e perto de você, tipo um posto de gasolina, um hotel, um supermercado, uma lavanderia, uma padaria? Aí você passaria lá para retirar no horário comercial deles, muito mais flexível que o dos Correios. É essa solução proposta pela rede de pontos de retirada Pegaki. A empresa já conta com mais de 700 pontos ativos e mais de mil em fase final de aprovação em São Paulo, Rio de Janeiro, Dalvador, Brasília, Belo Horizonte, Campo Grande, Cuiabá e Curitiba. Ao todo já foram mais de 50 mil produtos entregues.

De acordo com o CEO de fundador da Pegaki, João Cristofolini, a demanda pela solução está altíssima, nas três pontas: consumidores, e-commerces e pontos de venda. “Por uma questão logística, nosso primeiro alvo é o e-commerce. Ele precisa saber que temos uma solução para ele. Em seguida, o conectamos com os pontos de retirada, para os quais são oferecidos um pacote de benefícios e total segurança. Aí temos condição de atender o consumidor, que é o objetivo final da operação. Essa é uma solução simples, bem mais eficiente e que vem agradando todos os agentes envolvidos, não só aqui, mas ao redor do mundo. Diante disso, a perspectiva é de crescimento exponencial, sem dúvida”, afirma.

Alguns indicadores revelam o tamanho desse mercado. No Brasil, grandes redes iniciaram 2018 apostando no modelo de retirada em ponto como alternativa de entrega e diferencial para o cliente. Por aqui, 20% das empresas que contam com e-commerce e loja física já oferecem retirada na loja física. Lá fora, o mercado é ainda maior: só em 2017, Europa, EUA e China somaram cerca de 40 mil pontos de retirada, média de 300 mil pacotes por dia, o que equivale à 40% de todas as compras online. “Tratam-se de números absolutamente significativos e que revelam a tendência irreversível do modelo agora proposto no Brasil pela Pegaki”, pontua Cristofolini.

Benefícios para o comércio

Os benefícios da Pegaki são até intuitivos para o e-commerce, que resolve seu problema de entrega, e para o consumidor, que ganhou uma forma mais conveniente de buscar seu produto. Mas quais são as vantagens para os pontos de venda, que ficarão responsáveis pelo armazenamento dos produtos?

“Dois pontos são muito levantados pelos lojistas: segurança e logística. Primeiramente, todas as encomendas são seguradas, o ponto de venda está absolutamente protegido. Além disso, é a Pegaki conta com uma rede de transportadoras parceiras que enviam o produto até o estabelecimento escolhido e avisa o cliente assim que mercadoria chegar”, esclarece João.

Acerca das vantagens, o executivo informa que, em média, 30% dos clientes que passam no ponto para retirar suas encomendas, acabam comprando algum produto na loja. “A Pegaki rentabiliza um espaço físico ocioso e leva novos potenciais clientes para dentro da loja todo mês. Certamente é uma alternativa inteligente não só para o e-commerce e o consumidor, como também para o ponto de venda”, finaliza.

Para o pequeno e-commerce

O e-commerce que realiza até vinte vendas por dia dependia exclusivamente dos Correios. Basicamente, após realizar a venda, o pequeno empreendedor leva o produto até uma agência dos Correios para entregar o produto para o cliente final. Nem o serviço de coleta da própria estatal nem de transportadoras está disponível para esse perfil dado o volume baixo. Só que os Correios apresentam diversos problemas já conhecidos, como o horário de funcionamento extremamente reduzido das agências, greves constantes, insucesso de entregas, entre outros.

Atenta a este gap do mercado, a startup Pegaki criou um modelo logístico para sanar esse problema: trata-se do serviço drop off points. Na prática, ao invés de levar seu produto até uma agência dos Correios, o pequeno empreendedor vai se dirigir a um dos pontos de retirada/coleta da Pegaki e deixar sua encomenda. Aí, após consolidar um volume de entregas no ponto, uma das transportadoras parceiras passa no local, retira as compras e entrega na casa do cliente final. Dessa maneira, o empreendedor vai poder deixar suas encomendas em um local com horário mais flexível e passar a contar com uma grande transportadora, um sonho antigo do setor. Inicialmente, a solução está disponível apenas para a cidade de São Paulo, mas a ideia é expandir. E-commerces interessados em se cadastrar na solução devem acessar http://pontoderetirada.pegaki.com.br/pontodecoleta.

Fonte: edbcomunicação



Pesquisa mostra consumo mais consciente e compromisso com a sustentabilidade

61% dos consumidores esperam que as marcas que compram tenham práticas claras de sustentabilidade.


Coronavírus provoca a maior queda da história na intenção de consumo das famílias

ICF cai 13,1% em segunda retração mensal consecutiva e atinge menor nível desde novembro de 2017.

Coronavírus provoca a maior queda da história na intenção de consumo das famílias

A hipótese das três crises

Ao colocar as pessoas em isolamento social, a pandemia do coronavírus gerou uma crise múltipla.


Shopping Centers – O desafio da reinvenção

Há a necessidade de ir mais além, mergulhar no íntimo do conhecimento do nosso cliente, usar definitivamente o que se aprendeu nos bancos da universidade - a antropologia do consumo, o atendimento personalizado, ir além.


Produtores do Cerrado fazem primeira venda coletiva de queijo minas artesanal

Produtores da Aprocer comercializam 450 quilos de queijo a um valor superior ao que vinha sendo negociado regionalmente.

Produtores do Cerrado fazem primeira venda coletiva de queijo minas artesanal

Com a pandemia, 11% dos pequenos negócios mineiros tiveram que demitir

Pesquisa do Sebrae mostra que a flexibilização temporária das regras trabalhistas dá fôlego aos pequenos negócios para atravessarem a crise.

Com a pandemia, 11% dos pequenos negócios mineiros tiveram que demitir


O engajamento dos colaboradores em um mundo colocado à força em home office

A pandemia causada pelo novo coronavírus obrigou empresas de todo o mundo a adaptarem suas rotinas e métodos de trabalho, adotando o home office como resposta imediata à evolução da Covid-19.


Retomada econômica com cautela é defendida pela FIEMG

Federação acredita que a retomada deve ser customizada para cada região do estado


A crise e suas oportunidades

A partir dos dados da B3, é possível observar um movimento extremamente curioso no mercado financeiro.


Acomodando-se para a longa viagem: trabalhando de casa com segurança

Na última década, vimos um tremendo aumento de trabalhadores remotos - tanto autônomos quanto colaboradores e executivos.


Empreendedor, o herói necessário

A recessão econômica que iniciada neste primeiro semestre de 2020 será uma das mais graves dos últimos tempos.

Empreendedor, o herói necessário