Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Toyota do Brasil testa a Nota Fiscal Eletrônica

Toyota do Brasil testa a Nota Fiscal Eletrônica

20/09/2006 Divulgação

A Toyota do Brasil está se preparando para adotar o modelo de emissão eletrônica de suas notas fiscais. O projeto está em fase de teste por isso a empresa está operando com o método tradicional e o eletrônico.  Mas o objetivo da montadora é a partir de outubro emitir parte dos seus documentos somente no novo sistema. Nesta primeira fase, a Toyota investiu em segurança e adquiriu o hardware Net D-Fence, da True Access, que assina e armazena o certificado digital, garantindo o sigilo das informações.

A montadora foi uma das empresas escolhidas para participar do projeto piloto do governo, que conta com o envolvimento de 19 companhias e é conduzido pelas Secretarias da Fazenda de São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Maranhão, Goiás e Bahia, em conjunto com a Secretaria da Receita Federal.

Mensalmente são emitidos pela Toyota cerca 60 mil notas fiscais em papel. A adoção da nota fiscal eletônica será gradual, não abrangendo o volume total das notas emitidas atualmente, para que seja possível realizar testes e verificar as implicações comerciais e as possíveis dificuldades.  "Escolhemos uma fração de emissões do faturamento de veículos, para iniciarmos as operações com o modelo de emissão eletrônica", explica Rodolfo Cotta, chefe do departamento de faturamento e cobrança da Toyota.


Segundo o executivo, a nota fiscal eletrônica trará também a possibilidade de substituição do processo atual de EDI (troca de informações entre as empresas), que poderá ser feito no futuro com as ferramentas do B2B. Além disso, agilizará procedimentos no processo de exportação e importação. Para Cotta, mesmo que seja difícil mensurar a redução de custos com a adoção da nota fiscal eletrônica, a expectativa é, em médio prazo, eliminar gastos com operações acessórias (tempo de transação das operações, contabilização de informações, armazenamento físico dos documentos e papel).

"O novo modelo fiscal demanda um grau elevado de segurança, que deve estar aliado ao bom desempenho. Uma das etapas mais importantes na adoção da nota fiscal eletrônica é a compra do equipamento responsável pela segurança dos dados", afirma o executivo. Para garantir a segurança das suas informações, foi adotado a solução Net D-Fence. O equipamento supera o SmartCard - outra opção para emitir notas fiscais - chegando a ser 100 vezes mais rápido.


Além de segurança, os investimentos da Toyota para implantar a nota fiscal eletrônica também envolveram os custos com: analistas internos e a associação com um provedor para a implantação da interface entre a montadora e a Secretaria de Fazenda. O retorno do capital investido acontecerá de forma gradativa, à medida que o sistema seja expandido, comenta o Cotta.

A decisão de participar do projeto piloto aconteceu porque a Toyota acredita na importância da informatização do processo de emissões de notas fiscais na desburocratização do atual sistema. Além disto, existe a necessidade de aperfeiçoamento dos controles fiscais vigentes. Isto trará resultado direto em ganhos com reduções dos atuais custos operacionais e de transações, gerando benefícios para toda a sociedade, através do combate mais eficiente da sonegação.

Cotta também elogia a forma profissional, transparente e eficiente com que está sendo conduzido todo este processo pelo Grupo Gestor da Nota Fiscal Eletrônica, formado pelos Estados que participam do projeto piloto e pela Secretaria da Receita Federal.

Fonte: Singular Comunicação 

 



Nível de confiança dos pequenos negócios mineiros cai em setembro

Microempreendedores apresentaram o menor índice de confiança no mês e Indústria tem a pior variação em relação a agosto.

Nível de confiança dos pequenos negócios mineiros cai em setembro

Qual o real papel das empresas?

Convido você a fazer uma reflexão sobre o tema proposto neste artigo: será a geração de lucro o real papel das empresas?

Qual o real papel das empresas?

Novo fôlego para o empresariado

As micro e pequenas empresas brasileiras chegaram perto de entrar em colapso com o início da pandemia, em março do ano passado.


Trabalho presencial: quando e como será possível?

A volta, ou não, do trabalho presencial é um dos principais temas nas instâncias diretivas das grandes empresas brasileiras.

Trabalho presencial: quando e como será possível?

Modelo híbrido é alternativa ao home office? Pela legislação não é bem assim

É preciso cuidado, pois o que se tem dentro da legislação é que esse pode ficar em até 25% da carga horária em home office.

Modelo híbrido é alternativa ao home office? Pela legislação não é bem assim

Tecnologia, home office e a transformação do mercado imobiliário

A tecnologia é uma grande aliada e uma ferramenta cada vez mais fundamental para o mercado imobiliário.

Tecnologia, home office e a transformação do mercado imobiliário

Impostômetro chega à marca de R$ 2 trilhões

Em 2020, a marca foi atingida em 22 de dezembro, informa associação de SP.

Impostômetro chega à marca de R$ 2 trilhões

Setor de food service deve movimentar R$ 167 bilhões em 2021

Enfraquecido pela pandemia, segmento de food service deve estar preparado para o boom das operações, que se dará em 2022.

Setor de food service deve movimentar R$ 167 bilhões em 2021

CNC estima faturamento recorde do varejo para o Dia das Crianças

A data é a terceira mais importante depois do Natal e do Dia das Mães.

CNC estima faturamento recorde do varejo para o Dia das Crianças

Serasa mostra que empresas pagam 51% das dívidas em até 60 dias

Dívidas recentes são recuperadas em maior número que antigas.

Serasa mostra que empresas pagam 51% das dívidas em até 60 dias

4 dicas de decoração e arquitetura para escritórios

Há tempos que o local de trabalho deixou de ser um ambiente sem graça.

4 dicas de decoração e arquitetura para escritórios

Maioria de postos de trabalho foi criada por micro e pequena empresas

No acumulado do ano, as micro e pequenas empresas foram responsáveis por aproximadamente 70% dos postos de trabalho gerados no país.

Maioria de postos de trabalho foi criada por micro e pequena empresas