Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Filmes Soviéticos Década 1920

Filmes Soviéticos Década 1920

21/12/2017 Guido Bilharinho

Um poema imagético como nunca se fez e talvez nunca se fará igual.

O Encouraço Potemkin

A Arte da Imagem

Antonioni afirmou que sua pretensão era escrever com a câmera (Fernando de Barros, “Michelangelo Antonioni Fala: Eu Ainda Escreverei Com a Câmera”, in revista Cláudia, 1964).

Contudo, antes dele, em O Encouraçado Potemkin (Bronenosets Potemkin, U.R.S.S., 1925), Sergei Eisenstein (1898-1948), já o fizera. E tanto e tão bem, que o filme dispensa até mesmo as legendas, bastando, não para entendimento do espectador, mas, para sua informação, que se situassem os acontecimentos - verídicos - em tempo e espaço num texto de não mais de meia página no início do filme.

Tudo o mais é e seria dispensável porque as imagens, sua combinação e sucessividade falam por si, exprimindo verdade e significado.

Não é apenas a montagem que infunde vigor, energia e tom epopeicos ao filme, dos mesmos teor e intensidade ocorrentes na Ilíada. Tudo o faz. A montagem é seleção, junção e ordenamento das imagens. Em O Encouraçado Potemkin, antes dela, existem as imagens, que falam, mais do que mostram, por si mesmas. Pela beleza resultante de sua qualidade intrínseca, enquadramento, angulação e conteúdo. Pouco ou nada adiantariam os três primeiros atributos se não refletissem, na captação técnico-estética procedida, análogas propriedades em posicionamento, direção e interpretação (expressões fisionômicas e gestuação) dos atores e figurantes.

Num filme em que tudo excede a perfeição, as tomadas e imagens encerram, isoladamente ou em seu conjunto, a máxima possibilidade estética que se lhes pode infundir e extrair. Tudo é antológico. Não há meio termo. Um poema imagético como nunca se fez e talvez nunca se fará igual. Nem em A Paixão de Joana D’Arc (La Passion de Jeanne d’Arc, França, 1928), de Carl Theodor Dreyer, filme que em tudo o mais se lhe aproxima e cuja grandeza estética e cinematográfica Jorge Luís Borges não percebeu (ver “La Fuga”, in Borges em /e/Sobre Cinema, organizado por Edgardo Cozarinsky. São Paulo, Iluminuras, 2000, p.67), e ao qual Evaldo Coutinho opõe improcedentes restrições formais (in A Imagem Autônoma. São Paulo, Editora Perspectiva, 1996, p.39).

A sucessão fática constitui o que de mais seletivo e concentrado existe, transfundindo e fundindo, num só corpo, conteúdo e forma, tema e modo.

O encadeamento sequencial dos acontecimentos percorre a ordem cronológica, mas, é de seu cerne que é feito o filme. O descontentamento e posterior revolta da marinhagem procedem-se internamente, como nebulosa que paulatinamente adquire consistência e forma, não sendo esta apenas sua exteriorização ou expressão, mas, seu próprio ser, como quer Fielding com a arte. Consolidada, a insatisfação apresenta grau superior de conhecimento da realidade, desencadeando-se face às violentas imposições superiores. Essa conscientização materializa-se em revolta, que, por sua vez, conduz a patamar mais alto de compreensão e percepção dos fatos.

A receptividade manifestada pelo povo de Odessa, onde o encouraçado revoltoso atraca, confere à circunstância dimensão que lhe transmite não apenas adição de apoiadores, mas, novos e mais amplos conteúdo e natureza.

Se o episódio da escadaria de Odessa é, em arte e não apenas em cinema, inexcedível, representando epopeia às avessas, já que derrota do povo e não vitória de um herói, o que nele se fez - e passa a existir - é nova visão da História, em que o povo, mesmo ou até por isso mesmo esmagado, converte-se de objeto em sujeito, porque não é o resultado da ação que tem validade e encerra significado, mas, a própria ação, desde que seja libertária e processada coletivamente. Nada existe mais importante do que isso: a permanente luta pela liberdade, igualdade e respeito humano. A evolução histórica, desde seus primórdios, após vencida a etapa inicial de sobrevivência e adaptação da espécie ao cosmo, não é mais do que a busca desses objetivos.

A cena final constitui abertura para o futuro e o infinito, dizendo, em imagens, que a ação daqueles marinheiros não foi em vão. Como também a ação no mesmo sentido de qualquer indivíduo ou grupos de indivíduos. Ao contrário, somando-se, conduzem e transformam a sociedade.

O Encouraçado Potemkin é síntese de fundo e forma, verdade e realidade, ação e liberdade, vontade e vitória, humanismo e arte. No mais alto grau de concepção e realização. É a beleza da imagem. Da imagem que fala e significa. Da imagem discurso, mas, antes de tudo, da imagem visão.
Se o cinema é a arte da imagem em movimento, O Encouraçado é a arte da imagem. Não é apenas o melhor filme do cinema. É cinema. O que a maioria dos filmes nega pelo menos três vezes, como são Pedro a Cristo, na intenção, na concepção e na realização.

(do livro Clássicos do Cinema Mudo. Uberaba, Instituto Triangulino de Cultura, 2003)

* Guido Bilharinho é advogado atuante em Uberaba, editor da revista internacional de poesia Dimensão de 1980 a 2000 (https://revistadepoesiadimensao.blogspot.com.br) e autor de livros de literatura, cinema e história do Brasil e regional, publicando desde setembro último um livro por mês no blog https://guidobilharinho.blogspot.com.br.



Livro aborda educação infantil atual com foco no ‘combate à dispersão’

Fabiano de Abreu lança seu oitavo livro visando uma nova ‘Filosofia na Educação Infantil’.

Livro aborda educação infantil atual com foco no ‘combate à dispersão’

China celebrará aniversário com remix de “Garota de Ipanema”

Concerto gravado ao vivo será televisionado no Brasil dia 3 de outubro, às 20h, pelo canal Music Box Brazil.

China celebrará aniversário com remix de “Garota de Ipanema”

Livro retrata as alegrias e tristezas da Princesa Isabel

Historiadores analisam textos autobiográficos da Princesa Isabel e reúnem 20 anos de pesquisa em maior obra já publicada sobre a personagem.

Livro retrata as alegrias e tristezas da Princesa Isabel

Talk show Metal Headz TV estreia com Andreas Kisser e Renan Zonta

Com uma pegada de late show, o Metal Headz TV destaca assuntos do mundo do rock/metal.


14ª CineBH recebe inscrições de filmes para a Mostra “A Cidade em Movimento”

Mostra CineBH está prevista para ser realizada de 22 a 27 de outubro de 2020.

14ª CineBH recebe inscrições de filmes para a Mostra “A Cidade em Movimento”

Dilsinho e Sorriso Maroto JUNTOS em show drive-in

Artistas se apresentam na sexta-feira (11) no Rio de Janeiro/RJ.

Dilsinho e Sorriso Maroto JUNTOS em show drive-in

Os melhores filmes de Leonardo DiCaprio e onde assisti-los

Sendo tão importante em Hollywood, ele já participou de muitas produções. Com isso, fica até difícil para os mais apaixonados por cinema saber por onde começar para visitar a filmografia do ator.

Os melhores filmes de Leonardo DiCaprio e onde assisti-los

Livro faz reflexão surpreendente de como encaramos as situações da vida

E-book "Mindset" é destaque de leitura no aplicativo Skeelo.


Hungria Hip Hop libera clipe de “Hoje ela já chorou”

Canção, que faz parte do projeto "Cheiro do Mato", está disponível nos principais aplicativos de música.

Hungria Hip Hop libera clipe de “Hoje ela já chorou”

Drive-In das Américas apresenta a temporada Classic Rock

Bandas que interpretam grandes sucessos do rock and roll mundial aterrizam no Espaço das Américas, de 05 de setembro a 10 de outubro.

Drive-In das Américas apresenta a temporada Classic Rock

Titãs lança nova versão de “Pra Dizer Adeus”

Música faz parte do terceiro EP do projeto Titãs Trio Acústico.

Titãs lança nova versão de “Pra Dizer Adeus”

Marcos e Belutti lançam nova música com participação de Jorge e Mateus

“Tudo Indica” chega para completar o álbum e estará disponível nas plataformas digitais no dia 10/09.

Marcos e Belutti lançam nova música com participação de Jorge e Mateus