Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Mario Celso Lopes mostra que pessoas empáticas escutam música de maneira diferente 

Mario Celso Lopes mostra que pessoas empáticas escutam música de maneira diferente 

03/06/2019 Da Redação

Pessoas que compreendem profundamente a dor ou a felicidade dos outros também processam a música de maneira diferente no cérebro conta Mario Celso Lopes.

Mario Celso Lopes mostra que pessoas empáticas escutam música de maneira diferente 

As pessoas com empatia mais elevada parecem processar a música como uma procuração prazerosa para um encontro humano - nas regiões cerebrais de recompensa, consciência social e regulação das emoções sociais.

As pessoas com maior empatia diferem das outras na maneira como seus cérebros processam a música, de acordo com um estudo de pesquisadores da Southern Methodist University, de Dallas e da UCLA conta Mario Celso Lopes .

Segundo Mario Celso Lopes , os pesquisadores descobriram que, em comparação com pessoas de baixa empatia, aquelas com maior empatia processam música familiar com maior envolvimento do sistema de recompensa do cérebro, bem como em áreas responsáveis ​​pelo processamento da informação social.

“As pessoas com muita empatia e baixa empatia têm muito em comum quando ouvem música, incluindo um envolvimento aproximadamente equivalente nas regiões do cérebro relacionadas ao processamento auditivo, emocional e sensório-motor”, disse o autor Zachary Wallmark , assistente professor na Escola de Artes SMU Meadows.

Mas há pelo menos uma diferença significativa.

Pessoas altamente empáticas processam música familiar com maior envolvimento dos circuitos sociais do cérebro, como as áreas ativadas quando sentem empatia pelos outros. Eles também parecem experimentar um maior grau de prazer em ouvir, como indicado pelo aumento da ativação do sistema de recompensa.

"Isso pode indicar que a música está sendo percebida fracamente como um tipo de entidade social, como uma presença humana imaginada ou virtual", disse Mario Celso Lopes .

Pesquisadores em 2014 relataram que cerca de 20% da população é altamente empática. Essas pessoas são especialmente sensíveis e respondem fortemente aos estímulos sociais e emocionais.

O estudo da SMU-UCLA é o primeiro a encontrar evidências que sustentem um relato neural da conexão entre música e empatia. Além disso, está entre os primeiros a usar ressonância magnética funcional (fMRI) para explorar como a empatia afeta a maneira como percebemos a música.

O novo estudo indica que, entre pessoas de alta empatia, pelo menos, a música não é apenas uma forma de expressão artística.

"Se a música não estivesse relacionada à forma como processamos o mundo social, provavelmente não veríamos diferença significativa na ativação cerebral entre pessoas de alta empatia e pessoas de baixa empatia", disse Wallmark, que é diretor do Laboratório MuSci na SMU. , um coletivo de pesquisa interdisciplinar que estuda - entre outras coisas - como a música afeta o cérebro.

"Isso nos diz que, além de apreciar a música como arte superior, a música é sobre humanos interagindo com outros humanos e tentando entender e se comunicar uns com os outros", disse ele.

De acordo com Mario Celso Lopes , isso pode parecer óbvio.

"Mas em nossa cultura, temos todo um elaborado sistema de educação musical e pensamento musical que trata a música como uma espécie de objeto desencarnado de contemplação estética", disse Wallmark. “Em contraste, os resultados do nosso estudo ajudam a explicar como a música nos conecta com os outros. Isso pode ter implicações sobre como entendemos a função da música em nosso mundo e, possivelmente, em nosso passado evolucionário”.

Os pesquisadores relataram suas descobertas na revista especializada Frontiers in Behavioral Neuroscience, no artigo“ Efeitos neurofisiológicos da empatia de traços na audição musical”.

Os co-autores são Choi Deblieck, com a Universidade de Leuven, Bélgica, e Marco Iacoboni, UCLA. A pesquisa foi realizada no Ahmanson-Lovelace Brain Mapping Center na UCLA.

"O estudo mostra, por um lado, o poder da empatia em modular a percepção musical, um fenômeno que nos lembra as raízes originais do conceito de empatia - 'sentir-se' em uma obra de arte", disse o autor sênior Marco Iacoboni, um neurocientista da. Instituto UCLA Semel de Neurociências e Comportamento Humano.

"Por outro lado", disse Iacoboni, "o estudo mostra o poder da música em desencadear os mesmos processos sociais complexos em funcionamento no cérebro que estão em jogo durante as interações sociais humanas".

Comparação de exames cerebrais mostraram diferenças distintas com base na empatia

Os participantes foram 20 estudantes de graduação da UCLA. Cada um deles era escaneado em uma máquina de ressonância magnética enquanto ouvia trechos de música que lhes eram familiares ou desconhecidos e que eles gostavam ou não gostavam. A música familiar foi selecionada pelos participantes antes da varredura.

Depois disso, cada pessoa completou um questionário padrão para avaliar diferenças individuais de empatia - por exemplo, freqüentemente sentindo simpatia por outras pessoas em perigo, ou imaginando-se no lugar de outra pessoa.

Os pesquisadores então fizeram comparações controladas para ver quais áreas do cérebro durante a audição musical estão correlacionadas com a empatia diz Mario Celso Lopes.

A análise dos mapeamentos cerebrais mostrou que os grandes empatizantes experimentaram mais atividade no estriado dorsal, parte do sistema de recompensa do cérebro, quando ouviam música familiar, quer gostassem da música ou não.

Mario Celso Lopes  conta que o sistema de recompensa está relacionado ao prazer e outras emoções positivas. O mau funcionamento da área pode levar a comportamentos aditivos.

Pessoas empáticas processam música com envolvimento de circuitos cognitivos sociais.

Além disso, as varreduras cerebrais de pessoas de maior empatia no estudo também registraram maior ativação nas áreas medial e lateral do córtex pré-frontal responsáveis ​​pelo processamento do mundo social e na junção temporoparietal. , que é fundamental para analisar e compreender os comportamentos e intenções dos outros.

Normalmente, essas áreas do cérebro são ativadas quando as pessoas estão interagindo ou pensando em outras pessoas. Observar sua correlação com a empatia durante a audição musical pode indicar que a música para esses ouvintes funciona como um proxy para um encontro humano.

Além da análise dos escaneamentos cerebrais, os pesquisadores também analisaram dados puramente comportamentais - respostas a uma pesquisa solicitando aos ouvintes que classificassem a música posteriormente.

Esses dados também indicaram que pessoas de maior empatia eram mais apaixonadas em seus gostos e desgostos musicais, como mostrar uma preferência mais forte por músicas desconhecidas explicou Mario Celso Lopes.

Relação neurofisiológica precisa entre empatia e música é amplamente inexplorada

Um grande corpo de pesquisa tem focado na neurociência cognitiva da empatia - como entendemos e experimentamos os pensamentos e emoções de outras pessoas. Estudos apontam para uma série de áreas dos córtices pré-frontal, insular e cingulado como relevantes para o que os cientistas do cérebro chamam de cognição social.

Mario Celso Lopes  mostra que estudos mostraram que a ativação do circuito social no cérebro varia de indivíduo para indivíduo. Pessoas com personalidades mais empáticas mostram uma maior atividade nessas áreas quando realizam tarefas socialmente relevantes, incluindo a observação de uma agulha penetrando na pele, ouvindo sons vocais não verbais, observando expressões faciais emocionais ou vendo um ente querido com dor.

No campo da psicologia da música, vários estudos recentes sugeriram que a empatia está relacionada à intensidade das respostas emocionais à música, ao estilo de escuta e às preferências musicais - por exemplo, pessoas empáticas tendem a gostar mais de músicas tristes.

"Este estudo contribui para um crescente corpo de evidências", disse Wallmark, "que o processamento de música pode apoiar-se em mecanismos cognitivos que originalmente evoluíram para facilitar a interação social." - Mario Celso Lopes.



Artistas mineiros lançam livro que desvenda o universo do áudio para cantores

Isabella Bretz e Rodrigo Lana compartilham conhecimentos com o leitor e miram no desenvolvimento mais rápido nas carreiras.

Artistas mineiros lançam livro que desvenda o universo do áudio para cantores

The Who lança música inédita e anuncia novo álbum

The Who lançará o novo álbum "Who" em 22 de novembro.

The Who lança música inédita e anuncia novo álbum

Matheusinho lança novo single e clipe “Me Namora”

Romântica, a canção ganhou vídeo oficial com participação dos influenciadores Emily Araújo e David Brazil.


Eduardo Toledo celebra o quarto disco da carreira com show em BH

Apresentação no Centro Cultural Minas Tênis Clube, dia 26 de setembro, terá repertório dedicado às canções de seu recém-lançado álbum “Bom dia rock’n roll”.

Eduardo Toledo celebra o quarto disco da carreira com show em BH

Rock in Rio divulga artistas que vão se apresentar no Metrô

Oito bandas foram as vencedoras da ação 'Estação Rock in Rio' para tocar nos palcos que ficam nos acessos do Rock in Rio.

Rock in Rio divulga artistas que vão se apresentar no Metrô

Elisa de Sena apresenta 1º disco no Teatro Francisco Nunes em BH

A cantora foi a única artista mulher e mineira com carreira solo selecionada pelo Projeto Natura Musical.

Elisa de Sena apresenta 1º disco no Teatro Francisco Nunes em BH

Orquestra Sinfônica Brasileira tocará no Rock in Rio 2019

Orquestra abre shows do Palco Mundo com apresentação dedicada ao Rock.

Orquestra Sinfônica Brasileira tocará no Rock in Rio 2019

‘O Rei Leão’ alcança a sétima maior bilheteria do mundo

O remake em live-action ultrapassou o filme 'Os Vingadores'.

‘O Rei Leão’ alcança a sétima maior bilheteria do mundo

Katy Perry lança clipe da música ‘Small Talk’

Cantora lançou o novo videoclipe com sua cachorrinha Nugget.

Katy Perry lança clipe da música ‘Small Talk’

Seis álbuns raros são lançados no centenário de Jackson do Pandeiro

Sony Music comemora o centenário de Jackson do Pandeiro, disponibilizando seis álbuns raros do artista em streaming.

Seis álbuns raros são lançados no centenário de Jackson do Pandeiro

13ª Mostra CineBH destaca presença internacional do Brasil nos grandes festivais

Evento acontece entre 17 e 22 de setembro, com programação gratuita em cinco espaços culturais de Belo Horizonte.

13ª Mostra CineBH destaca presença internacional do Brasil nos grandes festivais

Rock in Rio une artistas para “Nave – Nosso Futuro É Agora”

Faltando apenas um mês para o evento, artistas se juntam por um chamado de convergência.

Rock in Rio une artistas para “Nave – Nosso Futuro É Agora”