Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Comissão lança livro com nomes de torturadores da ditadura

Comissão lança livro com nomes de torturadores da ditadura

16/06/2014 Divulgação

Livro "Bagulhão: A Voz dos Presos Políticos Contra os Torturadores" traz nomes e codinomes de 233 torturadores do regime militar no país.

Uma carta escrita por presos políticos do Presídio Barro Branco, em São Paulo, em 1975, e que trazia nomes e codinomes de 233 torturadores do regime militar no país foi revista e virou um livro, lançado nesta segunda-feira (16) na Assembleia Legislativa Paulista pela Comissão Estadual da Verdade de São Paulo.

O livro Bagulhão: A Voz dos Presos Políticos Contra os Torturadores traz a carta que foi enviada ao presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (na época) Caio Mário da Silva Pereira.

Segundo a comissão, foi a primeira denúncia pública de presos políticos sobre torturas e torturadores, embora outros documentos tenham sido elaborados na época e divulgados, mas de forma clandestina.

O nome Bagulhão se refere, segundo o ex-preso político Reinaldo Morano Filho, ao fato de o documento ganhar volume com o passar do tempo e também porque bagulho, na linguagem usada por quem estava preso, significava algo que os “presos temiam muito” ou algo perigoso.

O documento, segundo ele, começou a ser produzido pelos presos em 1969, de forma conjunta, e foi feito de forma sigilosa, para que os militares não tivessem conhecimento sobre ele. O primeiro nome da lista de torturadores é o do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, que comandou o Destacamento de Operações de Informações do Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi) de São Paulo.

O documento, explicou Morano Filho, consistia em um calhamaço de 28 folhas com as assinaturas de 35 presos. Além da identificação dos torturadores, o documento descrevia também os principais métodos e instrumentos de tortura que eram empregados pelos órgãos de repressão e as condições carcerárias.

O texto dessa carta foi encerrado pelos presos no dia 23 de outubro de 1975, mas ganhou um post-scriptum dois dias depois para incluir a notícia da morte, sob tortura, do jornalista Vladimir Herzog.

Morano Filho, que militava pela Ação Libertadora Nacional (ALN), ficou preso entre agosto de 1970 e março de 1977, em diversos presídios, entre eles, o de Barro Branco, o Tiradentes e no DOI-Codi. Ele foi um dos que assinou e elaborou o documento. “Como sobreviventes, nos colocamos como testemunhas de assassinatos e de perseguição política que se fazia naquele momento. Daí resultou nessa carta”, falou ele.

Para que o documento chegasse às mãos de Caio Mário, sem ser interceptada pelos militares, os presos decidiram por uma saída clandestina: eles montaram um compartimento no interior de uma garrafa térmica, entre as partes de vidro e de plástico da garrafa, onde o calhamaço foi alojado. A garrafa foi então usada para servir café aos advogados que visitariam seus clientes no presídio. Com isso, pelas mãos de um advogado, o documento chegou a Caio Mário. “E sem prejuízo do café”, disse Reinaldo Morano Filho.

A carta foi enviada ao dirigente da OAB porque, em agosto daquele ano, Caio Mário deu uma declaração ao jornal Folha de S.Paulo em que dizia que não tinha conhecimento de denúncias concretas de prisões irregulares e de arbitrariedades policiais e de que precisava de mais informações sobre o que estava ocorrendo no país.

De acordo com Morano Filho, quando o documento foi tornado público, ainda em 1975, nenhuma ação legal ou ação judicial o contestou. Nenhuma contestação ao documento ocorreu até hoje, ressaltou ele.

Fonte: Agência Brasil



A sabedoria ancestral do benzimento: um ato de amor e fé

Bióloga e terapeuta holística, Jacqueline Naylah apresenta no livro "Eu te Benzo" tudo sobre o dom de benzer e o poder desse ato perpetuado ao longo da história da humanidade.

A sabedoria ancestral do benzimento: um ato de amor e fé

Dia de Finados: O que significa e como é celebrado em diferentes culturas?

Para algumas nações a data remete à tristeza; para outras; alegria e orgulho à memória dos falecidos.


Redes sociais: a cultura do ódio

Livro 'Psicanálise e Pandemia' discute a polarização nas redes sociais e suas consequências no contexto atual.

Redes sociais: a cultura do ódio

Envolvente ‘Alucinações’ mistura romance com mistério

Livro de Júlia Roscoe aborda os sentimentos com delicadeza e nos transporta para o universo da personagem.


Livro aborda educação infantil atual com foco no ‘combate à dispersão’

Fabiano de Abreu lança seu oitavo livro visando uma nova ‘Filosofia na Educação Infantil’.

Livro aborda educação infantil atual com foco no ‘combate à dispersão’

Livro retrata as alegrias e tristezas da Princesa Isabel

Historiadores analisam textos autobiográficos da Princesa Isabel e reúnem 20 anos de pesquisa em maior obra já publicada sobre a personagem.

Livro retrata as alegrias e tristezas da Princesa Isabel

Livro faz reflexão surpreendente de como encaramos as situações da vida

E-book "Mindset" é destaque de leitura no aplicativo Skeelo.


3,8 milhões de brasileiros acreditam em almas gêmeas

Escritora Valéria Veiga discute o poder do livre arbítrio de almas gêmeas em autobiografia detalhista, íntima e profunda sobre amor incondicional.


Audiolivros: nova tendência que otimiza o tempo

Em um mercado que só cresce, produtora nacional de audiolivros se destaca com a promoção de cultura e conhecimento de maneira facilitada.

Audiolivros: nova tendência que otimiza o tempo

Romance mostra a força da prosa na literatura marginal e periférica

Romance é ambientado na região do Barreiro, na periferia de Belo Horizonte.


Literatura noir: conheça o gênero em lançamento nacional

Romance policial do carioca Gino Netto narra a trama de Marcondes, um brasileiro envolvido em conspirações e projetos secretos.

Literatura noir: conheça o gênero em lançamento nacional

Escritora foge da Espanha e lança livro sobre violência doméstica

'40 antes dos 40 – Um passaporte salvou minha vida!' é leitura para todos que estão dispostos a embarcar em uma viagem de descobertas,  sonhos superação e amor próprio.

Escritora foge da Espanha e lança livro sobre violência doméstica