Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Quais os percalços do cinema nacional?

Quais os percalços do cinema nacional?

22/06/2019 Douglas Henrique Antunes Lopes

Hollywood não é o único lugar no mundo em que se pode produzir cinema, somos capazes de avançar nesse sentido.

Quais os percalços do cinema nacional?

O cinema é apresentado ao mundo pelos Irmãos Lumière em 1895, num contexto em que os avanços da ciência e da tecnologia refletiram nas transformações dos meios de produção e implicaram na I Revolução Industrial na Europa e Estados Unidos. Graças a grandes estudiosos da história do cinema, como Paulo Emílio Sales Gomes, sabemos que os primeiros projetores chegaram ao Rio de Janeiro no final de 1896 e as primeiras filmagens foram realizadas em 1899 — momento em que o país havia acabado de abolir seu rudimentar sistema escravocrata de 1888, passando a viver numa república somente a partir de 1889. 

A primeira década do cinema no Brasil sofre com a estagnação, de modo que não havia muitas salas, pois nem as capitais tinham energia elétrica. As exibições e a produção somente se iniciam a partir de 1907, quando o Rio de Janeiro passa a ter energia elétrica industrializada. 

Os anos entre 1908 e 1911 são reconhecidos como a Era de Ouro do Cinema Nacional — período em que o cinema de ficção ganhava força em relação ao documental e foram produzidos vários títulos em gêneros como drama e comédia. Inicialmente, fizeram sucesso roteiros inspirados em crimes, como Os Estranguladores (1907), que conta a história de dois adolescentes que foram estrangulados no Rio de Janeiro em 1905.

Em 1930 rompem-se as fronteiras do Rio de Janeiro e São Paulo e cidades como Recife, Porto Alegre e Belo Horizonte começam a engajar-se nos processos de produção de filmes. Nesse período nasceram os primeiros clássicos nacionais.

Tentativas de industrialização ocorreram na década de 1950, de modo que se chegou a ver uma indústria estável, com a produção de cerca de 30 filmes anuais. Nesse período fizeram sucesso os enredos pessimistas e depreciativos da realidade nacional.

O otimismo e a efervescência cultural, por outro lado, marcaram o início dos anos 1960. A música e a literatura iriam impactar o cinema. Jovens desconhecidos ganhariam o cenário nacional e se dedicariam ao desenvolvimento do Cinema Novo, que iria refletir a multiplicidade dos conflitos sociais que se estenderam pelas entranhas da nossa história.

Emergem daí títulos como O Pagador de Promessas (1962) de Anselmo Duarte e Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964) de Glauber Rocha. O primeiro deles é inspirado na peça teatral de Dias Gomes e narra a trajetória de um camponês que faz uma promessa num terreiro de candomblé e deve pagá-la numa igreja católica — o que propicia uma reflexão sobre o sincretismo presente na cultura brasileira. O segundo nos apresenta o percurso de um boiadeiro que se rebela contra um coronel e nos apresenta contextos aparentemente opostos: a fé e o cangaço.

O otimismo e a frutífera produção da primeira metade da década de 1960 recuariam diante do Golpe Militar de 1964 e seriam soterrados com o AI-5 em 1968. Depois dessa conjuntura, talvez seja possível dizer que o nosso cinema não voltaria a ser tão fértil. No entanto, esse assunto fica para uma próxima oportunidade.

Hollywood não é o único lugar no mundo em que se pode produzir cinema, somos capazes de avançar nesse sentido. Não faltam elementos na cultura brasileira para contribuir com a sétima arte. Basta que façamos os esforços de reconhecermos a nós mesmos. O filme Bacurau, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, é um exemplo disso e teve seu mérito reconhecido no Prêmio do Júri em Cannes na edição de 2019.

* Douglas Henrique Antunes Lopes é professor do Centro Universitário Internacional Uninter. Atua nos cursos de Filosofia, Serviço Social e Pedagogia, além do Curso de Extensão Cineclube Luz, Filosofia e Ação.

Fonte: Página 1



Chico Teixeira apresenta novo disco ‘Ciranda de Destinos’

Álbum com clássicos da MPB tem as participações especiais de Yamandu Costa, Almir Sater, Roberto Mendes e Renato Teixeira.

Chico Teixeira apresenta novo disco ‘Ciranda de Destinos’

Mostra de Cinema de SP vai exibir mais de 300 filmes de 65 países

​A novidade da 43ª edição Mostra Internacional de Cinema é a exibição de filmes no Theatro Municipal de São Paulo.

Mostra de Cinema de SP vai exibir mais de 300 filmes de 65 países

Reggae Live Station reúne grandes nomes do gênero em São Paulo

Festival acontecerá no dia 18 de outubro no Espaço das Américas.

Reggae Live Station reúne grandes nomes do gênero em São Paulo

‘Cheirosa’ é o novo single de Jorge & Mateus

Clipe foi gravado ao vivo durante show realizado em São José do Rio Preto (SP).

‘Cheirosa’ é o novo single de Jorge & Mateus

Coringa alcança maior bilheteria de todos os tempos no mês de outubro

Filme arrecadou 93,5 milhões de dólares no primeiro fim de semana do mês.

Coringa alcança maior bilheteria de todos os tempos no mês de outubro

Vitão e Anitta lançam videoclipe de ‘Complicado’

Anitta e Vittão se apresentaram no Rock in Rio no último final de semana.


Rock in Rio pode ter edição no Chile

Roberto Medina assina acordo de intenção com governo do Chile para realização do Rock in Rio Santiago.

Rock in Rio pode ter edição no Chile

Abbey Road conquista topo 50 anos após lançamento

O famoso álbum dos Beatles foi relançado em uma edição ‘de luxe’ especial em setembro.

Abbey Road conquista topo 50 anos após lançamento

Inimigos da HP lançam música com Sorriso Maroto

"A Regra do Jogo" é o nome da canção que será lançada em outubro.


Obra do diretor Eduardo Coutinho é tema de mostra em São Paulo

Ocupação Eduardo Coutinho poderá ser visitada até o dia 26 de novembro.

Obra do diretor Eduardo Coutinho é tema de mostra em São Paulo

Júlia e Rafaela lançam single com Matheus e Kauan

Música “Bem ou Mal” estará no álbum “Despertar” com lançamento marcado para 25 de outubro.

Júlia e Rafaela lançam single com Matheus e Kauan

CineMaterna em BH vai exibir filme ‘Vai que Cola’ 2 em outubro

Sessões do CineMaterna ocorrem no Minas Shopping em salas de cinema adaptadas para mães, pais e bebês.

CineMaterna em BH vai exibir filme ‘Vai que Cola’ 2 em outubro