Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O desaparecimento de idiomas e suas explicações

O desaparecimento de idiomas e suas explicações

22/02/2017 Deutsche Welle

Das 6 mil línguas existentes no mundo, em breve quase metade poderá estar extinta, estima Unesco.

O desaparecimento de idiomas e suas explicações

Por todo o mundo há idiomas ameaçados de extinção. Seja na Alemanha, onde o baixo-sórbio só é falado por 7 mil pessoas; ou na América do Norte, onde só 250 nativos ainda utilizam o cayuga, sua língua materna. Na Austrália, o dalabon é preservado por apenas 11 pessoas – ou talvez menos, já que o último censo data de mais de dez anos.

Com o Dia Internacional da Língua Materna, a ONU procura ressaltar todos os anos a importância da diversidade linguística. A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) calcula que existam cerca de 6 mil idiomas no mundo, dos quais 2.500 têm sua existência ameaçada.

"Um sinal bem óbvio de perigo é quando os pais não falam mais a própria língua com os filhos", explica Katharina Haude, pesquisadora do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS), em Paris, e vice-presidente honorária da Sociedade Alemã de Idiomas Ameaçados.

Haude observou esse fenômeno na América Latina. Ao longo de dez anos, ela viajou regularmente para Santa Ana del Yacuma, no norte da Bolívia. Na cidade de 12 mil habitantes vivem os últimos 1.500 falantes da língua indígena movima, a maioria deles acima dos 70 anos de idade.

Idiomas nativos como esse, não documentados por escrito, estão especialmente ameaçados. Segundo Haude, o desaparecimento das línguas faladas por pequenos grupos na Bolívia, como o movima, está também relacionado à ampliação do sistema escolar.

"Nos anos 50 anos, foram construídas escolas na Bolívia em que só se ensinava espanhol", o que levou os genitores a deixarem de praticar a própria língua com os filhos. Só com a reforma do ensino, as 30 línguas indígenas do país retornaram às escolas, em 1994, recuperando em parte seu prestígio.

Internet como esperança

Os linguistas têm diferentes explicações para o declínio de certos idiomas. "Um fator é, seguramente, a globalização", afirma Paul Trilsbeek, diretor do Arquivo Multimídia de Idiomas Ameaçados do Instituto Max Planck de Psicolinguística, em Nimwegen, Holanda.

"As pessoas pensam que terão melhores chances na vida se falarem línguas mais difundidas", aponta. Outro fator é a migração continuada das zonas rurais para as grandes cidades.

Segundo a Unesco, mais de 200 idiomas foram extintos desde os anos 1950. E, de acordo com Trilsbeek, "nas últimas décadas o número das línguas desaparecidas parece ter aumentado".

Para reunir os registros em áudio e vídeo que compõem o arquivo digital dirigido por ele, pesquisadores viajaram durante dez anos aos locais mais distantes do mundo, a fim de contatar os habitantes cuja língua materna estava sob risco de extinção.

"A meta do projeto era documentar para pesquisa os idiomas ameaçados, mas o arquivo também pode ser importante para as comunidades linguísticas", explica Trilsbeek. Contudo, isso não basta para reavivar um idioma em extinção.

"Em primeiro lugar, é preciso criar uma nova motivação para que se transmita a língua às gerações subsequentes", diz o diretor do arquivo.

O fato de cada vez mais pessoas terem smartphones e acesso à internet se tornou um aliado nessa luta, aponta. "Desse modo, há também cada vez mais línguas indígenas online, por exemplo no YouTube. Isso também poderá ajudar a preservar as diferentes línguas." 



Inscrições abertas para o Prêmio Sesc de Literatura

As inscrições são gratuitas e os escritores podem concorrer com obras inéditas nas categorias Conto e Romance.

Inscrições abertas para o Prêmio Sesc de Literatura

Governo de Minas assume restauração do vapor Benjamim Guimarães

Intenção é dar continuidade às obras de reparo para que embarcação histórica possa voltar a navegar pelo Rio São Francisco.

Governo de Minas assume restauração do vapor Benjamim Guimarães

Mostra de Cinema de Tiradentes completa 25 anos

Evento acompanhou e influenciou os rumos da produção audiovisual de invenção no país.

Mostra de Cinema de Tiradentes completa 25 anos

Pesquisa: 89% dos músicos tiveram perdas decorrentes da pandemia em 2021

Segunda edição de pesquisa realizada pela UBC em parceria com a ESPM revela que 50% dos trabalhadores do setor perderam toda a sua renda em 2021.

Pesquisa: 89% dos músicos tiveram perdas decorrentes da pandemia em 2021

Exposição marca 85 anos de criação do Museu Nacional de Belas Artes

Público reduzido poderá apreciar obras incorporadas ao acervo.

Exposição marca 85 anos de criação do Museu Nacional de Belas Artes

Minas celebra cinco anos do reconhecimento das Folias como patrimônio cultural

Cerca de 1.600 grupos foram identificados e estão espalhados por mais de 400 municípios.

Minas celebra cinco anos do reconhecimento das Folias como patrimônio cultural

Sesc Palladium oferece curso de férias gratuito de pintura

Curso “Pintando o Sete” vai até o dia 29 de janeiro.

Sesc Palladium oferece curso de férias gratuito de pintura

Criações da chef Benê Ricardo são revisitadas em gastrobar de Ouro Fino (MG)

Observatório faz uma imersão na cultura e história da cidade sul-mineira.

Criações da chef Benê Ricardo são revisitadas em gastrobar de Ouro Fino (MG)

Obras de artesanato mineiro do Vale do Jequitinhonha são exibidas em exposição

“Pelas águas do Jequitinhonha me deixei levar”, mostra no Rio de Janeiro peças em cerâmica de 130 artesãs de Minas Gerais.

Obras de artesanato mineiro do Vale do Jequitinhonha são exibidas em exposição

Orquestra Ouro Preto e Pigmalião apresentam “Um Conto de Natal”

Concerto será dia 18 de dezembro, em formato híbrido, com transmissão ao vivo no YouTube e público presencial na cidade de Mariana (MG).

Orquestra Ouro Preto e Pigmalião apresentam “Um Conto de Natal”

Vendas de livros no país até novembro já superam as de 2020

O varejo registrou 43,9 milhões de livros comercializados no ano.

Vendas de livros no país até novembro já superam as de 2020

Bienal do Livro espera receber cerca de 90 mil estudantes no Rio

Evento está sendo realizado no Riocentro e vai até domingo.

Bienal do Livro espera receber cerca de 90 mil estudantes no Rio