Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Alimentos vilões: saiba quais podem danificar os dentes

Alimentos vilões: saiba quais podem danificar os dentes

21/03/2019 Divulgação

A saúde bucal pode ser prejudicada por meio da adoção de uma má alimentação

Alimentos vilões: saiba quais podem danificar os dentes

Muito se sabe sobre os alimentos que possuem grande potencial para causar as temidas cáries nos dentes. Balas, chocolates, refrigerantes e doces em geral, estão do topo da lista das principais comidas que influenciam no surgimento das doenças cariosas. Porém, as guloseimas não são as únicas que podem comprometer a saúde bucal.

O esmalte dentário pode se enfraquecer por diversos motivos, um deles é o consumo diário de alimentos ricos em ácidos, ou que possuem uma forte pigmentação, pois eles podem provocar um grave desgaste dos dentes.

Segundo o cirurgião-dentista e especialista em endodontia e ortodontia, Carlos Cordeiro, as pessoas devem ter mais atenção ao que ingerem. “Além das manchas, os chamados cromogênicos –alimentos com um alto teor de pigmentação – também podem contribuir para o desgaste do esmalte dos dentes. Esse problema acaba fazendo com que as bactérias se instalem com maior facilidade e assim surgem problemas como a cárie e o tártaro. Estas condições exigem cirurgias mais intrusivas”, afirma.

Os alimentos vilões muitas vezes já são conhecidos, mas as informações sobre eles não são muito disseminadas. O vinho, por exemplo, tem um alto teor de pigmentação e acidez. Estas características muitas vezes fazem com que o desgaste se torne praticamente inevitável, mesmo com a realização da higienização correta dos dentes. “Os carboidratos também são alimentos de grande potencial para o início de contaminações bacterianas. Quando ingeridos, estas comidas aderem aos dentes, e o açúcar presente em suas composições pode reagir junto as bactérias, o que acaba levando ao desenvolvimento da cárie”, explica.

Dentre os maiores ocasionadores da cárie, o álcool e os refrigerantes em geral, devem ser consumidos com moderação, sempre acompanhados por uma higienização bucal adequada. Para garantir a saúde dos dentes e ainda assim aproveitar os alimentos e bebidas, não se pode descuidar da escovação.



Autismo, comorbidades e Covid-19

Muitos pais ficam com dúvidas sobre como o novo coronavírus (COVID-19) pode ser perigoso ou não para quem tem o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).


Pais, acolham seus filhos adolescentes

Eles podem estar sofrendo…


STF reconhece profissão de optometrista

A exemplo do que acontece no exterior, prescrição de lentes de grau não é mais exclusividade de médicos no Brasil.

STF reconhece profissão de optometrista

O home office e a dor nas costas

Muitos não possuem os devidos materiais para evitar dores na hora de fazer o home office.

O home office e a dor nas costas

Psicólogo mineiro lança canal educativo sobre saúde mental

O espaço é dedicado à divulgação de conteúdo de utilidade pública, bem-estar e qualidade de vida.


Pandemia é “sinal amarelo” para risco de automedicação

Prática traz sérios problemas para a saúde e não trata adequadamente as doenças.

Pandemia é “sinal amarelo” para risco de automedicação

Pessoas com visão monocular lutam para serem reconhecidas como pessoas com deficiência

Cegueira de um dos olhos chega a reduzir o campo visual em 25%.


Plano de saúde não pode negar tratamento prescrito por médico e deve cobrir teste de Covid

Os planos de saúde limitam, de forma significativa, o tratamento a ser aplicado ao paciente.


Pico de bronquiolite deve ocorrer no segundo semestre

A pandemia mudou radicalmente o perfil das internações infantis neste ano.


Hipertensão: a primeira aferição é capaz de diagnosticar o problema?

O diagnóstico e o início precoces do tratamento da hipertensão arterial são fatores essenciais para o controle da doença.

Hipertensão: a primeira aferição é capaz de diagnosticar o problema?

Orientação médica à distância requer cautela nos procedimentos

A telemedicina é um modo de exercer a medicina em que o contato acontece por meios digitais, via voz e vídeo.

Orientação médica à distância requer cautela nos procedimentos

Diferencie fome emocional da fome física

Durante a pandemia do novo coronavírus, muitos de nós ficamos mais ansiosos com medo do futuro e com a sensação de que todos os dias parecem iguais.