Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Bullying e depressão infantil podem ser tratados com hipnoterapia

Bullying e depressão infantil podem ser tratados com hipnoterapia

21/05/2019 Divulgação

Técnica pode ser feita em crianças a partir dos sete anos contribuindo para uma infância mais saudável

Bullying e depressão infantil podem ser tratados com hipnoterapia

Dizer ‘não’ a um pedido foi o suficiente para seu filho fechar a cara e ir para o quarto batendo a porta? O que parece ser apenas uma tentativa de chamar a atenção pode mascarar algo mais grave, como bullying, abuso e até os primeiros sinais de autismo ou um quadro depressivo, segundo Alessandro Magalhães, especialista em Programação Neurolinguística (PNL).

“Crianças e adolescentes demonstram que algo anormal está acontecendo por meio de comunicação não verbal. Qualquer mudança repentina de comportamento exige a atenção dos pais”, diz Alessandro. Euforia, estresse, agressividade, falta de concentração ou baixo rendimento escolar são alguns dos sinais de alerta vermelho.

Para ajudar os jovens a lidarem com essas questões de maneira eficiente, o especialista indica a hipnoterapia. O tratamento garante não apenas uma infância saudável, mas, também, uma vida adulta mais equilibrada e livre de bloqueios emocionais. A técnica pode ser feita a partir dos sete anos, quando já é possível estabelecer uma comunicação com mais clareza e há um entendimento contextual que envolve as sessões.

Para atender a esse nicho – e ajudar a dissolver distúrbios atuais como hiperatividade, deficit de atenção e fobias –, Alessandro desenvolveu a metodologia Touch The Mind (TTM), que utiliza jogos lúdicos e alusões mentais até alcançar o “X” da questão. “Há uma facilidade em estimular o imaginário, sensações e emoções dos mais novos, então conseguimos abrir a mente para buscar uma realidade que foi vivenciada anteriormente ou até mesmo criar uma nova, tendo em vista que a mente não diferencia o que é real e o que é produzido”, conta o especialista.



Como saber se tenho bruxismo?

Dor na mandíbula e cabeça ao acordar são sintomas comuns.

Como saber se tenho bruxismo?

As novas maneiras de olhar e cuidar da saúde física e mental

Muito tem se falado sobre o impacto da pandemia e do distanciamento social na vida das pessoas.


Consultas odontológicas diminuem 80% durante a pandemia

Pesquisa feita pela UFPel diz respeito às consultas odontológicas na rede pública.

Consultas odontológicas diminuem 80% durante a pandemia

Aspectos emocionais do câncer

O câncer coloca a pessoa em situação limite, pois carrega o estigma da morte e do sofrimento.


Vacinas: destrinchando as fases da produção

A história do processo de produção das vacinas remonta aos trabalhos realizados pelo naturalista e médico inglês Edward Jenner, no final do século XVIII.

Vacinas: destrinchando as fases da produção

Lançado e-book com rotina de médicos em UTIs na pandemia

Prosas, versos e muita emoção mostram a nova realidade dos profissionais.


Síndrome de Burnout deve atingir diversos profissionais pós-pandemia

Cansaço, fadiga e estresse no trabalho podem ser mais sérios do que se imagina

Síndrome de Burnout deve atingir diversos profissionais pós-pandemia

Qual é o plano futuro para o setor de saúde depois da pandemia?

O setor de saúde deverá se reinventar, assim como vários setores da economia.

Qual é o plano futuro para o setor de saúde depois da pandemia?

Baixa adesão faz Ministério da Saúde ampliar campanha contra sarampo

Pessoas de 20 a 49 anos poderão se vacinar até o dia 31 de agosto, em todo o país.

Baixa adesão faz Ministério da Saúde ampliar campanha contra sarampo

Dores no inverno: como amenizar o quadro em tempos de menor temperatura

Queixar-se da piora das dores em dias frios está longe de ser um drama ou frescura.

Dores no inverno: como amenizar o quadro em tempos de menor temperatura

Empresa mineira disponibiliza teste internacional para detectar coronavírus

Teste permite identificar a presença do vírus no organismo a partir do sétimo dia de infecção.

Empresa mineira disponibiliza teste internacional para detectar coronavírus

Autismo, comorbidades e Covid-19

Muitos pais ficam com dúvidas sobre como o novo coronavírus (COVID-19) pode ser perigoso ou não para quem tem o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).