Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Bullying e depressão infantil podem ser tratados com hipnoterapia

Bullying e depressão infantil podem ser tratados com hipnoterapia

21/05/2019 Divulgação

Técnica pode ser feita em crianças a partir dos sete anos contribuindo para uma infância mais saudável

Bullying e depressão infantil podem ser tratados com hipnoterapia

Dizer ‘não’ a um pedido foi o suficiente para seu filho fechar a cara e ir para o quarto batendo a porta? O que parece ser apenas uma tentativa de chamar a atenção pode mascarar algo mais grave, como bullying, abuso e até os primeiros sinais de autismo ou um quadro depressivo, segundo Alessandro Magalhães, especialista em Programação Neurolinguística (PNL).

“Crianças e adolescentes demonstram que algo anormal está acontecendo por meio de comunicação não verbal. Qualquer mudança repentina de comportamento exige a atenção dos pais”, diz Alessandro. Euforia, estresse, agressividade, falta de concentração ou baixo rendimento escolar são alguns dos sinais de alerta vermelho.

Para ajudar os jovens a lidarem com essas questões de maneira eficiente, o especialista indica a hipnoterapia. O tratamento garante não apenas uma infância saudável, mas, também, uma vida adulta mais equilibrada e livre de bloqueios emocionais. A técnica pode ser feita a partir dos sete anos, quando já é possível estabelecer uma comunicação com mais clareza e há um entendimento contextual que envolve as sessões.

Para atender a esse nicho – e ajudar a dissolver distúrbios atuais como hiperatividade, deficit de atenção e fobias –, Alessandro desenvolveu a metodologia Touch The Mind (TTM), que utiliza jogos lúdicos e alusões mentais até alcançar o “X” da questão. “Há uma facilidade em estimular o imaginário, sensações e emoções dos mais novos, então conseguimos abrir a mente para buscar uma realidade que foi vivenciada anteriormente ou até mesmo criar uma nova, tendo em vista que a mente não diferencia o que é real e o que é produzido”, conta o especialista.



55% dos brasileiros com mais de 18 anos consomem bebidas alcoólicas, diz pesquisa

Dado é de pesquisa do Instituto Brasileiro do Fígado.

55% dos brasileiros com mais de 18 anos consomem bebidas alcoólicas, diz pesquisa

A perda auditiva se manifesta em qualquer idade

A perda auditiva é uma queixa quase diária no consultório do otorrinolaringologista.

A perda auditiva se manifesta em qualquer idade

O consumidor é obrigado a dar o CPF nas farmácias?

Um ponto de dúvida para as pessoas, mas que é importante ter clareza, a exigência de CPF é ilegal para o fornecimento de descontos pelas farmácias.

O consumidor é obrigado a dar o CPF nas farmácias?

Governo lança campanha de combate ao mosquito da dengue

Casos aumentaram em 12 estados em relação ao ano passado.

Governo lança campanha de combate ao mosquito da dengue

Estamos todos saindo da UTI?

Nas últimas semanas, esses ambientes estão diferentes do que vivenciamos ao longo de quase 20 meses.

Estamos todos saindo da UTI?

Por que o autismo em meninas é menos comum?

Elas têm mais autoconsciência, senso de empatia e tenta “se encaixar” mais socialmente que eles.

Por que o autismo em meninas é menos comum?

Pesquisa comprova maior eficácia de teste HPV para detecção de câncer

Estatuto da Pessoa com Câncer é sancionado

Passa a ser direito fundamental da pessoa com câncer a obtenção de diagnóstico precoce e acesso a tratamento universal.

Estatuto da Pessoa com Câncer é sancionado

Mulheres têm mais risco de sofrer infarto do que os homens

A quantidade de pessoas que sofrem com problemas cardiorrespiratórios no Brasil é tão significativa que sobram estatísticas para contar a história.

Mulheres têm mais risco de sofrer infarto do que os homens

Médico adota técnica para apoiar pessoas a envelhecer sem dor

Segundo Dr. Geraldo Carvalhaes, casos de dor crônica também afetam pessoas mais jovens.

Médico adota técnica para apoiar pessoas a envelhecer sem dor

Você é um Hipocondríaco?

Quando a preocupação com a saúde vira doença.

Você é um Hipocondríaco?

Número de prematuros aumenta no Brasil

Média de prematuridade no país atingiu 11,1% em 2020 e aumento pode estar ligado ao covid-19.

Número de prematuros aumenta no Brasil