Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Caminhada com dores nas pernas requer tratamento

Caminhada com dores nas pernas requer tratamento

26/04/2006 Divulgação

As dores que aparecem nas pernas ao caminhar podem ser um alerta indicando que a circulação sangüínea não está ocorrendo de maneira adequada. A alteração no fluxo de sangue nas artérias, dependendo da localização, pode levar a derrame (acidente vascular cerebral), infarto, arritmia, pressão alta e o funcionamento irregular dos rins. Essas dores, na verdade, são um sinal do organismo de que algo está errado e tem o nome de "Claudicação". Cerca de 5% das pessoas entre 55 e 60 anos apresentam esse problema, mas pode também acometer jovens, principalmente quem fuma.

As dores decorrentes de circulação insuficiente, geralmente se localizam nas panturrilhas, podendo ainda atingir outras partes, durante a caminhada. Segundo o angiologista e cirurgião vascular José Marcelo Coutinho de Melo, a princípio e nos casos mais leves, a dor se manifesta somente quando a pessoa caminha e desaparece quando pára de andar ou descansa. Contudo, reaparece assim que a caminhada é retomada. 

Ele explica que a Claudicação é causada por uma deficiente circulação do sangue nas pernas, decorrente de obstrução de artérias. Dessa forma, as dores surgem pela redução no fluxo de sangue e oxigênio, cuja demanda é aumentada com a prática do exercício físico.

Além do tabagismo, outras causas estão relacionadas à doença em qualquer idade, sobretudo em homens acima de 45 anos e mulheres com mais de 55. Segundo Melo, níveis de colesterol e triglicérides elevados, diabetes e pressão alta também são fatores importantes no aparecimento da Claudicação.

Há vários tratamentos para essa doença e a indicação depende da gravidade de cada caso e se existem outros problemas associados. Entretanto, antes de iniciar qualquer um deles, é recomendável sempre que o paciente, caso seja fumante, pare de fumar. 
Os casos mais leves, conforme Melo, são tratados com medicamentos para dilatar os vasos e, com isso, facilitar a circulação de sangue, disponibilizando mais oxigênio para os músculos. Outros remédios também são indicados para diminuir os níveis de colesterol, triglicérides, glicose e a formação de coágulos, assim como aqueles para controle da pressão arterial. 

Na maioria dos casos de Claudicação, o uso de medicamentos e atividades físicas proporcionam uma boa melhora. A cirurgia é indicada em casos mais graves para pacientes que, ao caminhar, a distância sem dor percorrida é tão pequena que acaba interferindo na sua qualidade de vida.
 
A doença pode ser prevenida com hábitos saudáveis como não fumar, praticar exercícios físicos regularmente, controlar o colesterol, a pressão alta e o diabetes. Melo lembra que a caminhada é um exercício extremamente benéfico neste caso.



Autismo, respeito e compreensão

No dia 02 de abril é comemorado o Dia Mundial da Conscientização do Autismo.


A importância da vacina da gripe para os diabéticos

O assunto que é destaque há semanas é o coronavírus, porém não podemos deixar de falar da importância da vacina da gripe para os idosos.

A importância da vacina da gripe para os diabéticos

Meditação: como as crianças e adolescentes podem praticar

Incluir a atividade na rotina com a família pode contribuir durante o período de isolamento social.

Meditação: como as crianças e adolescentes podem praticar

Gordura abdominal prejudica coluna e joelhos

Mesmo em casa, é possível fazer quatro exercícios simples e seguir algumas dicas de alimentação para acabar com o excesso de peso ao redor da cintura.

Gordura abdominal prejudica coluna e joelhos

O canabidiol no tratamento da endometriose

O março amarelo é o mês dedicado à conscientização sobre a endometriose.


Quarentena e sanidade mental: é possível?

A pandemia do coronavírus impôs abruptamente a todas as pessoas a realidade da quarentena: privação da liberdade, limites, mudança de hábitos e rotinas, dificuldades financeiras e organizacionais.


Coronavírus e câncer: cuidado redobrado com o paciente oncológico

Pacientes com câncer podem apresentar imunidade mais baixa, ficando mais vulneráveis.

Coronavírus e câncer: cuidado redobrado com o paciente oncológico

Problemas psicológicos x COVID-19

Com a chegada do COVID-19 no Brasil, podemos notar que o comportamento das pessoas mudou.


Coronavírus e isolamento social

O mundo está sendo convulsionado pelo avanço da pandemia da Covid-19, que afeta e transtorna a vida da humanidade, em todos os sentidos e dimensões, de forma que ainda não conseguimos identificar com clareza as consequências.


Saúde emocional durante o isolamento social: o que fazer?

Vivemos tempos difíceis e incertos frente à pandemia de coronavírus, que exige de nós muitas mudanças.


O micro-organismo que afeta o comportamento e a saúde emocional

Seja no jornal, nos noticiários da TV ou nos sites de notícias, o tema é monotemático: coronavírus (Covid-19).


Telemedicina: liberação necessária na luta contra o coronavírus

A Telemedicina será utilizada “em caráter de excepcionalidade e enquanto durar a batalha de combate ao contágio da Covid-19”.