Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Casos de malária no Brasil têm queda de 38% em 2019

Casos de malária no Brasil têm queda de 38% em 2019

25/04/2019 Divulgação

Nesta quinta-feira, 25 de abril, é celebrado o Dia Mundial da Malária

Casos de malária no Brasil têm queda de 38% em 2019

Entre janeiro e março deste ano, o Brasil notificou 31.872 novos casos de malária. No mesmo período do ano passado, foram registrados 51.076 casos – uma redução de 38%. Em todo o ano de 2018, o país contabilizou 194.271 casos da doença.

No Dia Mundial da Malária, lembrado nesta quinta-feira (25/04), o Ministério da Saúde lançou a campanha Brasil Sem Malária, com foco na região amazônica, que concentra mais de 99% dos casos.

Populações das capitais dos nove estados que compõem a região amazônica – Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Mato Grosso, Roraima, Rondônia, Tocantins e Maranhão -, além de regiões de mata, assentamentos rurais, garimpos, periferias e áreas indígenas são o público-alvo da campanha informativa.

Já na região extra-amazônica, Bahia e Espírito Santo são considerados áreas receptivas e enfrentam, segundo a pasta, grandes desafios para conter surtos.

Doença

A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por parasitos do gênero Plasmodium, transmitidos pela picada da fêmea infectada do mosquito gênero Anopheles. O paciente com malária não é capaz de transmitir a doença diretamente para outra pessoa – é preciso que haja a participação do vetor.

Entre os principais sintomas estão febre alta, calafrios, tremores, sudorese ou dor de cabeça. Algumas pessoas, antes de apresentarem esses sintomas, sentem náuseas, vômitos, cansaço e falta de apetite. A malária tem cura, mas se não for diagnosticada e tratada em tempo oportuno, pode evoluir para formas graves.

Fonte: Agência Brasil



Estresse, ansiedade, depressão e a pandemia

Na ansiedade causada por doença, o indivíduo está sempre preocupado de ter ou adquirir alguma doença.

Estresse, ansiedade, depressão e a pandemia

Obesidade infantil: crianças podem fazer exercícios físicos?

A doença que era motivo de preocupação apenas em adultos, agora já se tornou uma epidemia entre crianças e adolescente.

Obesidade infantil: crianças podem fazer exercícios físicos?

Como garantir a qualidade de ar do seu negócio para reabertura pós-pandemia

Um dos sintomas associados a não renovação do ar é a dor de cabeça e a sonolência.

Como garantir a qualidade de ar do seu negócio para reabertura pós-pandemia

Periferias são mais vulneráveis ao coronavírus

Informalidade e desigualdade urbana sãos as principais causas.

Periferias são mais vulneráveis ao coronavírus

O mundo pós Coronavírus

A presente época de pandemia impôs aos seres humanos uma condição inusitada: isolamento social.


Jogos, tecnologia e exercícios físicos são aliados dos idosos durante distanciamento social

Atividades são grandes aliadas na preservação da saúde física e mental durante esse período.

Jogos, tecnologia e exercícios físicos são aliados dos idosos durante distanciamento social

Entenda por que obesos estão no grupo de risco

No Brasil, uma a cada cinco pessoas são obesas.

Entenda por que obesos estão no grupo de risco

Tempo demais no celular faz mal à visão das crianças

Os pais precisam ficar atentos aos sinais no comportamento dos pequenos.

Tempo demais no celular faz mal à visão das crianças

Pandemia reduz procura no atendimento por câncer de mama

Levantamento foi realizado pela Sociedade Brasileira de Mastologia


Como aumentar a produção de colágeno para o rosto e corpo

Descubra os alimentos que aumentam a produção de colágeno para o rosto, cabelos e unhas. Dicas importantes de como produzir colágeno natural.


Pesquisa estima que casos confirmados são 35% dos sintomáticos

Percentual é melhor que de abril quando proporção era de 15%.

Pesquisa estima que casos confirmados são 35% dos sintomáticos

Por que o Coronavírus é mais perigoso para os idosos?

Entre as razões está a capacidade de resposta do sistema imunológico, que fica mais lenta e fraca à medida em que a pessoa envelhece.

Por que o Coronavírus é mais perigoso para os idosos?