Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Consumo de álcool e dormir mal contribuem para o ganho de peso

Consumo de álcool e dormir mal contribuem para o ganho de peso

20/10/2020 Divulgação

Médico endocrinologista explica como o álcool e o sono influenciam o metabolismo do corpo com consequências para a saúde.

Consumo de álcool e dormir mal contribuem para o ganho de peso

Há muitos mitos que rondam o senso comum acerca da perda de peso e funcionamento do metabolismo. Enquanto alguns comportamentos que realmente afetam nosso corpo nem sempre são lembrados ou levados em consideração no controle da obesidade, como a falta de sono e o consumo de bebidas alcoólicas que, sim, engordam.

“Com o isolamento social, não são raras as pessoas que afirmam que os dois comportamentos foram potencializados em suas rotinas devido à quarentena. Por isso, o alerta é tão importante neste momento”, destaca o Prof. Dr. Filippo Pedrinola.

Álcool tem quase o dobro de calorias do açúcar

O processo de produção do álcool vem da destilação ou fermentação do açúcar, fazendo com que a molécula de açúcar, antes com quatro calorias, passe a ter sete calorias quando é transformada em uma molécula de álcool. Ou seja, o número de calorias quase dobra.

De acordo com o Prof. Dr. Filippo Pedrinola, médico endocrinologista, o metabolismo acaba sendo bastante afetado pelo consumo do álcool durante o processo de emagrecimento.

“Quando há a ingestão da bebida alcoólica, além de consumir o dobro das calorias do açúcar, o metabolismo vai priorizar a eliminação do álcool do organismo. Isso significa que ele acaba deixando de lado o processo normal de queima calórica do corpo, proveniente dos alimentos que ingerimos, como se atrasasse o metabolismo”, explica o endocrinologista.

Pesquisas também sugerem que o álcool parece aumentar a percepção do apetite, podendo influenciar em uma série de hormônios responsáveis pela sensação de saciedade inibindo, por exemplo, a ação do GLP 1 e das leptinas.

E o problema não se limita apenas à bebida alcóolica, já que, em alguns casos, dependendo de como a bebida é preparada em coquetéis, as calorias são ingeridas em dobro. Uma caipirinha, por exemplo, contém açúcar, uma batida pode conter leite condensado, há quem misture vodca com energético que, além da caloria, ainda tem o problema do excesso de cafeína.

Mesmo entre as pessoas que já sabem disso, muitas até acreditam em mitos que afirmam que certas bebidas alcoólicas podem ser mais inofensivas e com menos calorias. Essa fama foi colocada no gin, por exemplo. Trata-se de uma impressão falsa, pois o coquetel mais clássico com essa bebida, o gin tônica, não levar açúcar e tem um paladar mais leve e fresco.

“O problema do gin tônica é que a água tônica, principal ingrediente, é um dos refrigerantes mais calóricos que existem. O quinino em sua composição demanda uma grande adição de açúcar para que o sabor fique mais equilibrado. Existem alternativas para reduzir essa caloria, como utilizar água tônica com zero açúcar ou substituir o açúcar branco de uma caipirinha por adocante. Não podemos afirmar que estas versões dos coquetéis alcoólicos não engordam, porém são opções mais adequadas para o consumo de quem está controlando o ganho de peso”, declara Pedrinola.

Para emagrecer com saúde e não deixar o álcool atrapalhar o processo, o ideal é sempre evitar o excesso de bebida, consumindo com moderação e buscando fazer misturas que tenham o mínimo de açúcar possível.

Uma única noite mal dormida pode desregular todo o metabolismo

No que diz respeito ao sono, os malefícios são igualmente prejudiciais. Isso acontece porque o ato de dormir é composto por quatro ciclos, sendo três deles conhecidos pelo nome “Fase Não-REM”, e o último ciclo é chamado de “Fase REM”, sigla que traduzida do inglês significa “Movimento Rápido dos Olhos”.  

Cada um desses ciclos demora aproximadamente 90 minutos para se concluir, e a fase REM é essencial para o corpo e para a mente, sendo ela a responsável por liberar os hormônios necessários para o bom funcionamento do cérebro e a dose necessária de grelina, leptina e cortisol.

Com a privação do sono esses hormônios ficam desregulados, gerando uma hiperprodução de grelina, produzida no estômago e responsável por nos fazer sentir fome. Uma hipoprodução de leptina, desenvolvida nas células de gordura, responsável pelo aumento da fome e maior produção nos níveis de cortisol, hormônio responsável pelo estresse. Inclusive, o estresse é outro fator que influencia muito no ganho de peso e tem relação direta com o acúmulo de gordura na região abdominal”, declara o Prof. Dr. Filippo Pedrinola.

Em média, grande parte da população precisa dormir de 7 a 8 horas por noite, mas há aqueles que só ficam completamente “descansados” quando dormem por mais de 9 horas e aqueles que precisam de menos de 7 horas de sono para se recuperarem.

O ideal é sempre se manter alerta ao seu relógio biológico e criar uma rotina diária, como um horário certo para ir dormir, evitar usar o celular pelo menos 30 minutos antes de se deitar e evitar o consumo de certos alimentos que podem estimular o cérebro ao invés de relaxar. Se, mesmo assim, ainda sentir dificuldades para dormir, o ideal é procurar a ajuda de um médico.

Fonte: C+M Comunicação



Incidência de câncer de pele é maior em homens

Dezembro Laranja chama atenção para cuidados de prevenção e da importância do check-up dermatológico para diagnóstico do câncer de pele.

Incidência de câncer de pele é maior em homens

O perigo do uso indiscriminado dos antibióticos

Estudos apontam que 700 mil mortes por ano são causadas em todo o mundo por infecções resistentes aos medicamentos.

O perigo do uso indiscriminado dos antibióticos

O repique da Covid-19: que não se repiquem os erros

Chegamos a uma nova encruzilhada na questão da Covid-19 em território brasileiro.

O repique da Covid-19: que não se repiquem os erros

A corrida para a vacina: quando os riscos valem a pena?

Os insumos necessários precisarão ser produzidos em uma escala inédita.

A corrida para a vacina: quando os riscos valem a pena?

Consumo de bebidas alcoólicas cresce entre as mulheres

O corpo leva de 1 a 3 horas para metabolizar uma dose de álcool no organismo.

Consumo de bebidas alcoólicas cresce entre as mulheres

Milhões de mortes por ano podem ser evitadas com atividade física

Combate ao sedentarismo deve ser praticado em todas as idades, diz OMS.

Milhões de mortes por ano podem ser evitadas com atividade física

Redes sociais e games em excesso causam tanta dependência quanto as drogas

A informação torna-se preocupante quando se verifica o quanto a internet está presente no cotidiano. Brasil é o segundo país onde se permanece mais tempo conectado durante o dia.

Redes sociais e games em excesso causam tanta dependência quanto as drogas

Pré-diabetes: como reverter o problema por meio de hábitos saudáveis

O diabetes é uma das principais doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) que acometem os brasileiros.

Pré-diabetes: como reverter o problema por meio de hábitos saudáveis

Gravidez depois dos 35: o que você precisa saber

Especialista explica principais mitos e verdades para mulheres que querem engravidar depois dos 35 anos.

Gravidez depois dos 35: o que você precisa saber

Low carb pode ser adotada por diferentes tipos de pessoas conforme necessidades e objetivos

Estratégia alimentar é recomendada para quem sofre de obesidade, diabetes e síndrome metabólica.

Low carb pode ser adotada por diferentes tipos de pessoas conforme necessidades e objetivos

Prematuros podem apresentar dificuldades no processamento sensorial

Especialista alerta para as morbidades que resultam do nascimento prematuro.

Prematuros podem apresentar dificuldades no processamento sensorial

Asma atinge 20 milhões de brasileiros

Pacientes com asma grave podem ter qualidade de vida com imunobiológicos.

Asma atinge 20 milhões de brasileiros