Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Depressão em idosos pode provocar demência

Depressão em idosos pode provocar demência

21/12/2005 Divulgação

A depressão no idoso pode indicar um risco aumentado de desenvolvimento de demência, quando feita a comparação com idosos não deprimidos.

Esta afirmação é do Prof. Dr. Paulo Bertolucci, diretor do Núcleo de Envelhecimento Cerebral e Chefe do Setor de Neurologia do Comportamento da Universidade Federal de São Paulo – Unifesp, que alerta para a importância do tratamento dos sintomas depressivos em pacientes que apresentam demência, principalmente causada pela doença de Alzheimer.

A demência é definida por um conjunto de alterações cognitivas, uma das quais obrigatoriamente é a perda da memória, podendo ser acompanhada por alterações do comportamento e pela perda de habilidades.

Segundo estudo publicado na revista Archives of Neurology, a depressão é um dos sintomas mais freqüentes nas demências, atingindo mais de 40% dos pacientes com doença de Alzheimer, mais de 50% dos pacientes com demências vasculares e mais ainda nos pacientes com a demência da doença de Parkinson.

O Prof. Dr. Paulo Bertolucci explica que a depressão, além de ser uma das causas de alteração do comportamento dos pacientes com demência, como agitação, agressividade, delírios e alucinações, traz mais dependência e maior desgaste para o cuidador.

Segundo o médico, que escreveu a separata Depressão e Demência, que está sendo distribuída pela equipe de propagandistas da Libbs Farmacêutica a médicos psiquiatras e neurologistas de todo o país. A depressão nos idosos é um importante problema de saúde, porque traz sofrimento ao paciente, incapacitando-o para atividades que, de outro modo, poderia realizar; amplia as limitações ocasionadas por outras doenças e sobrecarrega familiares e cuidadores.

As alterações neuropsicológicas são um aspecto importante da depressão no idoso. É freqüentemente relatado que os pacientes com depressão tardia apresentem dificuldade de atenção e concentração, de função executiva e de memória.

Conforme artigo publicado por M. A. Butteres na revista Archives of General Psychiatry, na realidade, mesmo quando as alterações cognitivas não são óbvias à primeira vista, a avaliação mais detalhada de idosos que preencham os critérios para depressão maior, mostra que este grupo pode apresentar algum grau de alteração em praticamente todos os domínios cognitivos, principalmente velocidade de processamento da informação, função executiva e habilidade viso-espacial, e que esta alteração é bastante significativa em mais da metade dos pacientes.

Desta forma, o Dr. Paulo Bertolucci conclui que é de extrema importância o tratamento dos sintomas depressivos em pacientes com demência. “A escolha do antidepressivo, no entanto, deve ser individualizada, de acordo com outras condições de saúde e com a presença de outras alterações do comportamento. Os antidepressivos tricíclicos, por exemplo, não são uma boa opção por causa de seus efeitos colaterais. Já os antidepressivos da classe dos Inibidores Seletivos da Recaptação da Serotonina são mais indicados, como por exemplo, o citalopram. É importante também implementar o tratamento farmacológico com um programa de atividade e estimulação planejado de modo coerente, para servir como terapia auxiliar”, finaliza. 



Pesquisa comprova maior eficácia de teste HPV para detecção de câncer

Estatuto da Pessoa com Câncer é sancionado

Passa a ser direito fundamental da pessoa com câncer a obtenção de diagnóstico precoce e acesso a tratamento universal.

Estatuto da Pessoa com Câncer é sancionado

Mulheres têm mais risco de sofrer infarto do que os homens

A quantidade de pessoas que sofrem com problemas cardiorrespiratórios no Brasil é tão significativa que sobram estatísticas para contar a história.

Mulheres têm mais risco de sofrer infarto do que os homens

Médico adota técnica para apoiar pessoas a envelhecer sem dor

Segundo Dr. Geraldo Carvalhaes, casos de dor crônica também afetam pessoas mais jovens.

Médico adota técnica para apoiar pessoas a envelhecer sem dor

Você é um Hipocondríaco?

Quando a preocupação com a saúde vira doença.

Você é um Hipocondríaco?

Número de prematuros aumenta no Brasil

Média de prematuridade no país atingiu 11,1% em 2020 e aumento pode estar ligado ao covid-19.

Número de prematuros aumenta no Brasil

40% dos clientes de plano de saúde usam o SUS

Pesquisa da Anab foi realizada com 1.006 usuários da saúde suplementar em todo o Brasil no mês de setembro.

40% dos clientes de plano de saúde usam o SUS

Depressão, ansiedade e dores musculares aumentaram na pandemia, diz estudo

Acupuntura e outras técnicas podem ajudar no alívio dos sintomas e melhora global dessas condições.

Depressão, ansiedade e dores musculares aumentaram na pandemia, diz estudo

Novembro Azul, câncer de próstata e cirurgia robótica

Trabalhos científicos mostram que 25% dos portadores de câncer de próstata morrem devido à doença.

Novembro Azul, câncer de próstata e cirurgia robótica

Qualidade de vida, apesar da dor

Lista de doenças dolorosas passíveis de tratamento é bem extensa.

Qualidade de vida, apesar da dor

Auxílio psicológico a pacientes com câncer de mama

A mulher não deve se sentir sozinha nessa jornada.

Auxílio psicológico a pacientes com câncer de mama

5 dicas para prevenir a osteoporose

Você sabia que uma em cada três mulheres têm osteoporose em todo o mundo?

5 dicas para prevenir a osteoporose