Portal O Debate
Grupo WhatsApp

E se eu não quiser me vacinar? Eis a dúvida do “eu” e do “nós”

E se eu não quiser me vacinar? Eis a dúvida do “eu” e do “nós”

14/11/2020 Ana Lúcia Amorim Boaventura

É fato que a pandemia colocou uma lupa nas desigualdades sociais e econômicas que já existiam.

Quarentena regada a cerveja e churrasco é muito diferente da sem comida. Todos nós tivemos que ficar em casa em prol da coletividade.

Mas, até onde vai o “nós” se o “eu” tem fome? E para que serve o “nós” se o “eu” tem banquete? Se estamos no mesmo barco, cadê o coletivo? Isso não existe faz tempo!

A sociedade líquida descrita por Bauman revela individualidade e emancipação de uma coletividade unida por laços frágeis e por isso, altamente mutáveis.

Tudo está acontecendo muito rápido. Nada é feito para durar. Isso dá muito trabalho. É melhor trocar por outro e consumir mais. Há pouca verdade em tudo.

Usamos filtros, propagamos mentiras, queremos colher sem plantar. Tudo pronto parece ser melhor. Observar e refletir leva tempo.

O “eu” por muitas vezes conflita com o “nós”. Se eu não quero usar máscara e fazer distanciamento na fila do banco, quem vai me obrigar? Vão me multar?

E se eu não quiser me vacinar? Até onde vai o direito de exercício dos direitos individuais, ainda que constitucionais, se podem, por vezes colocar em risco a coletividade?

O STF decidirá, em breve, se pais, por convicções filosóficas ou religiosas, podem deixar de vacinar seus filhos.

Ainda que o Estatuto da Criança e Adolescente pregue a obrigatoriedade da vacinação, há um viés constitucional que abre espaço para a discussão como o poder familiar exercido de maneira esclarecida sobre a recusa da vacina por entender que é invasiva, tipo de medicina, muitas vezes rechaçada por veganos, por exemplo.

De modo diferente, a mentira e a falta de responsabilidade social, hoje, também chamada de fake news, americanizada para dar ar menos pesado, tem feito desserviços na área da saúde.

Várias notícias falsas sobre vacinação têm causado medo, fazendo com que a adesão ao Programa de Imunização do SUS, modelo no mundo, perca força.

Segundo o Datasus, desde 2004, os números só vêm diminuindo, o medo e informações falsas são grandes responsáveis por isso.

Mas, é natural que haja medo nessa sociedade líquida, de relações frágeis e passageiras. A confiança é sentimento escasso.

A verdade, ainda que científica, fica nas mãos dos políticos, de interesses econômicos, do “eu” e do momento.

Quem tem razão? Dória ou Bolsonaro? Vamos ou não tomar a vacina? Podem me obrigar e multar? Outra Revolta da Vacina? Qual é segura? Medo e novamente o conflito entre o “eu” e o “nós”.

Não sabemos em quem confiar. Não nos sentimentos representados por aqueles que nós mesmos elegemos. Há muita fragilidade e insegurança nas relações humanas. Pouquíssimos têm credibilidade.

Hoje é, amanhã deixou de ser. O “eu” só passa a ser “nós” por manobras eivadas de fakes e liquidez que no fundo, deseja satisfazer o indivíduo.

* Ana Lúcia Amorim Boaventura é advogada, especialista em Direito Médico e da Saúde, professora da faculdade de Medicina da PUC-GOIÁS e membro da Câmara Técnica de Direito Médico do CRM-GO.

Fonte: WP Conectada



Pandemia aumenta uso de ansiolíticos, antidepressivos e estabilizadores de humor

Medicações têm efeitos danosos, inclusive com risco de morte.

Pandemia aumenta uso de ansiolíticos, antidepressivos e estabilizadores de humor

Por que roncamos ao dormir de barriga para cima?

Entenda como as diferentes posições para dormir interferem no funcionamento do organismo.

Por que roncamos ao dormir de barriga para cima?

Dia Mundial do Alzheimer visa desmistificar o preconceito sobre a doença

"Conhecer demência é conhecer Alzheimer" é tema de campanha em 2021.

Dia Mundial do Alzheimer visa desmistificar o preconceito sobre a doença

Estamos esperando o quê?

Uma pesquisa rápida no Google Trends aponta o que qualquer cidadão do mundo já sabe: o termo mais mencionado e pesquisado no ano passado foi “Coronavírus”.

Estamos esperando o quê?

Proteção da CoronaVac em pessoas com comorbidade é superior a 90%

Pesquisa analisa 5 mil profissionais de educação e da segurança pública da rede estadual lotados em Manaus.

Proteção da CoronaVac em pessoas com comorbidade é superior a 90%

Fisioterapia precoce é essencial no tratamento da artrite idiopática juvenil

Doença é autoimune e pode afetar bebês e crianças pequenas.

Fisioterapia precoce é essencial no tratamento da artrite idiopática juvenil

Atividade física reduz risco de desenvolver glaucoma 

Estudo aponta que declínio do risco pode chegar a 73%.

Atividade física reduz risco de desenvolver glaucoma 

“Agir salva vidas” é tema de campanha Setembro Amarelo 2021

Campanha para reduzir índices de suicídio é uma iniciativa da ABP e do Conselho Federal de Medicina.

“Agir salva vidas” é tema de campanha Setembro Amarelo 2021

Por que terceira dose de vacina contra Covid é importante e necessária

Variantes do vírus fazem com que seja necessário "treinar" o organismo para poder prevenir infecções.

Por que terceira dose de vacina contra Covid é importante e necessária

Tabagismo aumenta chances de casos graves da Covid-19

Relação entre fumo e doença é mais um motivo importante para a decisão de parar de fumar

Tabagismo aumenta chances de casos graves da Covid-19

Dicas de alimentação na TPM, gravidez e menopausa

Toda mulher passa por diferentes fases no ciclo fértil.

Dicas de alimentação na TPM, gravidez e menopausa

Número de mortes por paradas cardíacas aumenta durante a pandemia

Pesquisa mostra que procura por atendimento hospitalar por AVC e ataques cardíacos sofreu redução no período.

Número de mortes por paradas cardíacas aumenta durante a pandemia