Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Estudo indica que cuidadores sem formação são vulneráveis

Estudo indica que cuidadores sem formação são vulneráveis

30/05/2019 Da Redação

Estudo comparou cuidadores formais e informais e revela que aqueles sem formação são mais vulneráveis.

Estudo indica que cuidadores sem formação são vulneráveis

Uma pesquisa de mestrado desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Gerontologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) aponta, entre outros resultados, que cuidadores de idosos informais, como familiares, sofrem mais sobrecarga do que os cuidadores formais (profissionais). O estudo foi realizado com 111 voluntários - 60 cuidadores informais e 51 formais (com curso de cuidador ou formação Superior ou Técnica em Enfermagem).

A pesquisa, que está sendo finalizada, foi conduzida pelo mestrando Madson Maximiano-Barreto e pela graduanda Amanda Moura, sob orientação de Marcos Hortes Chagas, professor do Departamento de Gerontologia da UFSCar, e co-orientação de Bruna Moretti Luchesi, docente da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

O objetivo inicial foi analisar a relação entre empatia, atitude implícita e sobrecarga de cuidadores de idosos, formais e informais. A empatia se refere à capacidade do indivíduo de se colocar no lugar do outro e de compreender suas emoções. As atitudes implícitas são aquelas tomadas inconscientemente, baseadas em sentimentos, emoções ou crenças do sujeito. Nesse contexto, os voluntários responderam a questionários sobre sintomas depressivos e neuropsiquiátricos, empatia e dependência funcional dos idosos. Além disso, também passaram por teste em computador para identificar a preferência implícita dos cuidadores entre jovem e idoso.

Os resultados indicam alta prevalência de indivíduos do sexo feminino na função de cuidadores e, na sua maioria, filhos dos idosos cuidados. A pesquisa identificou que, entre os voluntários, os cuidadores informais são os que apresentam maior sobrecarga, mais sintomas depressivos e neuropsiquiátricos, além do fato de que os idosos cuidados por eles têm maior dependência funcional se comparados aos idosos cuidados pelos profissionais.

"Identificamos também que a empatia está relacionada com a sobrecarga, sintomas depressivos e neuropsiquiátricos. Ou seja, quanto mais empatia, maior a ocorrência de prejuízos mentais nos cuidadores de idosos", complementa Maximiano-Barreto. Ainda no que se refere à empatia, o pesquisador destaca que geralmente há uma relação familiar entre os cuidadores informais e os idosos, o que, possivelmente, tem determinado o alto nível de empatia entre esses cuidadores quando comparados aos profissionais.

O mestrando lembra que o número de idosos tem aumentado, concomitantemente, à ocorrência de patologias que levam esse público a depender de um cuidador. "O cuidador tem um papel importante no que concerne à qualidade de vida dos idosos. No entanto, a prática diária de cuidar tem consequências como a sobrecarga, que causa prejuízos físicos e psicológicos", reforça o ele.

A partir da importância do papel do cuidador, Maximiano-Barreto acredita que o mais adequado é inserir cuidadores com formação para cuidar de idosos. "É importante pensar em políticas públicas de assistência aos idosos, com o intuito de fornecer para essa população profissionais capacitados, uma vez que os cuidadores formais são teórica e tecnicamente preparados para prestar assistência dentro da complexidade que é apresentada no envelhecimento acompanhado de alguma doença", defende o pesquisador. Além disso, para ele é importante oferecer atividades com o objetivo de auxiliar no controle emocional dos cuidadores, em especial os familiares, que sofrem com maior nível de sobrecarga e sintomas depressivos.

Fonte: CCS-UFSCar



Procedimento redesenha aréolas de mulheres que fizeram cirurgia plástica nas mamas

Através de tatuagem realista, mulheres que fizeram mamoplastia, colocaram silicone e que venceram o câncer podem melhorar a autoestima.

Procedimento redesenha aréolas de mulheres que fizeram cirurgia plástica nas mamas

8 aspectos que todos deveriam saber sobre AUTISMO

Não é nem tão difícil assim entender um autista, quando se consegue compreender o modo como vê o mundo.


Rotina de cuidados com a pele facial antes de dormir

Saiba como cuidar melhor da sua pele antes de dormir e tire suas principais dúvidas sobre o assunto.

Rotina de cuidados com a pele facial antes de dormir

Hábitos mais saudáveis podem evitar ou retardar o aparecimento da demência

Doença que já atinge mais de 50 milhões de pessoas em todo o mundo pode ser evitada com atividade física e reeducação alimentar.

Hábitos mais saudáveis podem evitar ou retardar o aparecimento da demência

O que é TDAH e como diferenciar de impulsividade

Segundo dados da OMS, cerca de 4% da população adulta mundial têm o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade – TDAH.


Agosto é o mês de incentivo ao aleitamento materno

Campanha visa sensibilizar a sociedade sobre a importância de todos contribuírem para garantir às mães a prática do aleitamento materno.

Agosto é o mês de incentivo ao aleitamento materno

O que aprender com as melhores instituições de saúde do mundo?

Profissionais especializados, tecnologia de ponta e muito conhecimento científico respaldando o trabalho médico.


Uso excessivo do celular pode causar vício e problemas psicológicos

Dados mostram que 12% dos americanos já desenvolveram dependência dos smartphones; psicólogo explica os riscos para a saúde mental.

Uso excessivo do celular pode causar vício e problemas psicológicos

Pesquisadores testam novo tratamento contra leishmaniose

Regiões Nordeste e Centro-Oeste são as mais endêmicas no Brasil.


Meus cabelos estão caindo! Quando devo me preocupar?

A queda capilar é algo que incomoda muita gente e pode representar tanto um processo natural do nosso corpo, quanto o sintoma de algum distúrbio ou doença.

Meus cabelos estão caindo! Quando devo me preocupar?

O que é Prostatite e por que incomoda tanto os homens?

A prostatite aguda é a forma mais preocupante e os sintomas se manifestam de modo bastante rápido.


Uso excessivo do celular pode causar vício e problemas psicológicos

Pesquisa mostra que 12% dos norte-americanos já desenvolveram dependência dos smartphones.

Uso excessivo do celular pode causar vício e problemas psicológicos