Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Frutas: tome cuidado!

Frutas: tome cuidado!

22/05/2017 Gregório Sagara

Passe a língua na superfície dos dentes naturais e perceba a textura lisa que eles possuem.

Frutas: tome cuidado!

Repita após ter comido uma fruta ou tomado um copo de suco de limão ou laranja. Conseguiu perceber a diferença? Antes liso e depois “áspero”?

Muitos de nós temos o hábito diário de consumir alimentos ácidos e em grande quantidade. Refrigerantes durante as refeições, café em reuniões ou intervalos, o tempero da salada com vinagre e limão e até as inocentes frutas.

Ser saudável está se tornando prioridade na vida de muitos e isso tem elevado o consumo de frutas em geral que, em longo prazo, pode gerar desgastes incrivelmente agressivos em regiões específicas dos dentes que ficam expostas em razão de diversos problemas. Esse desgaste é chamado de erosão ácida.

Muitas vezes não percebemos quão ácidas algumas frutas são, por exemplo, a maçã e a uva podem ter acidez semelhante à laranja, ou mesmo a banana, que tem acidez equivalente a do tomate, que também é fruta.

Mas qual o mal dessas agressões? Basicamente, o dente é composto por quatro estruturas: o esmalte, camada externa que fica exposta na boca; a dentina, camada abaixo do esmalte; o cemento, camada que reveste a raiz; e polpa, composto por nervos e vasos sanguíneos que dão a sensibilidade aos dentes. O consumo de alimentos ácidos faz com que as regiões de cemento e dentina expostas, se desmineralizem microscopicamente e, após anos de agressão, gera cavidades. Os desgastes são nítidos e em quadros avançados há a exposição e contaminação da polpa, necessitando de tratamento de canal.

Para saber se possui problemas com erosão ácida, a primeira forma é realizar o autoexame da boca, procurando por regiões amareladas nas pontas dos dentes e buracos em regiões próximas à gengiva. O sintoma mais comum desse tipo de agressão é a sensibilidade ao consumir alimentos e líquidos gelados ou até mesmo ao puxar o ar pela boca. O grau de intensidade da sensibilidade pode variar de acordo com o nível de desgaste, proximidade com a polpa dentária e características pessoais.

Em seguida, é importante passar por avaliação odontológica para diagnosticar e tratar as causas das exposições de raiz e dentina, como bruxismo, escovação agressiva, periodontite, movimentação por aparelho dentário, perda de dentes ou instabilidade de mordida e, assim, definir um plano de tratamento. O acompanhamento com controle da alimentação, higienização adequada, uso de cremes dentais específicos, restaurações e até recobrimento cirúrgico gengival, são recursos utilizados a fim de impedir o contato dos ácidos com essas regiões agredidas e diminuir os sintomas.

Algumas medidas podem diminuir a evolução do problema como consumir menos alimentos ácidos e com menos frequência (no caso das frutas); evitar vinagre e limão nas saladas; utilizar canudos para bebidas como refrigerantes e sucos; fazer bochecho com água logo após o consumo de ácidos e aguardar no mínimo uma hora para a escovação - escovar os dentes logo após alimentação remove o restante de cristais que não foram removidos pelos ácidos. A saliva possui uma função essencial na neutralização da acidez oral, chamado de efeito tampão, assim recuperando parcialmente os minerais dos dentes em cerca de uma hora.

Algumas doenças, chamadas de fatores intrínsecos, também podem causar erosão ácida, como refluxo gastroesofágico, gastrite crônica e transtornos alimentares, como a bulimia, podendo, também, desenvolver sensibilidades.

É importante salientar que as frutas possuem valores e propriedades nutricionais essenciais para nossa saúde, porém, o que vale é o equilíbrio no consumo, sem exageros e sem esquecer de que nada substitui a higienização com escova e fio dental.

* Doutor Gregório T. P. Sagara é Consultor Científico da SIN Implantes, graduado em Odontologia pela FOP-UNICAMP, residência em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial pelo Complexo Hospitalar Padre Bento de Guarulhos.

Fonte: Alfapress Comunicações 



Pesquisa comprova maior eficácia de teste HPV para detecção de câncer

Estatuto da Pessoa com Câncer é sancionado

Passa a ser direito fundamental da pessoa com câncer a obtenção de diagnóstico precoce e acesso a tratamento universal.

Estatuto da Pessoa com Câncer é sancionado

Mulheres têm mais risco de sofrer infarto do que os homens

A quantidade de pessoas que sofrem com problemas cardiorrespiratórios no Brasil é tão significativa que sobram estatísticas para contar a história.

Mulheres têm mais risco de sofrer infarto do que os homens

Médico adota técnica para apoiar pessoas a envelhecer sem dor

Segundo Dr. Geraldo Carvalhaes, casos de dor crônica também afetam pessoas mais jovens.

Médico adota técnica para apoiar pessoas a envelhecer sem dor

Você é um Hipocondríaco?

Quando a preocupação com a saúde vira doença.

Você é um Hipocondríaco?

Número de prematuros aumenta no Brasil

Média de prematuridade no país atingiu 11,1% em 2020 e aumento pode estar ligado ao covid-19.

Número de prematuros aumenta no Brasil

40% dos clientes de plano de saúde usam o SUS

Pesquisa da Anab foi realizada com 1.006 usuários da saúde suplementar em todo o Brasil no mês de setembro.

40% dos clientes de plano de saúde usam o SUS

Depressão, ansiedade e dores musculares aumentaram na pandemia, diz estudo

Acupuntura e outras técnicas podem ajudar no alívio dos sintomas e melhora global dessas condições.

Depressão, ansiedade e dores musculares aumentaram na pandemia, diz estudo

Novembro Azul, câncer de próstata e cirurgia robótica

Trabalhos científicos mostram que 25% dos portadores de câncer de próstata morrem devido à doença.

Novembro Azul, câncer de próstata e cirurgia robótica

Qualidade de vida, apesar da dor

Lista de doenças dolorosas passíveis de tratamento é bem extensa.

Qualidade de vida, apesar da dor

Auxílio psicológico a pacientes com câncer de mama

A mulher não deve se sentir sozinha nessa jornada.

Auxílio psicológico a pacientes com câncer de mama

5 dicas para prevenir a osteoporose

Você sabia que uma em cada três mulheres têm osteoporose em todo o mundo?

5 dicas para prevenir a osteoporose