Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Má postura no trabalho é a principal causa de cervicalgia

Má postura no trabalho é a principal causa de cervicalgia

16/09/2020 Divulgação

Dados da Sociedade Brasileira de Estudo da Dor (SBED), de 30 a 50% da população sofre de cervicalgia.

Má postura no trabalho é a principal causa de cervicalgia

Grande parte da população mundial adotou o home office durante a pandemia. Com isso, a maioria dos profissionais precisou improvisar um espaço em casa para viabilizar o home office. Mas, esse improviso pode ser perigoso para a saúde da coluna.

“Tenho recebido muitos pacientes com queixas de dores na coluna, principalmente na cervical e na lombar”, comenta a fisioterapeuta Walkíria Brunetti, especialista em Pilates, RPG e fisioterapia neurológica.

“Quando falamos de cervicalgia, o principal fator de risco é uma postura inadequada na hora de trabalhar. Outra causa muito comum é a posição do pescoço durante o uso do celular ao digitar mensagens, ler ou usar os aplicativos. E nunca se usou tanto o celular como nos últimos seis meses”, comenta Walkíria.

A cervicalgia se instala lentamente. Na medida em que a pessoa adota posturas inadequadas por períodos prolongados, os sintomas aparecem. Além da dor no pescoço, ocorrem dores de cabeça, tontura e espalhamento da dor para os ombros. A dor pode irradiar para os braços e mãos, dependendo da lesão, segundo a especialista.

A boa notícia é que é possível prevenir a cervicalgia. E tudo depende de uma boa postura ao usar celulares, tablets e computadores.  Veja abaixo:

- Use uma cadeira que tenha um bom apoio para coluna e procure manter-se ereto;
- Ao usar o celular, dobre os cotovelos e leve o celular mais próximo do olhar;
- Use os braços de uma cadeira ou até mesmo almofadas para apoiar o antebraço;
- Durante o expediente, procure levantar a cada meia hora e olhar para o horizonte.

Fonte: Agência Health



Tratamento dentário em crianças diminui até 89% na pandemia

Queda nos tratamentos foi mais intensa em estados do Nordeste.

Tratamento dentário em crianças diminui até 89% na pandemia

Sete motivos que levam à procrastinação da dieta

Para o médico endocrinologista e especialista em emagrecimento, Rodrigo Bomeny, uma das causas é não estar ciente dos verdadeiros motivos que impulsionam a mudança de hábito.

Sete motivos que levam à procrastinação da dieta

Consumo de álcool e dormir mal contribuem para o ganho de peso

Médico endocrinologista explica como o álcool e o sono influenciam o metabolismo do corpo com consequências para a saúde.

Consumo de álcool e dormir mal contribuem para o ganho de peso

As verdades sobre o mau hálito

Conhecida também como mau hálito, a halitose ainda está cercada de dúvidas e preconceitos.

As verdades sobre o mau hálito

Aplicativo brasileiro que monitora Covid-19 já está em uso por 15 países

App conta com versões gratuitas e customizadas de acordo com as necessidades das empresas.

Aplicativo brasileiro que monitora Covid-19 já está em uso por 15 países

Como diagnosticar a artrite reumatoide

Especialista explica os principais fatores que podem indicar o início da doença.

Como diagnosticar a artrite reumatoide

Obesidade é um problema de saúde pública no mundo

Em 2025 estima-se que 2,3 milhões de pessoas estejam com sobrepeso.

Obesidade é um problema de saúde pública no mundo

O seu controle remoto pode estar contaminado e você nem sabe

Dica de limpeza é usar um pano limpo, de preferência de microfibra, e álcool 70º.

O seu controle remoto pode estar contaminado e você nem sabe

Brasil inicia campanhas de vacinação contra pólio e de multivacinação

Outubro Rosa: mês de conscientização sobre os riscos do câncer de mama

Campanha alerta mulheres sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.

Outubro Rosa: mês de conscientização sobre os riscos do câncer de mama

Por que as crianças sofrem mais com infecções no nariz, ouvidos e garganta?

Diagnóstico e tratamento precoces são essenciais para impedir a recorrência dos problemas.

Por que as crianças sofrem mais com infecções no nariz, ouvidos e garganta?

Insegurança alimentar grave atinge 10,3 milhões de brasileiros

Segundo IBGE, 10,3 milhões de pessoas residem em domicílios com insegurança alimentar grave.

Insegurança alimentar grave atinge 10,3 milhões de brasileiros