Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mau hálito vai além de problemas bucais

Mau hálito vai além de problemas bucais

12/12/2018 Divulgação

Cerca de 40% da população mundial sofre de mau hálito e sequer sabe.

Mau hálito vai além de problemas bucais
O mau hálito é um problema que incomoda muita gente. Seja quem sofre com a situação até amigos, familiares, colegas de trabalho e outras pessoas que estão próximas àqueles que se encaixam no quadro. O curioso disso tudo é que muita gente relaciona tal desconforto a problemas bucais, mas nem sempre as causas do mau odor vêm realmente da boca. Segundo a Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas dos Odores da Boca (ABPO) – Instituição voltada apenas para esse tipo de estudo –, cerca de 40% da população mundial sofre como mau hálito. Apesar da grande maioria dos casos estarem ligados a má higiene com os dentes, gengiva e língua, poucas pessoas sabem que as complicações gástricas também causam o cheiro ruim. “Problemas de saúde como o diabetes, gastrite, úlcera, refluxo e até a alimentação inadequada podem acarretar gases estomacais com odores desagradáveis. O corpo humano não foi feito para armazenar ou modificar esses gases, por isso, o nosso próprio organismo acaba os expulsando”, explica Henrique Eloy, médico clínico geral, especialista em cirurgia e endoscopia bariátrica e gastroenterologia. O especialista esclarece que em alguns casos, os gases podem ser similares ao do alimento ingerido, porém com um certo cheiro forte e ruim. “Quando o alimento chega ao estômago, ele passa por um processo de fermentação e digestão por conta do suco gástrico, enzimas e bactérias decompositoras. Esse procedimento acaba exalando os odores que a decomposição do alimento ingerido provoca”, acrescenta o médico. Outra preocupação é que esse desconforto pode ser um indicativo de um problema ainda maior. Em muitos casos, o mau hálito vindo do estômago pode ser um sintoma. “Uma úlcera, por exemplo, que é uma doença não muito desconfortável de início – ela causa o mal hálito antes de evoluir para um quadro maior. Então, quando o paciente perceber que o seu hálito mudou subitamente, o ideal é que ele procure logo um profissional e evite uma provável complicação”, explica Dr. Henrique Eloy. Dicas para afastar o mau hálito Comer em curtos períodos: quando o estômago fica com intervalos maiores do que três horas sem receber alimento, ele começa o processo de digestão sozinho e acaba eliminando gases; Mantenha a boca úmida: tomar bastante água, comer frutas ricas em líquido e evitar bebidas gaseificadas faz com que a boca, a garganta e o estômago fiquem hidratados e evitem o odor. O contrário dessa dica é aquele mau hálito que passamos pela manhã; Mastigue bem a comida: quando a comida chega melhor triturada no estômago, ele tem menos trabalho para digeri-la. Por conta disso, os gases são em menor quantidade; Coma alimentos mais naturais: alimentos processados acabam eliminando mais gases do que frutas, verduras, leguminosas e carnes na hora da digestão; Procure um especialista: Se não houver melhora, procure um médico Gastroenterologista. Como eu sei que tenho mau hálito? A melhor forma, é perguntar para um familiar ou amigo. Fora isso, a dica é parear a mão em frente à boca, baforar o ar que está preso na garganta e tentar sentir o cheiro. Apesar de que o olfato está acostumado com os odores do corpo, essa pode ser uma prova de que os gases estão saindo do corpo. Fonte: Naves Coelho – Assessoria & Marketing



Plano de saúde e a limitação de sessões de tratamento

Decisão recente do juiz de Direito Luciano Gonçalves Paes Leme, da 3ª vara Cível de Tatuapé/SP serve como precedente em favor do beneficiário em casos nos quais o plano de saúde negue a cobertura de tratamento.

Plano de saúde e a limitação de sessões de tratamento

A confusa e trapalhona decisão da OMS sobre a Síndrome de Burnout

Uma das dificuldades envolvendo o tema “Burnout” é que a noção ganhou status de dogma religioso.

A confusa e trapalhona decisão da OMS sobre a Síndrome de Burnout

TDAH não é um distúrbio exclusivamente infantil

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) afeta uma pequena parcela da população.

TDAH não é um distúrbio exclusivamente infantil

Dores e má postura em crianças podem estar ligadas ao encurtamento muscular

Redução da amplitude de movimento e vícios de postura são os principais sinais de os músculos estão encurtados.

Dores e má postura em crianças podem estar ligadas ao encurtamento muscular

Burnout agora é síndrome ocupacional: o que as empresas podem fazer?

Síndrome é relacionada ao ambiente de trabalho.

Burnout agora é síndrome ocupacional: o que as empresas podem fazer?

É verdade que o apêndice é um órgão desnecessário?

A retirada de apêndice é uma operação considerada comum na cirurgia geral.

É verdade que o apêndice é um órgão desnecessário?

Prevenção é o principal fator de manutenção da saúde

O isolamento social durante pandemia mudou radicalmente a rotina em todos os aspectos.

Prevenção é o principal fator de manutenção da saúde

Portal de telemedicina ultrapassa a marca de um milhão de atendimentos realizados

Plataforma de teleconsulta expandiu durante a pandemia.

Portal de telemedicina ultrapassa a marca de um milhão de atendimentos realizados

Tipos de shampoo: anticaspa, matizador e muito mais!

Descubra as principais características dos mais variados tipos de shampoo para cada tipo de cabelo.

Tipos de shampoo: anticaspa, matizador e muito mais!

O que é bom para estrias? Como evitar, tirar e muito mais!

Descubra quais são os tipos de estrias e quais os melhores tratamentos para combatê-las.

O que é bom para estrias? Como evitar, tirar e muito mais!

Campanha “Janeiro Roxo” promove conscientização sobre a hanseníase

O Brasil é o segundo país com maior número de casos da doença no mundo.

Campanha “Janeiro Roxo” promove conscientização sobre a hanseníase

Minas supera eixos tradicionais de saúde e deixa legado no combate à pandemia

Uma das frases que mais me marcaram na pandemia foi: “Dormi com minha irmã viva e acordei com a notícia de que ela estava quase morrendo”.

Minas supera eixos tradicionais de saúde e deixa legado no combate à pandemia