Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O fígado também precisa de cuidados

O fígado também precisa de cuidados

15/09/2006 Divulgação

Ao contrário de outros órgãos vitais, como coração e pulmões, o fígado é um órgão que "sofre calado", ou seja, demora a apresentar sintomas quando algo não vai bem. Assim, as pessoas costumam não dar muita importância a ele. Entretanto, como explica o hepatologista do Hospital Lifecenter, Osvaldo Flávio de Melo Couto, o fígado é o órgão mais complexo e com maior variedade de funções do corpo humano e, por isso, é importante orientar a população sobre os cuidados relativos a ele, assim como acontece com o coração, por exemplo.

De acordo com o médico, as duas causas mais comuns de doença hepática são o abuso na ingestão de álcool e as hepatites virais. Dentre elas, as mais conhecidas são as hepatites A, B e C. Existem ainda diversas outras doenças do fígado de causas metabólicas, auto-imunes, tóxicas e vasculares, que também podem levar à cirrose. "A cirrose hepática é o estágio final da doença do fígado. Ela não resulta apenas do uso indiscriminado do álcool, mas de outras agressões contínuas ou da hepatite crônica. As hepatites por vírus B e C, por exemplo, são causas comuns de cirrose", diz ele. 

Segundo Couto, o perigo está, justamente, no fato de as doenças hepáticas, em geral, não apresentarem sinais e sintomas importantes no início. "Quando existem, podem não ser específicos, como mal-estar, fadiga, desconforto abdominal e, às vezes, icterícia, que é uma coloração amarelada da pele e pode ser observada no branco dos olhos". Sendo assim, em grande parte dos casos, o diagnóstico se faz quando a doença está avançada e a função hepática alterada. 

O fígado é responsável pelo metabolismo dos carboidratos, das gorduras e das proteínas; armazena vitaminas e ferro; sintetiza grande parte das substâncias utilizadas no processo de coagulação e serve para remover substâncias tóxicas do organismo. Produz os sais biliares, que são importantes na digestão das gorduras. Assim, quando suas funções são comprometidas por algum motivo, diversos processos importantes para o organismo deixam de acontecer adequadamente, comprometendo o bem-estar geral. 

A utilização de remédios em excesso pode levar à hepatite medicamentosa. Os mais comuns, estão antibióticos, analgésicos e antiinflamatórios. No geral, as lesões estão associadas ao uso de doses maiores do que as recomendadas pelos médicos. O uso de alguns medicamentos de forma contínua também pode causar hepatite crônica.

As pílulas anticoncepcionais devem sempre ser feita sob supervisão médica. "Pílulas anticoncepcionais estão associadas ao surgimento de um tipo de tumor benigno do fígado, mas havendo acompanhamento médico, o profissional ficará atento para monitorar a função do fígado através de exames e substituir ou suspender a medicação caso necessário", diz Couto.

O uso de anabolizantes, causam um tipo de hepatite denominado "hepatite tóxica", destruindo as células do fígado e também as biliares, que formam os canais responsáveis por conduzir a bile do fígado até o intestino. "Com isso, há retenção e acúmulo dessa substância no fígado, com conseqüente inflamação, que pode levar à denominada hepatite fulminante, que requer transplante hepático e pode causar a morte do doente", diz o médico. 

Outra doença comum, que pode inclusive levar à cirrose, é a esteatose hepática. A doença é o acúmulo de gordura no fígado. Embora não exclusivo daqueles que estão acima do peso, o problema costuma afetar as pessoas obesas, além das diabéticas e com altas taxas de colesterol e triglicérides no sangue. 

O álcool é o principal inimigo do fígado. Quando a substância é ingerida, ela é absorvida rapidamente pelo trato gastrintestinal e transportada, no sangue, diretamente para o fígado. Quando a bebida alcoólica é ingerida em excesso, a capacidade do órgão de eliminar essas substâncias tóxicas chega a um limite e tais substâncias se acumulam, inflamando o fígado.

Existem exames de rotina feitos no sangue que medem a inflamação, o fluxo normal da bile e a síntese das substâncias normalmente produzidas pelo fígado. Eles são indicados não só para quem apresenta algum risco, como os viciados em álcool ou aqueles que possuem acúmulo de gordura no fígado, mas qualquer indivíduo, embora em pessoas sadias possam ser feitos bem mais espaçadamente. Além disso, é importante que as pessoas tenham noção do risco que correm ao abusar de medicamentos, álcool, gorduras ou outras substâncias tóxicas para o fígado.



Vacina para a Covid-19, o que precisamos saber

Qualquer notícia sobre a produção das vacinas contra a Covid-19 sempre deixa a população mundial esperançosa.

Vacina para a Covid-19, o que precisamos saber

Ministério da Saúde lança campanha de amamentação

Amamentação reduz mortalidade infantil e risco de câncer de mama.

Ministério da Saúde lança campanha de amamentação

Seminário internacional sobre autismo aborda ética no tratamento

No dia 22 de agosto, acontece o XVIII Seminário Internacional do Instituto LAHMIEI - Autismo da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).


Como saber se tenho bruxismo?

Dor na mandíbula e cabeça ao acordar são sintomas comuns.

Como saber se tenho bruxismo?

As novas maneiras de olhar e cuidar da saúde física e mental

Muito tem se falado sobre o impacto da pandemia e do distanciamento social na vida das pessoas.


Consultas odontológicas diminuem 80% durante a pandemia

Pesquisa feita pela UFPel diz respeito às consultas odontológicas na rede pública.

Consultas odontológicas diminuem 80% durante a pandemia

Aspectos emocionais do câncer

O câncer coloca a pessoa em situação limite, pois carrega o estigma da morte e do sofrimento.


Vacinas: destrinchando as fases da produção

A história do processo de produção das vacinas remonta aos trabalhos realizados pelo naturalista e médico inglês Edward Jenner, no final do século XVIII.

Vacinas: destrinchando as fases da produção

Lançado e-book com rotina de médicos em UTIs na pandemia

Prosas, versos e muita emoção mostram a nova realidade dos profissionais.


Síndrome de Burnout deve atingir diversos profissionais pós-pandemia

Cansaço, fadiga e estresse no trabalho podem ser mais sérios do que se imagina

Síndrome de Burnout deve atingir diversos profissionais pós-pandemia

Qual é o plano futuro para o setor de saúde depois da pandemia?

O setor de saúde deverá se reinventar, assim como vários setores da economia.

Qual é o plano futuro para o setor de saúde depois da pandemia?

Baixa adesão faz Ministério da Saúde ampliar campanha contra sarampo

Pessoas de 20 a 49 anos poderão se vacinar até o dia 31 de agosto, em todo o país.

Baixa adesão faz Ministério da Saúde ampliar campanha contra sarampo