Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Obesidade, vícios e prazeres: o que eles têm em comum?

Obesidade, vícios e prazeres: o que eles têm em comum?

21/06/2019 Dr. Renato Falci Júnior

Quem já tentou emagrecer conhece a enorme dificuldade para chegar ao peso desejado.

A obesidade é, sem dúvidas, um grave problema de saúde individual e coletiva neste século. Em 2025, o mundo terá mais de 700 milhões de adultos obesos[1].

No Brasil, hoje, mais de 50% da população adulta está acima do peso e um quinto dos adultos está com obesidade[2]. 

Até hoje, os mecanismos envolvidos no ganho de peso descontrolado eram pouco claros. Temos percebido o fracasso da maioria das dietas e os resultados insatisfatórios das terapias mais agressivas, como a cirurgia bariátrica.

Segundo a Universidade da Califórnia, indivíduos que se submetem a dieta para emagrecer por seis meses perdem apenas 5% a 10% do seu peso inicial, e, nos anos subsequentes, dois terços deles, ganham mais peso do que perderam[3].

No entanto, a neurociência parece que nos dá uma luz para entender melhor esse grande problema e um caminho para enfrentar a dificuldade para emagrecer.

O estudo do comportamento humano frente aos vícios teve início em meados do século passado. Por décadas, atribuiu-se esse mecanismo de repetição descontrolada de um ato prazeroso a um grupo de pessoas consideradas de personalidade fraca ou de formação moral incompleta.

Tempos depois, por meio do uso da neuroimagem funcional, que é um método de imagem que permite mapear as áreas cerebrais ativadas em determinados comportamentos, a ciência descobriu que o cérebro humano processa de forma semelhante praticamente todas as formas de prazer.

Independentemente de o prazer ser originado por ingestão de uma substância química (drogas), recompensa financeira, encontro sexual, jogos, compras, pornografia, ingestão de uma refeição ou outra fonte qualquer, ocorre liberação de dopamina – uma substância química que transmite informação aos neurônios – no núcleo acumbente, que é uma pequena região no cérebro responsável pelo prazer. Este núcleo é tão específico para essa atividade que é conhecido como núcleo do prazer.

Uma vez estimulado o núcleo do prazer, independentemente do fator gerador, ocorre a ativação de outros dois centros no cérebro: um centro que memoriza o prazer (hippocampus) e outro que associa o prazer a seu ato gerador, induzindo a sua repetição (amigdala).

Portanto, ao experimentar uma sensação de prazer, o cérebro, além de memorizá-la, armazena a forma como ela foi obtida, fixando uma tendência comportamental para repeti-la. É como se o cérebro montasse uma armadilha para que o indivíduo repita incansavelmente o ato prazeroso[4].

Tudo isso funciona muito bem – e é essencial para a sobrevivência do ser humano – até o momento em que o ato que desencadeia a sensação de prazer possa ser repetido de forma fácil ou pouco custosa para o organismo.

Nesta situação, ou ainda quando é induzido por algumas substâncias químicas como as drogas, o cérebro é capaz de fazer uma autorregulação na região do prazer, diminuindo o efeito da “substância do prazer”, a dopamina. Ou seja, o cérebro humano passa a ficar mais resistente ao efeito prazeroso desencadeado por determinado estímulo.

Com isso, as demais regiões encarregadas em repetir o ato gerador do estímulo se hiperativam na tentativa de gerar o mesmo resultado. Nesse momento, o mecanismo de vício está instalado.

O mesmo cigarro fumado, o mesmo dinheiro ganho ou o mesmo pedaço de bolo não serão mais capazes de gerar o mesmo nível de prazer ao cérebro humano que eles geravam no início. Ele quer mais.

A distância entre o ato de prazer e o vício é variável e depende de uma série de fatores como predisposição genética, atos ou substâncias indutoras e capacidade de controle.

A facilidade de repetição do ato parece ter papel fundamental, e isso é facilmente observado na alimentação. A ingestão de alimentos sempre gerou essa recompensa no cérebro.

Ocorre que, no passado, a obtenção de alimento era acompanhada de grande gasto de energia, o que dificultava sua repetição frequente. Com o avanço tecnológico, a comida tornou-se barata e de fácil obtenção, favorecendo e aumentando exponencialmente a incidência de obesidade.

O que nos resta, até que se descubra uma forma de mudar essa dinâmica, é treinarmos, desde pequenos, a conter essa aparente tendência do comportamento humano.

No caso específico da prevenção da obesidade, à luz dessas novas evidências, abre-se um caminho para o controle do ganho de peso, que consiste em cortar esse ciclo gerador de prazer, exatamente no momento em que percebemos a tendência ao vício em comida.

Ter o hábito cotidiano de se alimentar com moderação, frente a esse novo achado científico, surge como um mecanismo, embora aparentemente desagradável, promissor no controle da obesidade.

* Dr. Renato Falci Júnior é urologista e membro do comitê científico do Instituto Lado a Lado pela Vida.

[1] Organização Mundial da Saúde (OMS)

[2] Associação Brasileira para Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica.

[3] Dieting does not work. UCLA researchers report, 2007.

[4] How addiction hijacks the brain. Harvard Health Publishing, Harvard Medical School, 2011.

Fonte: Imprensa - Instituto Lado a Lado



Principais vacinas e reações em bebês

A vacinação infantil protege de inúmeras doenças e faz parte dos cuidados básicos.

Principais vacinas e reações em bebês

Campanha Nacional de Vacinação foca em poliomielite e multivacinação

Cerca de 40 mil salas de vacinação em todo o país começaram a aplicar os imunizantes. A campanha terminará em 9 de setembro.

Campanha Nacional de Vacinação foca em poliomielite e multivacinação

Sinusites e conjuntivites do inverno aumentam risco da celulite ocular em crianças

Os principais sintomas da celulite periorbital e orbital são vermelhidão e inchaço nas pálpebras.

Sinusites e conjuntivites do inverno aumentam risco da celulite ocular em crianças

Transtornos alimentares: conheça as diferenças de cada tipo e os sintomas

Os transtornos alimentares podem trazer consequências sérias para a saúde.

Transtornos alimentares: conheça as diferenças de cada tipo e os sintomas

Mito ou verdade: seguro de vida é usado somente em morte

O seguro de vida oferece diversas coberturas para serem utilizadas em vida.

Mito ou verdade: seguro de vida é usado somente em morte

O perigo dos cigarros eletrônicos para os adolescentes e jovens

Um pequeno dispositivo que cabe no bolso e que surgiu com a promessa de ser menos prejudicial que o cigarro normal e ainda ajuda a parar de fumar.

O perigo dos cigarros eletrônicos para os adolescentes e jovens

ANVISA aprova novos produtos de canabidiol no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) aprovou pela primeira vez dois produtos medicinais com teor de THC acima de 0,2%.

ANVISA aprova novos produtos de canabidiol no Brasil

Cuidados ao longo do dia melhoram aparência da pele e previnem doenças

Os diferentes tipos de pele e os cuidados que devem ser tomados em cada período do dia.

Cuidados ao longo do dia melhoram aparência da pele e previnem doenças

Rosácea aumenta risco de inflamação crônica nas pálpebras e olho seco

Doença afeta cerca de 5% da população e em 20% dos casos há manifestações oculares.

Rosácea aumenta risco de inflamação crônica nas pálpebras e olho seco

Benefícios da osteopatia na gravidez

Todo o processo focará na extinção e prevenção de qualquer tipo de dores e inflamações oriundas das alterações corporais.

Benefícios da osteopatia na gravidez

Entorse de tornozelo pode evoluir para lesões mais severas quando não tratado

Até um terço dos pacientes podem sentir dor depois de 12 meses da lesão.

Entorse de tornozelo pode evoluir para lesões mais severas quando não tratado

Diabetes aumenta em 35% o risco de desenvolver um glaucoma neovascular

Glaucoma neovascular está ligado ao diabetes e doenças que afetam o sistema vascular.

Diabetes aumenta em 35% o risco de desenvolver um glaucoma neovascular