Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Osteoporose, e agora?

Osteoporose, e agora?

21/10/2019 Divulgação

Saiba como prevenir, diagnosticar e quais são os fatores que predispõem seu aparecimento.

Osteoporose, e agora?

Em 20 de Outubro é celebrado o Dia Mundial e Nacional da Osteoporose. A data coloca em evidência a necessidade de conscientizar e esclarecer a população sobre essa doença que atinge, segundo dados da Organização Mundial da Saúde, cerca de 10 milhões de brasileiros.

A descoberta costuma ocorrer junto com uma fratura, ou seja, quando já está em um estágio mais avançado. Esse cenário aponta para uma urgência na prevenção e no diagnóstico precoce da doença, que pode ser feito por meio da densitometria óssea.

De acordo com a ginecologista e especialista em Reprodução Humana do Hospital da Mulher Anchieta, Dra. Vera Serafim, a prevenção deve ser realizada desde cedo, principalmente em indivíduos com histórico familiar, tendo em vista que a osteoporose é uma doença hereditária. Nesses casos, a indicação é que a densitometria óssea seja feita antes do recomendado para as demais pessoas – no caso das mulheres, acima de 60 anos; dos homens, acima de 70 anos.

Caso a descoberta seja feita após o aparecimento da doença, é preciso haver mudanças no estilo de vida, com a introdução de atividade física e dieta saudável, além considerar a opção de medicamentos para conter o avanço da doença.

O que predispõe o surgimento?

A especialista alerta que múltiplos fatores podem levar a uma predisposição ao desenvolvimento da osteoporose. Entre eles, uma alimentação deficiente em leite e seus derivados, doenças crônicas, tais como disfunção tireoidiana, distúrbios da paratireoide, diabetes, câncer, fase pós-menopausa, uso crônico de corticoides, sedentarismo, entre outros.

Osteopenia

É uma condição pré-clínica, caracterizando o processo inicial de perda óssea, antes de aparecer a osteoporose. Nem sempre ela evolui para a doença, se algumas medidas preventivas forem tomadas. “Com a identificação desse estágio inicial de fragilidade óssea, é indicado o tratamento clínico que inclui atividade física, dieta rica em cálcio e vitamina D e, na pós-menopausa, o uso de terapia hormonal para o climatério – período em que a mulher passa da fase reprodutiva para a fase da pós-menopausa”, explica a Dra. Vera Serafim.

Previna-se:

- Tenha sempre uma dieta balanceada, rica em cálcio e vitamina D
- Adicione exercícios físicos regulares a sua rotina
- Exposição solar de forma moderada
- Visite um especialista para tirar dúvidas e receber orientações

Fonte: Frisson Comunicação



Como garantir a qualidade de ar do seu negócio para reabertura pós-pandemia

Um dos sintomas associados a não renovação do ar é a dor de cabeça e a sonolência.

Como garantir a qualidade de ar do seu negócio para reabertura pós-pandemia

Periferias são mais vulneráveis ao coronavírus

Informalidade e desigualdade urbana sãos as principais causas.

Periferias são mais vulneráveis ao coronavírus

O mundo pós Coronavírus

A presente época de pandemia impôs aos seres humanos uma condição inusitada: isolamento social.


Jogos, tecnologia e exercícios físicos são aliados dos idosos durante distanciamento social

Atividades são grandes aliadas na preservação da saúde física e mental durante esse período.

Jogos, tecnologia e exercícios físicos são aliados dos idosos durante distanciamento social

Entenda por que obesos estão no grupo de risco

No Brasil, uma a cada cinco pessoas são obesas.

Entenda por que obesos estão no grupo de risco

Tempo demais no celular faz mal à visão das crianças

Os pais precisam ficar atentos aos sinais no comportamento dos pequenos.

Tempo demais no celular faz mal à visão das crianças

Pandemia reduz procura no atendimento por câncer de mama

Levantamento foi realizado pela Sociedade Brasileira de Mastologia


Como aumentar a produção de colágeno para o rosto e corpo

Descubra os alimentos que aumentam a produção de colágeno para o rosto, cabelos e unhas. Dicas importantes de como produzir colágeno natural.


Pesquisa estima que casos confirmados são 35% dos sintomáticos

Percentual é melhor que de abril quando proporção era de 15%.

Pesquisa estima que casos confirmados são 35% dos sintomáticos

Por que o Coronavírus é mais perigoso para os idosos?

Entre as razões está a capacidade de resposta do sistema imunológico, que fica mais lenta e fraca à medida em que a pessoa envelhece.

Por que o Coronavírus é mais perigoso para os idosos?

Por que no outono os cabelos caem mais?

Com a chegada do outono/inverno, cai a incidência de luminosidade e as temperaturas ficam cada vez mais baixas.

Por que no outono os cabelos caem mais?

As dores musculares não podem ser ignoradas

Sofrer com dores não é normal e elas não devem ser ignoradas, ainda mais em tempo de pandemia.

As dores musculares não podem ser ignoradas