Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Porque a enxaqueca piora no verão?

Porque a enxaqueca piora no verão?

08/01/2016 Divulgação

Veja as dicas do neurologista Dr. Leandro Teles para esse problema.

O verão é geralmente a pior época do ano para os portadores de enxaqueca. E os fatores de causa são bem variados e vão desde efeito direto do calor até a mudança do estilo de vida rotineiro por conta das férias e viagens.

O neurologista Dr. Leandro Teles da capital paulista, explica que o excesso de Sol, por exemplo, pode levar a alteração o calibre dos vasos e predispor a uma crise - tanto pelo calor como por desidratação.

"Além disso, a alteração de sono (para mais ou para menos), os alimentos gordurosos e o excesso de álcool (especialmente o consumo de vinho tinto) são outros culpados potenciais pela piora sazonal", diz o médico.

A predisposição à enxaqueca é determinada geneticamente, por diversos genes que geram graus variados de tendência.

Essa tendência genética irá se apresentar mais ou menos a depender de outros fatores ambientais como: oscilação hormonal, alimentação, privação de sono, estresse, estações do ano, entre outros.

Quando acontece, a dor é provocada por uma mistura de inflamação e dilatação das artérias, que é sentida de forma intensa por um sistema de controle de dor ineficiente.

"Estima-se que acima de 90% da população mundial tenha dores eventuais, sendo que 50% apresenta impactos na sua rotina diária dado a frequência ou intensidade dessas dores", explica Dr. Leandro acrescentando que "sem medicamento, uma crise pode durar até 3 dias seguidos e ser muito incapacitante".

Para não deixar a enxaqueca estragar o verão, o neurologista deixa algumas dicas:

1- Hidratação: abuse da água, sucos, isotônicos, água de coco, etc;

2- Evite álcool em excesso (principalmente vinho tinto);

3- Alimente-se de 3 em 3 horas. Prefira comidas naturais, de fácil digestão, com pouca gordura, condimentos e cafeína. Evite também os embutidos e queijos amarelos;

4- Proteja-se do sol e do calor com óculos escuros, chapéu, boné, guarda-sol, ventiladores e ar condicionado;

5- Procure manter certa regularidade de sono (não se privando demais e também não exagerando na dose);

6- No caso de crise de enxaqueca iniciando: afaste-se do sol e de locais muito iluminados e barulhentos, interrompa qualquer atividade física e procure descansar ou dormir. Logo no começo faça uso de medicamentos apropriados prescrito por seu médico de confiança. Compressas frias na cabeça também podem ajudar;

7- Em crises acima de 1 vez ao mês (no verão ou fora dele), é importante buscar ajuda especializada para delinear o melhor tratamento. 



Ministério da Saúde lança campanha de amamentação

Amamentação reduz mortalidade infantil e risco de câncer de mama.

Ministério da Saúde lança campanha de amamentação

Seminário internacional sobre autismo aborda ética no tratamento

No dia 22 de agosto, acontece o XVIII Seminário Internacional do Instituto LAHMIEI - Autismo da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).


Como saber se tenho bruxismo?

Dor na mandíbula e cabeça ao acordar são sintomas comuns.

Como saber se tenho bruxismo?

As novas maneiras de olhar e cuidar da saúde física e mental

Muito tem se falado sobre o impacto da pandemia e do distanciamento social na vida das pessoas.


Consultas odontológicas diminuem 80% durante a pandemia

Pesquisa feita pela UFPel diz respeito às consultas odontológicas na rede pública.

Consultas odontológicas diminuem 80% durante a pandemia

Aspectos emocionais do câncer

O câncer coloca a pessoa em situação limite, pois carrega o estigma da morte e do sofrimento.


Vacinas: destrinchando as fases da produção

A história do processo de produção das vacinas remonta aos trabalhos realizados pelo naturalista e médico inglês Edward Jenner, no final do século XVIII.

Vacinas: destrinchando as fases da produção

Lançado e-book com rotina de médicos em UTIs na pandemia

Prosas, versos e muita emoção mostram a nova realidade dos profissionais.


Síndrome de Burnout deve atingir diversos profissionais pós-pandemia

Cansaço, fadiga e estresse no trabalho podem ser mais sérios do que se imagina

Síndrome de Burnout deve atingir diversos profissionais pós-pandemia

Qual é o plano futuro para o setor de saúde depois da pandemia?

O setor de saúde deverá se reinventar, assim como vários setores da economia.

Qual é o plano futuro para o setor de saúde depois da pandemia?

Baixa adesão faz Ministério da Saúde ampliar campanha contra sarampo

Pessoas de 20 a 49 anos poderão se vacinar até o dia 31 de agosto, em todo o país.

Baixa adesão faz Ministério da Saúde ampliar campanha contra sarampo

Dores no inverno: como amenizar o quadro em tempos de menor temperatura

Queixar-se da piora das dores em dias frios está longe de ser um drama ou frescura.

Dores no inverno: como amenizar o quadro em tempos de menor temperatura