Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Quando a dor pode mascarar um problema de depressão

Quando a dor pode mascarar um problema de depressão

27/04/2006 Da Redação

Estudos científicos provam que 70% dos pacientes que sofrem de depressão apresentam um quadro de dor, as mais comuns são: dor nas costas ou no corpo todo. Este é um assunto sério que deve ser tratado com a máxima atenção.

Quem comenta o tema é a reumatologista e professora da Unifesp, Evelin Goldenberg. Em sua clínica há diversos casos que comprovam esta situação. "Vários pacientes procuram o médico com sintomas físicos de dor e o real diagnóstico é a depressão. Se esta não for adequadamente diagnosticada, o paciente não será tratado corretamente", afirma a Dra Evelin.

Um paciente que apresenta um quadro de dor pelo corpo todo pode apresentar sinais claros de uma depressão aguda, doença considerada grave e potencialmente fatal pela Organização Mundial de Saúde. 

Os sinais físicos são vários, os mais comuns são: dores nas costas, cefaléia, fadiga, tontura, taquicardia e insônia. É importante lembrar que estudos de comportamento clínico já mostraram que 10% dos pacientes com depressão profunda podem cometer suicídio. 

No campo psicológico o alerta é o mesmo. Se o paciente apresentar sinais de tristeza, angústia, queda da libido, choro fácil e desinteresse sexual ele é um sério candidato a mascarar uma depressão grave. 

"É fundamental alertar a população sobre estes sintomas, pessoas com tais sintomas devem procurar ajuda médica", finalizou a Dra. Evelin. 

Dra. Evelin Goldenberg, autora do livro "O coração sente, o corpo dói - Como reconhecer e tratar a fibromialgia" (Ed. Atheneu), é mestre e doutora em reumatologia pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) - Escola Paulista de Medicina. 

Defendeu tese de doutorado sobre o tratamento da fibromialgia com acupuntura. É coordenadora do curso de pós-graduação em reumatologia, com ênfase ocupacional do Hospital Albert Einstein (SP) e professora colaboradora da disciplina de Clínica Médica da Unifesp-EPM.



Violência “no touch”

O assédio moral pode trazer sequelas emocionais e físicas.


Esfoliação ideal para uma pele linda e renovada

Dicas para manter uma pele saudável e bem cuidada.

Esfoliação ideal para uma pele linda e renovada

Fevereiro é mês de conscientização do Lúpus, Fibromialgia e Alzheimer

Embora sejam doenças que não têm cura o diagnóstico precoce e correto pode garantir melhor qualidade de vida aos pacientes.

Fevereiro é mês de conscientização do Lúpus, Fibromialgia e Alzheimer

Exercícios físicos x uso de prótese nos seios

O implante de próteses nos seios é uma das cirurgias plásticas mais procuradas pelas brasileiras.

Exercícios físicos x uso de prótese nos seios

Campanha Nacional de Vacinação contra sarampo foca em crianças e jovens

Nesta primeira etapa serão enviadas 660 mil doses da tríplice viral, destinadas a crianças e jovens entre 5 e 19 anos.

Campanha Nacional de Vacinação contra sarampo foca em crianças e jovens

Como utilizar corretamente o protetor solar

Dicas simples que podem te ajudar de forma correta este produto indispensável para a saúde.

Como utilizar corretamente o protetor solar

Transtorno de conduta infantil

O Transtorno de conduta (TC) não é uma simples desobediência.


Volta às aulas: as vacinas estão em dia?

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda que as vacinas das crianças e dos adolescentes estejam em dia.

Volta às aulas: as vacinas estão em dia?

Artrose nas mãos é comum, mas pode ser evitada

Doença normalmente associada à idade avançada, pode se manifestar muito cedo, causando dores e limitações motoras, mas é possível atenuar seus efeitos.

Artrose nas mãos é comum, mas pode ser evitada

Dia Nacional da Mamografia: um alerta sobre a importância do exame

Prevenção pode detectar lesões assintomáticas e possibilita tratamento do câncer de mama em fase inicial.

Dia Nacional da Mamografia: um alerta sobre a importância do exame

Hanseníase: entenda a doença

Considerada uma das doenças mais antigas do mundo, a Hanseníase foi registrada pela primeira vez no século 6 a.C., sendo conhecida naquela época como lepra.


Brasil terá 625 mil novos casos de câncer por ano até 2022

Para a população infantojuvenil são esperados mais de 8 mil casos, diz Inca.

Brasil terá 625 mil novos casos de câncer por ano até 2022